Quando Zé Vasconcelos quase foi o nosso Walt Disney

Humorista, pioneiro do stand up comedy no país, chegou a iniciar o projeto da Vasconcelândia, mas faliu com o cancelamento da construção

0
101
Quando Zé Vasconcelos quase foi o nosso Walt Disney

O acreano Zé Vasconcelos deu o pontapé inicial da chamada stand up comedy no Brasil. Foi o primeiro humorista a encarar teatros lotados de cara limpa, sem personagem, sozinho, para interpretar textos e piadas escritas e roteirizadas previamente. Nos anos 1960, fez turnês pela América Latina (com espetáculo de 2 horas em espanhol) e se apresentou em Paris (duas horas em francês) – e ainda recusou um convite para fazer o famoso Olympia porque o produtor queria lhe dar “apenas” 15 minutos.

Nesse vídeo, num especial do Programa do Jô em que Zé Vasconcelos divide a bancada com Paulo Silvino e Chico Anysio, o humorista conta a história de Paris em 10m26:

Em 1966, Vasconcelos, empolgado com seu sucesso e “querendo fazer o bem para o Brasil”, segundo suas palavras à época, começa a construir a Vasconcelândia, um parque temático de um milhão de metros quadrados em Guarulhos, na Grande São Paulo. “A Vasconcelândia teria hotel, restaurante, lagos e ilhas artificiais, brinquedos e
representações das cidades brasileiras. Um trenzinho iria levar o visitante a cada cenário”, conta a Folha de S. Paulo em matéria de 1997.

Vasconcelos não recebeu nenhum tipo de apoio governamental. Capitalizado com seu sucesso no exterior, bancou o início das obras e até o asfaltamento da estrada que dava acesso à entrada principal do parque. Mas devido à falta de estrutura, a ideia foi minguando, minguando, até virar um parque médio, que funcionou por poucos anos. A Vasconcelândia quase levou o humorista à falência – e ele só desistiu da ideia depois da
insistência da família.

Antes da Vasconcelândia e do pioneirismo no stand up comedy, Vasconcelos também interpretou a primeira versão do Bozo no Brasil em 1954 e lançou o disco Canções sobre boas maneiras.

Seu stand up virou disco em 1960. Eu sou o espetáculo é a reprodução do que ele apresentava pelo Brasil e vendeu mais de 100 mil cópias:

De uns quatro, cinco anos pra cá, tem surgido uma ótima geração de comediantes stand up no Brasil. Aprenderam com os erros dos comediantes da década passada e, diferente do discurso chato de que “ai, hoje não pode mais falar nada”, desafiam, e bem, os limites.

Separei 10 numa playlist: