Dizem por aí que ninguém quer saber de rock e que o Rio de Janeiro, em particular, não é uma cidade roqueira. Quem falou isso não passa de um tremendo mentiroso: só nessa semana no Rio você pode encontrar duas mostras de dois grandes artistas do rock. Nirvana: Taking punk to the masses fica até dia 22 de agosto no Museu Histórico Nacional, traz memorabília farta da banda de Seattle e emociona qualquer pessoa que vestiu uma camisa de flanela nos anos 1990. E tem O homem que caiu na Terra, que sentou praça na Caixa Cultural, e traz até o dia 30 de julho quase trinta filmes que tiveram a participação, como ator, de ninguém menos que David Bowie.

“Com exceção de Christiane F, em que ele aparece participando como ele mesmo, focamos apenas em filmes nos quais Bowie faz papéis. É interessante observar que ele fez filmes muito diferentes um do outro, nunca seguiu uma linha. O próprio Bowie disse numa entrevista que não gostava de ser chamado de ‘camaleão’ porque ele não mudava, apenas evoluía, melhorava”, conta a curadora Roberta Sauerbronn, da Saraguina Filmes (que organiza a mostra). O homem que caiu na Terra (o nome, claro, veio do filme de Nicolas Roeg lançado em 1976, que teve Bowie como protagonista – e abriu as exibições) agendou debates sobre temas que a obra de Bowie levanta, como sexualidade, drogas, fama. “Ele trouxe esses assuntos para o mainstream, eram coisas que estavam no underground, eram discutidas lá”. Há um debate, nesta sexta (21), até sobre o estilo vanguardista de David Bowie.

E a novidade é que eu (Ricardo Schott, editor dessa bagaça aqui) fui convidado pela turma da Saraguina a fazer um podcast para a mostra. Escrevi, narrei e editei David Bowie e o Brasil, sobre as relações do camaleão (hum, ok) com nosso país. Ouvindo, você descobre que um guitarrista dele tocou com Gilberto Gil, que uma banda de forró já tocou Bowie (por vias tortas, mas tocaram), que uma banda da jovem guarda carioca tocou Rebel rebel… Não é porque fui eu que fiz não, mas tá muito legal. Ouça aí.

Se você ainda não arrumou tempo para ir à mostra, deixe de dar desculpas e arrume um jeito de ir – é dever cívico para qualquer fã de qualquer fase de Bowie, e o ingresso custa R$ 4. Olha só alguns filmes que você ainda pode assistir lá (você confere todos os horários no site da Caixa).

ROMANCE POR INTERESSE (The Linguini incident). Filme de 1991, dirigido por Richard Shepard. Comédia romântica passada em Manhattan, em que Bowie é um barman chamado Monte, colega de trabalho de Lucy (Rosanna Arquette). Aporrinhada constantemente pelos esporros do patrão, ela sonha em mudar de vida e tornar-se uma artista da fuga – aquela coisa de se amarrar todo (a), conseguir desatar todos os nós e escapar. Um problema técnico enquanto ela estava estava amarrada a uma cadeira, praticando para se tornar a versão feminina do Houdini, acaba aproximando-a (bastante) de Monte

PIERROT IN TURQUOISE OR THE LOOKING GLASS MURDERS. Filme de 1970. Uma das aprontações de Bowie no comecinho da carreira, quando era mímico e era parceiro e aluno de Lindsey Kemp. É exibido nesta sexta (21) numa mostra de curtas que ainda tem Empty (2000, de Tony Ousrler) e The snowman (1982, de Diane Jackson).

REAÇÃO COLATERAL (August). Filme independente de 2008 que fala sobre a crise pós-bolha da internet em 2001 e andou percorrendo o circuito de festivais. O norte-americano Austin Chick, diretor do filme, foi casado por quatro anos com a atriz brasileira radicada nos EUA Morena Baccarin (epa, faltou isso no nosso podcast).

O PIRATA DA BARBA AMARELA (Yellowbeard). Dirigido em 1983 por Mel Damski, essa comédia trazia Graham Chapman, ex-integrante do grupo humorístico Monty Phyton, interpretando o pirata do título. Bowie aparece durante poucos segundos no filme e sua participação nem chegou a ser creditada na época. Para quem curte referências pop, tem a dupla Cheech & Chong interpretando dois piratas e um personagem, Mr. Moon (Peter Boyle), criado em homenagem ao baterista do Who, Keith Moon, morto em 1978. Moon participou das primeiras reuniões do filme, ajudou a arrumar dinheiro e, originalmente, era a escolha do próprio Chapman, também roteirista do filme, para o papel do Barba Amarela.

APENAS UM GIGOLÔ (Schöner gigolo, armer gigolo). Enquanto morava em Berlim, Bowie arrumou tempo para participar deste longa de 1978, dirigido por David Hemmings, e que acabou se tornando célebre também por ser o último filme de Marlene Dietrich (morta em 1992). Bowie faz um oficial prussiano que volta a Berlim após o fim da Primeira Guerra, só consegue trabalho como cafetão (no bordel dirigido por Marlene) e, involuntariamente, vira pivô de uma disputa política.

FOME DE VIVER (The hunger). Bem antes de vampiros virarem moda, Bowie interpretou um chupador de sangue, John, que era marido da também vampira Catherine Deneuve (Miriam Blaylock). Em meio à noite e ao submundo de Nova York, os dois conseguem passar por um casal de góticos sem maiores problemas. Tem a famosa cena de sexo lésbico entre Catherine e Susan Sarandon, que até hoje arranca uivos de homens e mulheres.

EU, CHRISTIANE F, 13 ANOS, DROGADA E PROSTITUÍDA (Christiane F). Em 1978, dois jornalistas alemães, Kai Hermann e Horst Hieck, foram investigar os flagelos da heroína e da prostituição na cena formada pela estação de metrô Zoo e por locais como a discoteca Sound, em Berlim. A reportagem, que incluía detalhes do julgamento de uma menina de 13 anos (Christiane Vera Felscherinow) virou matéria de revista, livro e, em 1981, filme, dirigido por Ulrich Edel, com a atriz alemã Natja Brunckhorst, então com 15 anos, no papel-título. Bowie, ídolo da turma de Christiane F e morador de Berlim na época da reportagem, aparece cantando em um show na cidade em 1978. Detalhe: por causa de problemas de agenda, a produção precisou mandar gravar Bowie no palco em Nova York – as imagens de plateia foram feitas durante uma apresentação do AC/DC em Berlim.

LABIRINTO – A MAGIA DO TEMPO (Labyrinth). Ao que se comenta, o clássico que apresentou Bowie a uma série de fãs crianças deverá ganhar uma releitura, dirigida por Fede Alvarez (O homem nas trevas). O filme de 1986 dirigido por Jim Henson e produzido por George Lucas, conta a história de Sarah (Jennifer Connelly, ainda novata) que precisa passar por um enorme e complexo labirinto para resgatar seu irmão mais novo, sequestrado por Jareth, o Rei dos Duendes (Bowie).