Connect with us

Cultura Pop

Aniversário de Brotherhood, do New Order!

Published

on

Aniversário de Brotherhood, do New Order!

Brotherhood, quarto álbum do New Order, faz 35 anos hoje. Saiu no dia 29 de setembro de 1986. E reúne lá suas credenciais para ser considerado o melhor disco do grupo britânico por muita gente. Aliás, senão o melhor, pelo menos o mais criativo.

Quando alguém diz que “o disco tal é o Sgt Pepper’s de fulano”, isso pode querer dizer muita coisa. Pode querer dizer que se trata do melhor disco do artista, ou, numa perspectiva irônica, pode ser o mais maluco, ou o mais enfeitado, como um bolo de noiva. Brotherhood, pelo menos no quesito maluquice, pode até ser chamado assim. Dividido em dois lados diferentes (lado A mais roqueiro e lado B mais eletrônico), ele apresentava viagens dance-psicodélicas (All day long, Angel dust), pelo menos uma música com início falso (Weirdo) e uma canção com final “psicodélico” (Every little counts, na qual o cantor Bernard Sumner começa a rir assim que canta os versos “eu acho que você é um porco, você deveria estar em um zoológico”).

No livro Substance: Inside New Order, o ex-baixista Peter Hook (completavam a banda “os outros dois” Gillian Gilbert, teclados, e Stephen Morris, bateria) entrega que as origens de Brotherhood são bem mais variadas do que parecem. E diz que em vários momentos, a banda inspirou-se em si própria.  A balada As it is when it was, segundo ele, teve o riff de baixo inspirado… no Joy Division. Bom, tem um ou outro dedilhado que faz recordar Love will tear ur apart, canção citada por ele como referência, mas é tão de leve que fica imperceptível. Broken promise soa para Hook como algo da era do primeiro disco do New Order, Movement (1981). Way of live tem o riff de baixo de Age of consent, ao contrário.

Paradise, a dançante e roqueira faixa de abertura, foi inspirada nas canções de “partida” do country (“Bernard Sumner estava muito ligado a isso, em termos de letras”), e esconde uma homenagem a Dolly Parton. Bizarre love triangle foi um trabalho eminentemente de grupo, inclusive com letra feita em quarteto. All day long é “uma canção sobre abuso infantil que você pode dançar”. Weirdo causou uma discussão acalorada (rolou um fuça-a-fuça medonho, segundo o baixista) entre Hook e Bernard na mesa de mixagem, por causa dos backing vocals. Angel dust tem samples de um álbum religioso e guitarras herdadas das trilhas de faroeste de Ennio Morricone.

Advertisement

Finalmente, Every little counts tem linhas de baixo roubadas de Emma, do Hot Chocolate, efeitos de teclados do final feitos num teclado Emulator II (“com Bernard apertando todas as teclas, e usando as duas mãos”, conta Hook) e cochichos dissimulados da banda sobre os risos de Summer (dá para ouvir).

Brotherhood pegou um momento em que o New Order se desentendia bastante – tanto que alguns integrantes não ficaram satisfeitos com o disco. Stephen Morris disse certa vez que o disco é “esquizofrênico”, por causa da separação entre dance tracks e músicas mais roqueiras. Reclamou também que o fim do disco poderia ter sons diferentes para cada suporte: uma fita sendo mastigada, um CD pulando.

O disco novo do New Order foi gravado parcialmente num estúdio que se tornou famoso por causa do U2, o Windmill Lane, em Dublin, Irlanda. A banda passou por maus bocados: circularam pelo país a bordo de um Ford Granada sambado (cujo alarme soava toda vez que abriam a porta) e deram uma passada na Irlanda do Norte para fazer um show, em meio aos conflitos no país. Foram destratados pelos guardas da fronteira e o tal alarme do carro quase provocou um tiroteio. Também caíram de boca na noite dublinense, cheia de bares.

O grupo fechou as gravações do disco no Japão e chegou a pensar em lançar um EP exclusivo para o país, que não saiu. Tiveram a oportunidade de usar uma máquina digital de 32 canais – que dava mais problemas de manutenção do que alegrias. No fim das contas, foram também alguns dias de diversão, mas com Peter Hook caindo de cabeça na cocaína e começando a arrumar encrenca por conta disso.

Advertisement

No fim das contas, Brotherhood chamou a atenção não apenas pela proposta sonora, como também pela capa, bastante misteriosa – aliás quase tão misteriosa quanto a dos discos do Joy Division. Apesar do nome da banda ter sido acrescentado em algumas edições (no Brasil, inclusive), a ideia era fazer uma imitação de folha de zinco, sem referência ao New Order.

Chris Mathan, que trabalhava com o designer Peter Saville, fez o design da tipografia da capa e lembra que o metal foi entregue por diferentes atacadistas. Peter Hook bateu o olho numa chapa onde estava escrito ‘BILLITON TITAANZINK’ e fez sua escolha. Outras chapas foram usadas nas capas dos singles de Bizarre love triangle e State of the nation (esse último um single que acabou ficando de fora do disco, e que posteriormente foi incluído em reedições em CD).

E essa briga toda aí geraria Brotherhood, um disco clássico, mas que ainda não seria o grande estouro do New Order – uma banda que, naquele período, ainda era relegada a papéis inferiores. Peter Hook garante ter sido passado para trás por Ian McCulloch, do Echo & The Bunnymen, que tirou a banda de uma configuração de turnê. Para divulgar o disco, fizeram um giro pela Espanha em que, numa das apresentações, tocaram num campo de touradas, e ficaram acomodados num camarim ao lado do fedidíssimo local dos touros. Tem mais sobre a vida do New Order nessa época aqui. Mas a história logo mudaria.

>>> Apoia a gente aí: catarse.me/popfantasma

Advertisement

Cultura Pop

Isolaram o piano de Rock The Casbah, do Clash

Published

on

Isolaram o piano de Rock The Casbah, do Clash

Combat rock, último disco do Clash com a formação clássica, saiu em 14 de maio de 1982 (opa, fez 40 anos há pouco) e vendeu muito. Vendeu tanto, que ficou 61 semanas nas paradas americanas, estourou os dois hits do Clash que-todo-mundo-conhece (Should I star or should I go e Rock the Casbah) e levou jornalistas com bastante senso de criatividade a compararem a banda ao Fleetwood Mac (!).

Olhado mais de perto, é um disco ame-ou-odeie, que traz o quarteto inglês tentando fazer com o punk o que a turma do dub fez com o reggae – canções fora do formato canção, letras enormes com ambientação ritmada e “psicodélica”, texturas instrumentais relaxantes (a bela Sean Flynn é um bom exemplo disso).

Mas fica para outra ocasião darmos uma olhada mais de perto em Combat rock. Por enquanto, a pergunta é: já ouviu o piano isolado de Rock the Casbah?

Advertisement

O piano de Rock the Casbah foi tocado, se é que você não sabe, pelo baterista Topper Headon – que além de ser um dos melhores bateristas do punk, tocava piano e criou praticamente a música toda sozinho. Aliás ele tocou quase tudo sozinho na faixa, menos as guitarras. Fez piano, baixo e bateria, aproveitando a ausência dos camaradas durante uma sessão de gravação.

(ei, temos um podcast do Pop Fantasma Documento sobre o Clash)

Os outros três, quando escutaram a música, acharam que já estava tudo mais ou menos completo e só acrescentaram vozes, guitarras, percussão e uns efeitos de gravação. Paul Simonon fez só os vocais de apoio. Joe Strummer deixou a letra original de Headon de lado (que era uma poesia romântica sobre a namorada dele) e, como já vinha trabalhando na frase “rock the Casbah”, criou a letra inteira em cima disso.

Aliás, ao vivo, sem o piano, a música ficava sem parte da graça. Bom, pelo menos no último show da banda, no Us Festival, em 1983 (detalhe: sem Topper na bateria), a canção ficou assim. Procura aí no vídeo, lá pra 8m43.

Advertisement
Continue Reading

Cultura Pop

Quando Pat Boone gravou Elvis Presley mas não podia citar o nome dele (!)

Published

on

Quando Pat Boone gravou Elvis Presley mas não podia citar o nome dele (!)

Tido como a maior ameaça ao reino do colega Elvis Presley, o cantor americano Pat Boone surgiu antes dele no mercado e já era uma estrela quando o cantor de Don’t be cruel ainda era uma promessa. “Agora, quando ouvi que Bill (Randall, DJ) estava trazendo um cantor country cujos discos eu tinha visto na jukebox no Texas, achei que ele estava um pouco louco porque um artista country não seria emocionante para esses adolescentes que queriam rock and roll”, chegou a afirmar Pat, que conheceu Elvis numa loja de meias em Cleveland, Ohio, e declarou ter ficado assustado com a timidez do futuro amigo.

Isso rolou no comecinho da carreira do cantor, quando Pat ainda era também uma novidade e tinha só dois discos de sucesso. Agora corta para alguns anos depois, quanto Pat e Elvis já eram artistas famosos da música e da telona, mas Elvis, para todos os efeitos, era o Rei. “Claro, nunca mais segui Elvis em nenhum programa. Nós nunca aparecemos juntos depois disso”, contou Pat num papo com o fã-clube australiano de Elvis, afirmando também que se tornou amigo de Elvis, e que acreditava que se o cantor pudesse ter tido uma vida mais próxima do “normal”, poderia estar vivo ainda.

Agora, a maior curiosidade envolvendo Pat e Elvis nem era essa proximidade toda. É o fato de que Pat lançou em 1963 um disco com repertório de Elvis Presley mas não podia de jeito nenhum citar o nome de Elvis. Esse aí de baixo.

