Connect with us

Notícias

Walfredo Em Busca da Simbiose: um papo sobre pandemia, novas músicas, disco novo e… Rick & Renner

Published

on

Tem disco novo do Walfredo Em Busca Da Simbiose vindo aí. O projeto musical paulistano criado pelo cantor e compositor Lou Alves estreou em 2019 com o álbum Maiúsculas cósmicas. Dessa vez, retorna com uma série de questionamentos causados pela pandemia, pelo isolamento, por amadurecimentos pessoais e até por sonhos. Como no caso de Netuno, o single mais recente, inspirado simultaneamente por um sonho do amigo e produtor Fernando Rischbieter, e pelos climas de Dark side of the moon, clássico do Pink Floyd. “Brincamos dizendo que essa track deveria se chamar The dark side of the netuno“, conta Lou.

Em uma conversa com o Pop Fantasma, Lou adianta um pouco do disco novo, que virá em climas mais noturnos e menos solares, mas sempre inspirados por nomes como David Bowie e o próprio Pink Floyd. Também recordou a época em que, começando como técnico de som, gravou artistas como Belo, Banda Calypso e Rick & Renner num dos estúdios mais populares de São Paulo. Tá aí o papo.

Como é que foi esse período de isolamento pra você, ainda mais levando em conta que seu projeto musical fala em simbiose (em biologia é a relação ecológica que ocorre entre indivíduos de espécies diferentes)?

Eu aproveitei muito o período para me descobrir como compositor, completo. É tudo muito novo pra mim, comecei esse trabalho como músico, compositor e produtor em 2017. Aí na pandemia acendeu algo diferente. Eu já tinha o Maiúsculas cósmicas (primeiro disco, de 2019), era um compilado daquelas músicas que a gente faz quando é mais jovem. Para o segundo disco, eu tinha que me provar, aquela coisa de “será que você consegue fazer mais um compilado de músicas? Compor mais músicas do zero?” Antes eu tinha todo o período da minha vida, agora eu tenho esse momento para compor. Pensei em fazer uma música por semana, em compor.

Advertisement

A quarentena então foi literalmente esse período de sentar e ficar compondo. Ler muitos livros e também compor bastante. Acho que o segundo ano de quarentena foi o mais difícil, porque a gente não estava mais aguentando. O primeiro ano foi para escrever as músicas e fazer as prés tanto dos singles quanto do disco que tá vindo.

No que você acredita que amadureceu como compositor e como letrista, em especial?

É quase como se eu tivesse uma responsabilidade nova. E como é arte, muita gente fica falando “ah, tô esperando meu período de inspiração e tal”. É ótimo estar inspirado porque você senta e compõe rapidinho, mas tem momentos em que você não está assim. E eu tinha que fazer uma música por semana (risos). Tinha dia em que você não estava tão inspirado mas buscava essa inspiração. A primeira coisa que eu aprendi foi buscar essa inspiração, e ir atrás dela, seja ouvindo música, lendo um livro, vendo um filme. A leitura me ajudou muito. Às vezes você não está num bom dia mas busca alguma coisa que te inspira, e a inspiração vem.

Evoluí muito na parte técnica como compositor, comecei a ficar mais pragmático, a prestar atenção em estruturas de rimas, tipo “ah, não vamos fazer uma rima tão óbvia”. E a parte mais metafísica, espiritual, mais profunda da coisa, é literalmente aprender a se libertar. Eu escrevo sobre coisas verdadeiras, sentimentos verdadeiros, é quase um ato de autoconhecimento quando você fala de você mesmo, sobre coisas da sua vida. Eu falo muito sobre sonhos, então eu anoto meus sonhos. As pessoas que eu ouço têm isso também, então é um espelho.

Advertisement

E como é o caminho de reflexão para você chegar no tipo de letra que você faz? Suas letras têm comentários bem legal sobre a condição humana, a coisa do “o louco sempre tem razão”, “traumas de estimação procuro não arrastar comigo a vida inteira”. É um caminho de autoconhecimento muito forte…

É um nível de ensimesmamento, não vou dizer nem que é algo egocêntrico nem egoísta… A primeira coisa que influenciou muito foi ler muita coisa sobre filosofia. O que abriu minha cabeça foi o Assim falou Zaratustra, do Nietzsche. Li muita coisa sobre cabala, sobre autoconhecimento mesmo. Gosto muito de Jung também, psicologia analítica, muita coisa que eu até preciso me aprofundar mais. Essa coisa da música O louco sempre tem razão é algo que até faz parte da minha vida. Tem o arquétipo do louco, que tem em músicas dos Mutantes, Raul Seixas. Os loucos não se importam com o que estão falando dele, ele não se importa com o julgamento. O arquétipo do louco no tarô para mim é muito importante, ele é o arquétipo mais puro da liberdade. Só que ele precisa ser guiado, tem que ter alguém guiando ele até o fim da jornada.

