Morto no sábado (16), o produtor americano Phil Spector era uma figurinha… Bom, não dá para dizer que se tratava de uma pessoa exatamente controversa. Não havia dúvida nenhuma que o coautor de Be my baby, sucesso das Ronettes, era um gênio no estúdio: grande compositor, criador do wall of sound (método de gravação com várias reverberações e overdubs). Só que o fato de ele andar armado, contar muitas vezes com a companhia de seguranças e criar um ambiente meio tóxico em seu local de trabalho criava lá seus problemas. Inclusive com pessoas da mais extrema confiança de Phil.

O técnico de som preferido de Phil, Larry Levine, por exemplo, preferiu dar um tempinho após as gravações de um dos discos mais conhecidos de Phil Spector, A Christmas gift for you, lançado no finalzinho de 1963. Nesse papo aqui, Levine contou que o clima nas gravações do disco estava mais próximo do de uma reunião de Natal de uma família em que todos brigam. Depois de trabalhar quinze horas por dia (!!) durante toda a gravação do álbum, ele cansou e se afastou.

RELAXA AÍ

“Foi muito difícil trabalhar com o Phil, nunca houve um momento em que você pudesse realmente relaxar”, contou. Entre outras coisas, o produtor exigia que tudo que estivesse sendo tocado fosse mixado imediatamente. Também não gostava de dar aquela paradinha pro descanso porque tinha medo que as coisas não voltassem a ser como estavam sendo antes. E, como muita gente já leu por aí, mantinha o volume do estúdio muito alto, a ponto de afugentar visitantes.

“Ele não tratava bem os artistas. Ele sentia que  poderia ter tirado qualquer um da rua e feito um álbum de sucesso com eles. Portanto, o artista era apenas mais uma ferramenta”, conta Levine. Não à toa, o disco depois passou a ficar mais conhecido como Phil Spector’s Christmas album, especialmente após ganhar uma reedição do selo Apple, em 1972 – com uma foto bizarra de Phil amarfanhado por trás de uma barba de Papai Noel (tem um texto bem legal sobre esse clássico aqui na Esquire, e também tem o podcast do Ricardo Alexandre, Discoteca Básica, só sobre ele).

Ô SEUS FDP

Um momento, er, sui generis da gravação de A Christmas gift for you foi a hora de interpretar Silent night, com todos os artistas que participaram do álbum – Darlene Love, Ronettes e outros. A música é a única em que aparece a voz do produtor e é um primor de autorreferência, com Phil agradecendo à equipe, aos artistas, ao mercado da música e “a você ouvinte, por me deixar relatar meus sentimentos sobre o Natal através da música que eu amo”.

Há relatos de que essa arenga de Phil, originalmente, era bem mais voltada para si próprio e sobre como ele era o fodão do que o que ficou registrado no disco. Mas Levine ainda dá outra versão mais bizarra e engraçada: antes de registrar a voz, Phil ainda fez uma narração ofendendo os ouvintes. Não era para sair no disco. “Era algo que você não tinha como lançar! Ele estava dizendo algo como ‘eu fiz esse disco para vocês, seus fdp'”, afirmou.

Phil depois ficou com medo dessa gravação vir a público e botou Levine para verificar cada tape em busca dos palavrões. “Adoraria recuperar isso de alguma forma. Verifiquei cada rolo, cada pedaço de fita. Eu apaguei porque Phil queria que fosse apagado”, contou.

Phil Spector estava preso desde 2009 pelo assassinato da atriz Lana Clarkson. A notícia de sua morte foi dada por autoridades da prisão estadual da Califórnia neste domingo (17). Ele tinha 81 anos.

Tem conteúdo extra desta e de outras matérias do POP FANTASMA em nosso Instagram.