Na hora de falar de artistas assustadores, tem um nome que costuma ser esquecido: é o do cantor e músico inglês David Edward Sutch, ou Screaming Lord Sutch.

Tempos antes de Alice Cooper terminar seus shows sendo “morto” no palco, Sutch, e isso nos anos 1960, já contracenava com caveiras, cadáveres e caixões (saía de dentro de um, no palco). Também costumava se fantasiar de Jack, O Estripador. Nessa época, tocava com a banda The Savages, e costumava investir numa espécie de “música assustadora”, que na real soava mais engraçada do que medonha.

Havia quem visse em Sutch talento duvidoso como cantor, mas não havia dúvida de que ele era bom de autopromoção e tinha muito carisma. Mais ou menos na época em que se lançou como cantor, Screaming Lord Sutch resolveu lançar uma rádio pirata (!), a Radio Sutch, que não deu muito certo, e acabou sendo vendida para seu empresário Reginald Calvert.

Calvert mudou o nome da Radio Sutch para Radio City e teria um destino pessoal bem complexo: foi assassinado por um sócio por causa de uma disputa envolvendo a compra de equipamento para a emissora. Nessa época, Sutch já estava levando adiante sua carreira e já havia até gravado um single com participação de um jovem guitarrista chamado Jimmy Page, She’s fallen in love with The Monster Man (1964).

O carisma de Sutch foi notado a tempo pela BBC, que logo no comecinho bancou um documentário sobre a carreira dele. O filminho de 35 minutos tem entrevistas com ele, com fãs, colaboradores e até com seu produtor, Joe Meek (uma figura bem bizarra, que merece até um texto à parte no POP FANTASMA).

Sutch, por sinal, logo percebeu que poderia usar suas qualidades numa área que não tinha nada a ver com a música: a política. Nos anos 1960, ele entrou para o Partido Nacional dos Adolescentes e se candidatou algumas vezes. Em 1983, montou seu próprio partido, o Official Monster Raving Loony Party, que conseguia arrecadar votos de pessoas desanimadas com as eleições – num efeito Macaco Tião que não surtia muitos resultados, já que Sutch perdeu mais de 40 eleições desde os anos 1960.

Sim, existe um documentário sobre o partido, e sobre o legado político de Screaming Lord Sutch.

E apesar da carreira de Screaming Lord Sutch vir desde 1964, só em 1970 Sutch lançou seu primeiro LP de verdade. Lord Sutch and Heavy Friends foi gravado entre maio e setembro de 1969, lançado pelo selo Cotillion (ligado à Atlantic) em fevereiro de 1970 e… bom, não dá pra dizer exatamente que marcou época. Alguém jogou o disco inteiro no YouTube.

O nome “heavy friends” não vem por acaso: Sutch, com moral na época, juntou num time de músicos o que havia de mais significativo em termos de rock pesado. Passaram pelo estúdios músicos como Noel Redding (baixista do Experience), Nicky Hopkins (tecladista que tocava com o Who), Jeff Beck (na guitarra) e até mesmo Jimmy Page e John Bonham, guitarrista e baterista do Led Zeppelin. Page, pra completar, produziu o disco.

Nem Beck nem Page têm lembranças tão boas assim do álbum, que por sinal tem momentos interessantes. Beck, em particular, era fã de Sutch. Mas diz ter detestado o disco. “Fiquei surpreso e aborrecido. Lembro vagamente da gravação, em um estúdio decadente em uma viela qualquer”, recordou numa entrevista. Page, então começando com o Led Zeppelin, admitiu ter feito um favor a Sutch, que era seu amigo, produzindo o álbum. Vale dizer que o tempo estendido de gravação do LP (cinco meses) não aconteceu por acaso: Sutch, amigo de uma galera meio grande do rock na época, ia encontrando com os brothers e arrastando quem conseguisse para o estúdio, na medida que as agendas batessem.

A carreira musical de Screaming Lord Sutch ainda teve outros lances, até porque nomes novos do shock rock foram surgindo (Alice Cooper, Kiss) e houve certa onda de interesse pelo trabalho dele. Em 1972 saiu o disco Hands of Jack The Ripper, cuja lista de participações incluía Keith Moon (Who), Richie Blackmore (Deep Purple) e Annette Brox (atriz do musical Jesus Christ Superstar). Já em 1975, nasceu o filho único de Sutch com a modelo Thann Rendessy, batizado com o nome de Tristan Lord Gwynne Sutch. Aqui tem várias fotos do casal com o filho, todas pertencentes à Getty Images.

O que muitos fãs não sabiam era que Sutch, havia muito tempo, brigava com a depressão. O cantor tomava remédios fortíssimos e, em vários momentos, cancelava compromissos por causa disso. A saga de Sutch terminou em 16 de junho de 1999, quando foi encontrado enforcado na casa de sua mãe, por sua noiva. A mãe do cantor morrera dois anos antes, e Sutch não havia se recuperado da morte dela. Ele tinha 58 anos. Curiosamente era uma época em que o cantor estava voltando a se apresentar e até aparecera num comercial.

No YouTube dá para acompanhar um pouco do que eram os shows dele: enfim, uma verdadeira demência. Em 1972, uma apresentação de Screaming Lord Sutch no Wembley Stadium chegou a ser gravada e exibida na TV. O cantor fingia que ia botar fogo na plateia, soltava pombos (!) no palco e contracenava com strippers. Nada de censura: havia até crianças na plateia.

Já isso aqui é Screaming Lord Stuch, um ano antes de morrer, tocando uma versão de Roll over Beethoven (Chuck Berry) num palquinho mínimo. Um entertainer bizarro até o fim. R.I.P.

Mais informações em The Guardian.

Leia também no POP FANTASMA:
Alice Cooper na TV em 1969
Flash Fearless: Alice Cooper e The Who numa ópera-rock da qual ninguém lembra
Aquela vez que Alice Cooper e Grateful Dead quiseram manter você longe das drogas
Evening Of Light: Nico e Iggy Pop num clipe de terror gótico