Pat Boone sings Guess Who? (Pat Boone canta adivinha quem?) saiu quando Pat já havia quase largado o rock. Pouco antes disso, o cantor era casado, mas vivia caindo na farra e bebendo além da conta. Viu o casamento descer morro abaixo. A esposa levou Pat para a igreja católica carismática e ele virou cristão.

Advertisement

O artista passou a se dedicar a discos gospel, em meio a um ou outro lançamento secular, e virou ídolo de um fã-clube bastante conservador. Em 1962 saiu até um Pat Boone reads the Holy Bible, com o cantor firme no mesmo propósito que, anos depois, aqui no Brasil, ajudaria a engordar o caixa de Cid Moreira: ler trechos da Bíblia para lançamento em disco. A propósito, e lógico que nem daria para imaginar outra coisa: Boone apoiou Donald Trump nas eleições presidenciais em 2016, e disse que o candidato seria reeleito em 2020 (não rolou, como é público e notório).

O disco de Pat cantando Elvis surgiu da ideia literal de homenagear o amigo (e, claro, abiscoitar parte do público do cantor). Problemas à vista: Coronel Parker, empresário espertalhão de Elvis, queria um levado enorme pelo uso do nome de Elvis no título. Não adiantou nem Pat alegar que era amigo do homenageado. Restou a ele cortar o nome de Elvis do título e referir-se a ele no texto de contracapa como “Guess Whosley”.

No fim das contas, tudo acabou dando certo. “Tom Parker acabou tirando o chapéu para mim e disse: ‘Bem, você enganou o vigarista. Você superou o traficante, e eu o saúdo’. Mas o álbum foi um dos melhores álbuns que eu já fiz, musicalmente”, disse Pat. Bom, pelo menos ele teve mais sorte do que quando resolveu tirar totalmente a maldade de Tutti Frutti, de Little Richard, e fez uma versão cagada da música.

Advertisement
Continue Reading

Cultura Pop

Life With Lucy: a última série de Lucille Ball em 1986

Published

on

Life With Lucy: a última série de Lucille Ball em 1986

O sucesso de séries como As supergatas, lançada pela NBC em 1985, acabou fazendo com que o mercado televisivo acordasse para uma realidade: o público mais velho queria se ver na telinha, e séries protagonizadas por atrizes e atores mais velhos dava certo. Foi por causa disso que, em 1986, a concorrente ABC decidiu produzir uma nova série com ninguém menos que Lucille Ball, que estava com 75 anos, vinha fazendo poucos trabalhos na televisão e não botava tanta fé na história de que poderia estourar com uma nova série.

Foi daí que surgiu a última série de Lucille na TV, Life with Lucy, exibida por apenas uma temporada, entre 20 de setembro e 15 de novembro de 1986. Pode acreditar: apesar do sucesso de toda a produção anterior de Lucy na TV, o público correu da nova série dela, que teve apenas treze episódios e cinco deles nem sequer foram exibidos. Houve ainda um décimo-quarto episódio na jogada, escrito mas nunca gravado.

A novidade é que a temporada única da série está no YouTube.

Life with Lucy, para quem curte bastidores da TV, era um reencontro de Lucy com vários colaboradores de longa data. A emissora queria que os roteiristas da série M*A*S*H, sucesso na época, fizessem o roteiro. A atriz insistiu que Bob Carroll Jr. e Madelyn Pugh, que trabalhavam com ela há bastante tempo, escrevessem todo o seriado. Mandou contratarem o técnico de som Cam McCulloch, que trabalhava com ela desde a série I love Lucy – e, aos 77 anos e apresentando surdez galopante (!).

Advertisement

No papo abaixo, Lucy apresenta ao público Gail Gordon, um ator veterano e aposentado que havia trabalhado com ela na juventude e que voltava em Life with Lucy.

Life with Lucy, até por causa do controle total assumido pela atriz, não teve interferência alguma do canal. Lucy fez tudo da maneira que queria, e a ABC punha fé que o programa seria um sucesso. Aaron Spelling, produtor da série, viu os números desceram morro abaixo assim que a série foi prosseguindo – algum tempo depois, afirmou que seu erro foi ter deixado a atriz fazer o programa da mesma forma que os clássicos da carreira dela tinham sido feitos, havia muitos anos. Algumas publicações chegaram a classificar Life with Lucy como “o pior programa de todos os tempos”, ou algo do tipo.

Maldade com uma série que acabou sendo o último programa de Lucille Ball e que, ao menos, tem valor histórico. De qualquer jeito, até mesmo o plot da série – Lucille interpretava uma viúva que herdava uma loja do falecido marido e tentava tocar o negócio coma família – parecia um tantinho ingênuo se comparado às séries da época, inclusive no caso das idosas super-poderosas de As super gatas. De qualquer jeito, a série foi lançada inteira em DVD em 2019 e tá no YouTube para quem quiser tirar suas próprias conclusões.

Advertisement
Continue Reading
Advertisement

Trending