O programa humorístico norte-americano Laugh in fez sucesso pra burro. Existiu de 1968 a 1973, revelou carreiras como a de Goldie Hawn e era apresentado por uma dupla bastante ágil, Dan Rowan e Dick Martin. Na época, os produtores do programa, Ed Friendly e George Schlatter, ganharam tanta moral que havia quem pensasse que tudo o que eles fizessem daria certo. Em 5 de fevereiro de 1969, às 20h30, a ABC levou ao ar um programa produzido por eles, que acabou por desmentir essa afirmação: Turn on, que era para ser uma espécie de comédia de esquetes psicodélicos, e que acabou por só ter um episódio. Chegou a ser filmado um outro, que nunca foi ao ar. No YouTube, tem só um trechinho mínimo desse segundo episódio – o primeiro permanece sumido – que só está aí porque foi incluído num documentário da BBC.

"Turn on": um programa de TV que horrorizou geral em 1969
Logotipo do “Turn on”

O esquema do Laugh-in era de gags rápidas, com conteúdo sexual e político – se você acha que já viu algo parecido, antigos programas de humor da Rede Globo como o Viva o Gordo, de Jô Soares, acharam motivos para existir em torno disso. Já o Turn on era um lance mais complicado, com gags envolvendo um número excessivo, para a época, de piadas sexuais. O roteiro previa que o programa era realizado como se o texto e a edição saíssem de um computador, que servia de mestre de cerimônias para a atração. Devia ser algo bem complicado para explicar.

Para complicar mais um pouco: se qualquer programa de humor lançava mão de uma claque de risadas para finalizar as piadas, o Turn on finalizava os esquetes com os ruídos de um sintetizador Moog (engraçado que programas como o próprio Viva o gordo usavam uns ruídos de sintetizador junto com as risadas, no fim de alguns esquetes). Para complicar mais ainda: em algumas piadas, a tela aparecia dividida em quatro quadros, como se fosse uma história em quadrinhos – não havia nem tecnologia para se fazer esse tipo de coisa e a turma usava quatro projetores de imagens virados para espelhos, o que deixava tudo mais psicodélico ainda. Um produtor da CBS chegou a falar que o programa era “psicologicamente perturbador”.

Ficou faltando falar do que havia no roteiro. O site Night Flight lembra que uma das piadas mostrava um pelotão prestes a fuzilar uma mulher bonita e avisando a ela que “pode parecer estranho, mas o pelotão tem um último pedido” (tum-dum-diss?). Em outro esquete, embaixo da palavra “sex”, o ator Tim Conway e o convidado Bonnie Boland simulavam uma transa homossexual. Conway passava toda a atração tentando se suicidar. Era loucura demais.

O conteúdo provocou tanta raiva numa afiliada da ABC de Cleveland, Ohio, que a emissora cortou a exibição quando o programa estava em onze minutos de duração – um morador do local, irritado com o fato do canal ter parado de exibir a série Peyton Place, ligou para lá e fez um escândalo tão grande que a emissora desistiu do programa. A crítica não dexou a produção do Turn on em paz e classificou tudo como um abacaxi daqueles. Com fama de ter sido um programa bem mais vulgar e maluco do que propriamente engraçado, ele acabou sendo abandonado pelo canal antes que desse mais merda.

Recentemente, foram perguntar ao produtor George Schlatter o que se passou na cabeça dele quando fizeram o Turn on, e ele foi bastante sincero: tudo veio de um grande excesso de autoconfiança. “Era a arrogância do poder que assumia o controle. Eu hoje sou um cara pretensioso, agora imagina há quarenta anos, com 50 de share”, brincou. “A ideia era arrastar a audiência sem que eles estivessem num lugar confortável, eles só estavam ali e mais nada. Acabou que não havia audiência”. O papo com George você vê abaixo, com legendas automáticas (ruins).