Até 1987 já existia muita coisa BEM pesada em heavy metal. Bandas como Mercyful Fate e Venom consolidaram o metal 100% focado em demônios. Antes disso, diatribes demoníacas podiam ser encontrada em discos de Black Sabbath, Coven, Black Widow etc. E artistas como Alice Cooper chocaram geral com um imaginário bizarro, herdado de filmes de terror. “Scream bloody gore”, primeiro álbum da banda americana Death, que chega aos 30 anos dia 25 de maio, abusou da casca-grossisse e é até hoje chamado de “primeiro disco do death metal”.

O repertório do vocalista e guitarrista Chuck Schuldiner incluía canções com nomes BEM bizarros, como “Denial of life” (“Negação da vida”), “Regurgigated guts” (“Entranhas vomitadas”), “Baptized in blood” (“Batizado em sangue”). Tudo muito, mas muito pesado, rápido, cheio de letras escrotas e ofensivas, e com uma berraria infernal nos vocais que anima fãs até hoje. Se você nunca ouviu e tá a fim de encarar, olha aí.

Sim, fã que é fã bate cabeça e berra junto.

Death: "Metal da morte" trintão e insano

No ano passado, o disco foi reeditado numa edição comemorativa (e adiantada) de 30 anos que fez muito fã quebrar o porquinho. Um youtubber do metal fez um unboxing. Olha aí.

Hoje, a maior polêmica entre fãs de heavy metal é se a estreia do Death é realmente o primeiro disco de death metal – tem quem faça a divisão do cargo com “Seven churches”, estreia do Possessed (1985). Na época, a polêmica era outra: a banda recebeu muitas críticas negativas por conta de seu disco de estreia (havia críticos e fãs que preferiam a banda ANTES de gravar um disco, quando tinham só uma demo). A Decibel Magazine resgatou ano passado um material que ficou de fora do livro “Choosing death – The improbable history of death metal and grindcore”, de Albert Mudrian, e apurou que até o ex-empresário do Death, Eric Greif, deu risada quando viu a capa de “Scream bloody gore”. E que a gravadora não queria lançar o disco por achar aquio tudo tosco demais.

“Recebi o LP do Death como um promo da gravadora e ri um pouco, falei ‘uau, isso é brutal!’, mas nem sequer ouvi”, contou. “Até o cara que assinou com eles para a gravadora Combat, o ex-diretor de A&R Steve Sinclair, achava que eles eram uma piada. Ele só assinou por insistência do (jornalista e divulgador da gravadora) Don Kaye”.

Sinclair não perdeu a oportunidade de fazer graça e tascou um “esse disco é uma insanidade de Don Kaye” na ficha técnica. Schuldiner, líder do grupo, deixou passar mas ficou puto. E vale dizer que o músico, morto em 2001 após batalhar contra um câncer, nunca nem sequer viu o disco ser reeditado pela gravadora. Ele saiu em edição normal em CD pela Relativity e, no ano passado, a Relapse deu ao álbum o tratamento de luxo que você viu acima.