E o que você pode adiantar do disco que tá vindo aí? O single Netuno, você comentou que tem uma influência grande do Pink Floyd, do Dark side of the moon… O disco novo vem nessa linha também?

Netuno e Traumas de estimação são minhas faixas favoritas no disco, porque elas não são tão solares, são mais noturnas. O disco tem esse ar um pouco mais noturno, não é tão solar. Por causa da quarentena, né? O disco foi todo feito na quarentena, uma época em que todo o inconsciente coletivo estava muito pra baixo. Hoje tá tudo mais solar, até coletivamente. O disco é bastante ambientado, tem uns barulhos do nada nas músicas (risos), e ouvindo de fones, isso dá um gostinho a mais. Você fica querendo escutar aquele ruído de novo, é quase como num filme.

Com certeza vai ter algo da estética de Netuno, que foi uma música que foi até um presente dado a um amigo. No meio da quarentena, a gente estava vivendo uma crise, porque a gente sofreu muito nessa época. Ele um dia começou a desabafar e contou um sonho que ele teve. Eu nem falei que iria fazer a música, só fiz, mandei para ele e quando ouviu, ele não percebeu nada (risos). Só falou: “Nossa! Não acredito que você fez uma música sobre o meu sonho”. Queria fazer uma surpresa, ver se ele percebia, e ele percebeu.

Advertisement

Você trabalhou como  técnico de som durante um tempo, com artistas que fazem um som bem diferente do seu, mais popular. No caso, Belo, Alexandre Pires… Como foi essa experiência? E foi no Gravodisc, que é um estúdio bem tradicional…

Bom, quando eu saí da escola, fiz um curso de áudio. Juntei uma graninha, porque eu trabalhava numa locadora de vídeo, e fiz o curso. Abri o jornal, peguei os classificados e mandei currículo pro primeiro emprego que apareceu – e era esse, de técnico de gravação. E fui parar lá. Dei muita sorte, até porque eu morava do lado, era bem ali no Largo do Arouche. Era um estúdio realmente muito antigo e foi uma experiência bem louca, porque eu era bem novo, tinha 18 pra 19 anos.

Eu tava ali como técnico de gravação trainee, andava no corredor e cumprimentava Chitãozinho e Xororó. Muito legal, vi Belo gravando, Daniel, banda Calypso… Rick & Renner foi meu primeiro play-rec, pra você ver. Foi a primeira vez em que eu sentei na mesa de som. Os caras ainda por cima me chamavam de Fiuk, pra piorar. Era: “vem pra mesa de som, Fiuk” (risos). Eu apertei o play-rec tremendo, imagina? E querendo ou não, são músicas que ficam na cabeça das pessoas. Você vai num bar tomar uma cerveja e tá tocando. Eu amava as músicas do Rick & Renner (canta Ela é demais), foi uma grande experiência gravar esses caras. E me ajudou, me deu bagagem no meu trabalho.

Imagino. Na verdade ia até perguntar em que nível o que você aprendeu com essa galera mais popular ficou no teu trabalho…

Advertisement

Ficou muito essa coisa de trazer coisas mais complexas pro meu trabalho – eu adoro assuntos como filosofia, psicologia, metafísica – mas de forma simples. Parece um paradoxo, mas fui sacando que essas canções são bem diretas e retas no que elas estão dizendo. Então, é nesse lance mesmo, da construção de uma canção. Eu gosto de estruturas psicodélicas na produção, mas o cerne é a canção, aquela coisa do estrofe, ponte e refrão, que é a coisa bem radiofônica. No Gravodisc lembro que havia a preocupação de não passar dos 3m30. Lembro de ter visto os caras levantarem a base de uma música do zero e ter a música pronta em seis horas. E com cordas, com tudo, metais.

Eu trabalhei com a Gal Costa em produção, também, mas foi num estúdio mais de ensaio. Foi na época do Estratosférica. Vi todo mundo levantando o show do zero, direção de show do Pupillo… Foi uma aula. Eu estava ali na graxa, mas aprendendo tudo. E ainda teve outros artistas, gravei o Detonator, também (risos). Aliás, ele e a Gal estavam no estúdio no mesmo horário.

