Quem viu o documentário Cobain: Montage of heck, dirigido por Brett Morgen, e que contava a história da vida do vocalista do Nirvana, Kurt Cobain (1967-1994), lembra de terem aparecido lá pelas tantas umas cenas de uns filminhos que o cantor fazia na adolescência. Numa das cenas, Kuirt, ou alguém muito parecido com ele, desenhava um pentagrama no chão, colocava umas velinhas, invocava um demônio, fingia cheirar cocaína com um pó cenográfico e depois destruía todo o cenário.

Essas cenas vinham dos famosos “filmes de terror” que Kurt fez na adolescência, ao lado do amigo Dale Crover, que foi um dos fundadores do Melvins e chegou a tocar no Nirvana. Os filminhos começaram a circular em 2000 entre fãs e amigos, e as primeiras cópias foram sendo substituídas por outras, após problemas de rastreamento.

Muito tempo depois chegaram à internet, em sites que nem estão mais no ar (um deles você pode conferir pelo infalível Archive.org), depois pelo YouTube. A cópia que você vê hoje na internet teve como fonte Scotty Hile, “MC Satanic”, um cara que cresceu em Aberdeen, WA, com Krist Novoselic e Dale Crover e, supostamente, obteve a gravação deles.

Numa das cenas, Kurt aparece fingindo se cortar – o que já fez com que algumas pessoas se apressassem em dar à fita o apelido de “suicídio sangrento de Kurt”. Mike Ziegler, arquivista do Nirvana, chegou a conversar com Crover e ouviu dele que não havia nem sequer a ideia de dar um nome ao conjunto de filmes. “Estávamos brincando com uma câmera”, contou. Kurt fez o tal altar satânico e aparece cheirando a tal cocaína falsa.

Os tais filmes de terror de Kurt ainda têm um monte de cenas aleatórias. Aparece até uma estátua da Virgem Maria que depois apareceria num cartaz de show, além de cenas de Kurt lavando uma parede e fingindo esfaquear um cachorro (!), e de um senhor andando pela rua. Aliás, o conceito dos filmes é bem aleatório, se é que dá para dizer que há um conceito. Muita coisa não fica nada a dever a um Kenneth Anger, ou coisa parecida.

No vídeo acima, vale citar, a trilha sonora foi acrescentada depois e consiste de músicas do EP Eggnog, dos Melvins (1991).