Connect with us

Cultura Pop

Space: quando a França levou a disco music para o espaço

Published

on

Em 11 de fevereiro de 1978, a Billboard notava que a disco music estava invadindo a França – e já estava dando seus reflexos em premiações como o Midem. A onda já tinha nome (french sound), estava sendo exportada para os EUA e tinha uma gravadora bastante interessada. Era a Carrére, que estava enchendo os cofres com as gravações do grupo Sheila and B. Devotion – nome artístico de Annie Chancel, uma ex-cantora do movimento yé yé (espécie de “jovem guarda” local) que invadira as paradas em 1977 com Love me baby.

Conhecida por alguns anos em seu país de origem, Sheila tinha virado produto de exportação (no Brasil, chegou a aparecer em coletâneas de disco music e a tocar muito em rádio). E o próximo nome a surgir da tal onda francesa seria um grupo expert em músicas dançantes, com muitos vocoders, sintetizadores e ambientações espaciais. E não por acaso o nome daquele grupo era Space.

Liderado por um compositor francês chamado Didier Marouani, o Space era um grupo bem adequado à onda que vinha tomando conta do pop por aqueles tempos. 1977 era o ano do levante punk, mas por outro lado, também era o ano do sintetizador, com os teclados dominando a parada de sucessos e tomando conta de edições inteiras do Top of the popschegamos a falar disso no POP FANTASMA. Até mesmo Jean-Michel Jarre, supertecladista francês que tinha mais a ver com sons progressivos do que com disco music, foi levado de roldão pela onda com seu clássico espacial Oxygéne, de 1978. A “parte 4” do disco virou hit e ganhou até um curioso clipe pré-MTV.

Advertisement

O Space era uma espécie de proto Daft Punk, com os integrantes sempre metidos em trajes de astronautas e pegando pesado nas referências de ficção científica. Didier dividia os “serviços musicais” com os arranjadores Roland Romanelli e Jannick Top. O líder do Space tinha começado na música como menino-prodígio do piano, influenciara-se por Beatles, Tangerine Dream, Kraftwerk e Elton John, e apaixonou-se pelo mellotron assim que conheceu o teclado.

O primeiro hit do Space, Magic fly, só chegou às lojas (e fez sucesso) depois da terceira tentativa. Foi composto por Didier para um programa de TV sobre astrologia cujo piloto não foi aceito pela emissora. Depois, foi a gravadora com a qual Didier tinha contrato que achou a música ruim. Mas Didier, que também arrumara um contrato como cantor com a Polydor, decidiu não usar a própria voz, vestiu um capacete e gravou a faixa pelo selo Disques Vogue. Fez tanto sucesso que o artista rescindiu o contrato com a gravadora e desistiu da ideia de não aparecer como integrante do Space.

O disco trazia também uma disco music latina e eletrônica, mais formal, com a participação de Madeline Bell (backing vocal de Elton John) no vocal. Era Carry on, turn me on.

Advertisement

O Space era um grupo de estúdio: só existia em gravações de disco ou de TV. Apesar de Didier estar louco para levar música da banda para o palco, a tecnologia disponível não ajudava muito e os produtores eram contra. Em 1977 saía o segundo disco, Deliverance, cuja capa era feita pela mesma turma que cuidava do lay out do Pink Floyd, a Hipgnosis – dando uma certa cara progressiva àquele som dançante. Rolaram mais dois discos, até que Didier pensou: por que não fazer um show na Torre Eiffel e mostrar todo aquele som espacial pela primeira vez ao vivo?

Não deu certo porque, segundo Didier, o produtor do Space não quis. “Eu já tinha a autorização, a imprensa do meu lado. Depois disso caí fora. Um grupo que não toca ao vivo está condenado a morrer”, contou aqui. O que Didier não sabia era que seu produtor havia registrado o nome Space. O músico passou a usar seu próprio nome e, em 1982, chegou a fazer uma turnê na União Soviética.

Foi uma turnê bem turbulenta, por sinal: nem ele estava acostumado a tocar a música do Space ao vivo, nem os produtores do show entendiam como lidar com aquele monte de teclados e luzes. Mas o relacionamento de Didier com a URSS continuou forte a ponto de ele juntar o coral do Exército Vermelho e os canarinhos da Universidade de Harvard (!) no álbum Space opera, em 1987.

Advertisement

De lá para cá, Didier reativou o Space, gravou solo, fez mais shows e projetos na Rússia e até deixou uma mensagem de feliz 2021 pra você. Pega aí.

Tem conteúdo extra desta e de outras matérias do POP FANTASMA em nosso Instagram.

Continue Reading
Advertisement

Cultura Pop

Tem XTC no podcast do POP FANTASMA

Published

on

XTC

É a banda de Making plans for Nigel e King for a day! A banda britânica XTC deixou saudade na gente e em mais um monte de fãs. No nosso podcast POP FANTASMA DOCUMENTO, recordamos alguns dos momentos mais maravilhosos (nada de “melhores momentos”, XTC só tem música maravilhosa) desse grupo, liderado pelos gênios Andy Partridge e Colin Moulding, que acabou de forma misteriosa e deixou vários álbuns que todo mundo tem que conhecer. E convidamos o amigo DJ e músico Pedro Serra (Estranhos Românticos, O Branco E O Índio, Rockarioca) para ajudar a explicar porque é que você tem que parar tudo e ouvir o som deles agora mesmo.