Rolou de se conhecerem?

Não, infelizmente. Bom, se cruzavam no corredor do estúdio, mas não sei se teve alguma prosa. Não deve ter rolado.

E por que o nome Walfredo Em Busca Da Simbiose?

Advertisement

Walfredo era o nome de um cliente do último estúdio que eu trabalhei. Tinha uns clientes que batiam na porta do estúdio sem ter nenhuma assessoria. O cara batia na porta e falava: “Oi, tenho uma musiquinha, queria gravar em voz e violão, mas não é pra fazer sucesso. É só pra gravar e deixar em casa tocando pros meus filhos”. Um desses caras era o Walfredo. Eu pensava: “esse é o cara!”, só dele estar ali entregue no estúdio. Aquilo para ele era um Playcenter, e ele estava lá gravando voz e violão, uma coisa bem simples mas bem singela, pura.

E por outro lado, tinha uma turma bem jovem, de banda, que chegava lá e falava: “Então, como é que é? A gente grava a música aqui e já põe a música dentro do rádio? Como é que faz? Manda pra quem?” (risos). Eu e meu parceiro de estúdio pensávamos: “Mas o cara nem gravou e já quer pular as etapas!”. E tinha esse cliente que era oposto disso, o nome dele era até Walfredo dos Anjos. O “simbiose” veio da semiótica, que eu adoro. É o processo de comunicação dos símbolos, como ele se apresenta na sua consciência, como ele trabalha. Ficava pensando que o Walfredo tinha encontrado a simbiose, só dele estar ali, íntegro, gravando, em voz e violão (risos). E era algo bem singelo, a gente gravava em CD-ROM – na época se gravava em CD-ROM – e o cara levava para casa para ouvir com a família.

Continue Reading
Advertisement

Cinema

Vai sair caixa com as trilhas sonoras dos filmes de John Hughes

Published

on

Vai sair caixa com as trilhas sonoras dos filmes de John Hughes

O site Brooklyn Vegan, quando noticiou a caixa Life moves pretty fast – The John Hughes mixtapes, com o repertório dos filmes do diretor norte-americano, lembrou bem: “Algumas pessoas podem argumentar que as trilhas sonoras dos filmes de John Hughes resistiram melhor do que os próprios filmes”. Maldade com o diretor que melhor conseguiu sintetizar a angústia jovem dos anos 1980, em filmes como Gatinhas e gatões, Clube dos cinco e Curtindo a vida adoidado.

A “década perdida” (pelo menos para os países da América Latina, como dizem alguns economistas) pedia um novo tipo de filme jovem, em que até as picardias de produções como Porky’s, do canadense Bob Clark (1981), tinham seu tempo e lugar, desde que reembaladas e exibidas com um verniz mais existencial e (vá lá) inclusivo.

Ainda que se possa alegar que algumas situações envelheceram (e algumas envelheceram muito), que não havia diversidade racial, etc, tinha espaço para o jovem zoeiro e audacioso de Curtindo a vida adoidado, para o choque de tribos de Clube dos cinco e A garota de rosa shocking (este, dirigido por Howard Detch e roteirizado por Hughes), para a decepção com a vidinha besta e burguesa de Ela vai ter um bebê. Eram criações bastante originais para a época, tudo fruto do trabalho de Hughes, um ex-publicitário e ex-colaborador da revista de humor National Lampoon. Tudo embalado pela sensação de que a vida é, sim, apenas um piscar de olhos – como o próprio Ferris Bueller (Matthew Broderick) sentenciou em Curtindo a vida adoidado.

>>> Leia também no Pop Fantasma: Quando teve uma sitcom do Ferris Bueller

Live moves pretty fast, a caixa em questão, é a primeira compilação oficial de músicas de todos os filmes de John Hughes, incluindo aqueles que ele dirigiu ou apenas escreveu o roteiro. Sai em 11 de novembro pela Demon Music e vai ser vendida em vários formatos: box com LPs, CDs, etc, incluindo canções que estavam nos filmes mas acabaram não aparecendo nas trilhas sonoras.

Entre as bandas que apareciam nas trilhas, New Order, The Smiths, Echo & The Bunnymen, Simple Minds, Oingo Boingo, OMD, The Psychedelic Furs, Simple Minds, e várias outras que, muitas vezes, chegaram ao grande público por aparecem num filme dele. Ou já estavam virando “tendência” e foram pinçadas quando as agendas bateram, como foi o caso do New Order com Shellshock e Elegia em A garota de rosa shocking – um filme que ainda tinha na trilha Smiths com Please, please, let me get what I want e Echo & The Bunnymen com Bring on the dancing horses, gravada especialmemte para a trilha.

