Pra entender exatamente qual a importância de Patti Smith para o rock e para o punk, recomendamos a leitura atenta de Mate-me por favor, de Legs McNeil e Gilliam McCain. A história oral do punk lançada por eles traz vários depoimentos sobre Patti e sobre sua presença na cena pré-punk novaiorquina.

Sua fama começou num período mais “artístico” de sua carreira. No comecinho, ela era conhecida por suas sessões de leituras de poesias-  que atraíam um público bastante eclético, indo de jovens autores a fãs de grupos como Stooges. E chegou aos seguidores que conquistou mostrando futuros hits no palco. Patti também teve influência pessoal em carreiras como as de Todd Rundgren, Bebe Buell (que posou para a Playboy após ouvir conselhos dela), Iggy Pop e Madonna (que já disse ter sido muito influenciada por ela).

Hoje, com 42 anos de carreira discográfica, está sem gravar desde 2012. Mas continua fazendo shows – às vezes, ao lado dos filhos. Em 3 de maio, ganhou uma graduação honorária em Literatura pela Universidade de Parma, na Itália. Recentemente, cantou Mothers of the disappeared com o U2, durante alguns shows da turnê The Joshua Tree.

Mas essa introdução toda é só pra informar que o site Open Culture pegou todas as músicas de Patti Smith que estão disponíveis no Spotify e montou uma playlist com toda a obra dela, em ordem cronológica. Vai de Horses, de 1975, ao mais recente Banga, de 2012, em treze horas de música. Curte aí.