O Pop Fantasma Documento é o podcast semanal do site Pop Fantasma. Episódios novos todas as sextas-feiras. Roteiro, apresentação, edição, produção: Ricardo Schott. Músicas do BG tiradas do disco Jurassic rock, de Leandro Souto Maior. Arte: Aline Haluch. Estamos no SpotifyDeezerCastbox Mixcloud: escute, siga e compartilhe! Ah, apoia a gente aí: catarse.me/popfantasma.

Continue Reading

Cinema

No podcast do POP FANTASMA, a redescoberta de Jim Morrison em 1991

Published

on

No podcast do POP FANTASMA, a redescoberta de Jim Morrison em 1991

Indo na onda do documentário Val, sobre o ator Val Kilmer, e recordando os 50 anos da morte de Jim Morrison, lembramos no nosso podcast, o POP FANTASMA DOCUMENTO, aquela época em que Val virou Jim. O ator de filmes como Top Secret interpretou o cantor no filme The Doors (1991), dirigido por Oliver Stone. E, de uma hora para outra, mais uma vez (e vinte anos após a partida de Jim Morrison), uma geração nova descobria canções como Light my fire, Break on through e L.A. woman.

No podcast do POP FANTASMA, a redescoberta de Jim Morrison em 1991

O Pop Fantasma Documento é o podcast semanal do site Pop Fantasma. Episódios novos todas as sextas-feiras. Roteiro, apresentação, edição, produção: Ricardo Schott. Músicas do BG tiradas do disco Jurassic rock, de Leandro Souto Maior. Arte: Aline Haluch. Estamos no SpotifyDeezerCastbox Mixcloud: escute, siga e compartilhe! Ah, apoia a gente aí: catarse.me/popfantasma.

Continue Reading

Cultura Pop

Quando pegaram Gary Cherone (Extreme) para Cristo

Published

on

Em 1994, pouco antes de gravar o quarto disco com sua banda Extreme (o pseudo-conceitual Waiting for the punchline, de 1995) e de fazer uma tentativa de virar o vocalista do Van Halen (que deu no disco Van Halen III, de 1998, e numa turnê), o cantor Gary Cherone encontrou Jesus. Bom, mais que isso: ele se tornou Jesus, como ator da ópera-rock Jesus Christ Superstar, mas apenas nas montagens da peça em Boston, em 1994, 1996 e 2003.

O papel de Gary incluiu a crucificação e tudo, e o cantor chegou a declarar que a peça era uma antiga obsessão sua. “Sempre adorei a música dessa peça”, contou. O musical foi uma produção da Boston Rock Opera, trazia ainda Kay Hanley (Letters To Cleo) como Maria Madalena, e participação de vários roqueiros locais. Gary realmente curtia Jesus Christ Superstar: segundo uma matéria do The Boston Globe, a equipe que fazia o musical estava pensando em não apresentar nada na páscoa de 1994. Só que Gary não deixou: tinha visto uma encenação em Boston em 1993, gostou do que viu, passou a mão no telefone e ligou pessoalmente para a turma oferecendo-se para o papel.

A equipe ouviu o pedido do vocalista do Extreme, achou que ser maluquice não aproveitar a oferta do cantor e partiu para os ensaios. Detalhe que Gary, depois de três temporadas sendo crucificado, se preparava para outro desafio na mesma peça: iria interpretar Judas, o amigo da onça de Jesus. “Gosto do papel de Jesus, mas Judas tem músicas mais pesadas”, chegou a dizer.

Advertisement

Isso de Gary resolver interpretar Judas e gostar do lado meio pesado da história (e ele fez mesmo o papel em 2000) reacendeu uma velha polêmica em relação a Jesus Christ Superstar. Criada por Andrew Lloyd Webber e Tim Rice inicialmente como uma ópera-rock lançada apenas em disco (ninguém tinha grana para levar aquilo tudo ao palco e não surgiam produtores interessados), a história discutia os papéis de Jesus Cristo e de seus apóstolos durante sua última semana de vida. E quando a peça foi à Broadway, com Jeff Fenholt como Jesus e Ben Vereen como Judas, não faltou gente reclamando que Judas parecia bastante simpático na peça.

Interpretando Jesus, por sinal, Gary encarou um papel que já foi vivido por outro vocalista de rock. Ninguém menos que Ian Gillan, que foi Jesus no LP da ópera-rock, feito quando ainda não havia planos para levá-la aos palcos. Mas Gillan não quis subir ao palco quando a montagem começou a ser feita, alegando que não queria virar ator. Um tempo depois, o papel de Jesus passou a ser tão cobiçado por roqueiros que até Sebastian Bach (o próprio) interpretou o papel.

Se você mal pode esperar para ver o ex-Skid Row interpretando o papel (bom, vai demorar pro POP FANTASMA fazer outra matéria sobre o mesmo assunto…) tá aí.

Advertisement
>>> Apoia a gente aí: catarse.me/popfantasma

Continue Reading
Advertisement

Trending