Advertisement

Teve também o caso de Don’t you forget about me, da trilha de Clube dos cinco – aquela famosa música que o Simple Minds não queria gravar de jeito nenhum, mas acabou gravando. E virou o maior hit deles. Você já leu sobre isso aqui.

Advertisement
Continue Reading

Notícias

Inscrições no edital Aceleração LabSonica chegando ao fim!

Published

on

Inscrições no edital Aceleração LabSonica chegando ao fim!

A Oi Futuro e o Estúdio Toca do Bandido estenderam a data limite para inscrições no edital Aceleração LabSonica 2.0 Toca do Bandido, que tem como proposta alavancar a carreira de novos artistas e bandas independentes.

Inicialmente previsto para o dia 29 de julho, o prazo final foi prorrogado para o dia 7 de agosto, às 17h, para que mais artistas de todo Brasil possam se inscrever no site do Estúdio.

O ciclo proposto pelo segundo programa de aceleração da LabSonica, em parceria com a Toca do Bandido, inclui jornada de diagnóstico de carreira, mini curso de music business, workshop de planejamento estratégico, pitching, além de mentorias individuais promovidas por especialistas da indústria da música.

Ao final da capacitação, os selecionados participarão de uma residência artística na qual farão um songcamp e produzirão um EP com três faixas e uma Live Session. Os dois produtos serão lançados pelo Selo Toca Discos.

Para se inscreverem, bandas e artistas solo precisam ter um ano comprovado com lançamentos e registros de shows. Dos seis artistas selecionados, quatro serão do estado do Rio de Janeiro e dois de demais estados brasileiros.

Advertisement

O projeto tem patrocínio do Governo do Estado do Rio de Janeiro, Secretaria de Estado de Cultura e Economia Criativa, Lei Estadual de Incentivo à Cultura e Oi, com apoio cultural do Oi Futuro e realização da Toca do Bandido.

Continue Reading

Notícias

Noramusique: festa virtual vai pro mundo real nesta sexta

Published

on

Durante a pandemia, quando começaram as festas on-line, toquei diversas vezes na Noramusique, uma festa virtual que começou presencial (bem antes da covid-19, claro). Tinha uma onda pós-punk forte na festa – aliás, ainda é um estilo musical bem comum nas festas de rock do Brasil. Mas uma característica que a Noramusique sempre teve, e foi desenvolvendo enquanto as edições da festa foram acontecendo, foi a variedade musical. Você podia começar ouvindo música eletrônica, ver o evento partir para o rock dos anos 1980 e, lá pelas tantas, aparecer um DJ tocando rock clássico, ou hip hop, ou sons novos da música pop, ou até heavy metal, ou música brasileira (já rolou).

A Noramusique vai voltar pro mundo real nesta sexta, às 22h, na Lapa (Rua Teotonio Regadas 13, rua ao lado da Sala Cecilia Meirelles, ingressos aqui), com um time de DJs formado por uma turma que tocou muito nos eventos virtuais: Diego, Helena Hell, Jesse Marmo (conhecido na noite carioca como DJ Kowalsky), Manu, Marpê (direto de BH), Renato Biao e o diretor da festa, Renato Vilarouca. A diferença agora é que as pessoas vão poder conferir a festa ao vivo e muita gente que “se encontrava” virtualmente vai poder se ver ao vivo. Vai rolar também lançamento do clipe da música Hei de amar, do ator e cantor mineiro Renato Luciano.

No período em que a Noramusique existiu virtualmente, ela também foi marcada pelo cruzamento de festas virtuais (eram vários eventos) e pela descoberta de novos DJs. Muita gente que nunca havia tocado em festa nenhuma se descobriu DJ tocando lá – e treinando com os próprios sons que marcaram suas vidas, ou encontrando sons novos. Acabou virando uma espécie de escola (vamos dizer assim) para novos profissionais. Eu mesmo fiz vários sets lá, variando do pós-punk ao rock clássico, e incluindo sons que muita gente conheceu porque leu primeiro no Pop Fantasma.

Para ter só uma ideia do que vai rolar na festa, a Nora tem colocar alguns sets no Mixcloud (opa, tem uns sets meus aí).

Advertisement
Continue Reading
Advertisement

Trending