Juízo final, samba composto por Nelson Cavaquinho e Elcio Soares, surgiu pela primeira vez num disco de Nelson em 1973. E já apareceu nos mais diversos lugares. Em propaganda política, álbuns dos mais diversos cantores (Jair Rodrigues e Beth Carvalho entre eles), abertura de novela (A regra do jogo, trama das 21h da Globo de 2015). E… quase esteve num disco da Legião Urbana.

O samba de Nelson Cavaquinho, gravado originalmente por ele em seu álbum epônimo de 1973, costumava ser tocado pela banda em shows desde antes do primeiro disco (Legião Urbana, de 1985) chegar às lojas. Rolava em alguns horários na antiga Fluminense FM (na fase “maldita” da rádio). E foi gravado no rol de canções preparado inicialmente para Dois, segundo álbum da banda, de 1986. Por intermédio de algum fã animado, a gravação original da banda feita para o álbum ressurgiu no YouTube.

Aliás, no começo do projeto, Dois teria sido um disco duplo chamado Mitologia e intuição. O álbum incluiria músicas como Grande inverno da Rússia, uma vinheta instrumental composta por Ico Ouro Preto (irmão de Dinho Ouro Preto, cantor do Capital Inicial) no pouco tempo em que ele foi guitarrista da banda.

DUPLO

O jornalista Tom Leão, que por vários anos cuidou da coluna Rio Fanzine, do jornal O Globo (e hoje tem a coluna Na Cova do Leão, na Cult FM), foi conversar com a Legião Urbana quando a banda estava gravando o clipe de Tempo Perdido (no estúdio RGB, em São Cristóvão, Zona Norte Carioca). A matéria saiu publicada na revista Bizz de agosto de 1986. Tom anotou declarações de Dado Villa-Lobos (guitarrista) falando que a EMI (gravadora da banda, hoje Universal) considerou economicamente inviável o projeto de um disco duplo. Ainda que o álbum chegasse às lojas pouco depois do ilusionismo econômico do Plano Cruzado.

A banda incluiu Faroeste caboclo (“que dura mais de dez minutos e só foi apresentada em poucos shows”, diz o texto) na primeira leva de músicas de Mitologia e intuição. Bem como Grande inverno, cuja exclusão teria deixado Renato particularmente chateado. Havia também uma faixa-título de Mitologia e intuição, vinheta de Marcelo Bonfá. Também saiu do disco, o que igualmente chateou o vocalista. Mas com as mudanças, ambas as músicas fugiram do conceito.

NELSON CAVAQUINHO vs. IAN CURTIS

Juízo final estava inicialmente programada para fechar Dois. O detalhismo de Renato Russo fez com que o cantor escrevesse uma carta à EMI sugerindo uma ordem de músicas para o álbum. Mas na missiva, o cantor asseverou que Índios era “indiscutivelmente a última música” do disco, e deixou de lado definitivamente o samba de Nelson Cavaquinho. Não entrou nem mesmo como faixa-bônus do K7. Para o posto, a banda preferiu uma versão ao vivo de Química, canção de Renato gravada anteriormente pelos Paralamas do Sucesso.

Legião Urbana canta Nelson Cavaquinho

Tom Leão anotou na reportagem da Bizz que Juízo final poderia ter sua letra escrita por ninguém menos que Ian Curtis (do Joy Division) e que nos shows, ela ganhava uma levada “bem New Order”. Em 1986, nenhuma das duas bandas tinham LPs lançados no Brasil. Daí, era preciso explicar aos leitores que uma banda era a continuação da outra, sem o vocalista Ian Curtis, morto em 1980 – é o que o texto faz em seguida.

FICOU DE FORA

Muitos anos depois, conversando com o POP FANTASMA, Dado Villa-Lobos e Marcelo Bonfá confirmaram que Juízo final estava no conceito inicial de Dois. Mas foi saindo fora conforme o projeto foi avançando.

“A música começava com um violão e depois ia para uma coisa nesse estilo Joy Division”, contou Dado. “Tá tudo gravado, tá registrado nos tapes que estão com a gravadora, que hoje é Universal. Tínhamos a ideia de fazer o mesmo projeto que a gente fez no primeiro disco (1985), quando fizemos uma edição comemorativa com outtakes. Mas no Dois, teríamos Juízo final, O grande inverno da Rússia… Tem uma versão de Fábrica em inglês. Não vai rolar porque a companhia de discos se desinteressou. Acho que a gente precisava de mais likes no Instagram para conseguir coisas assim”, ironizou.