Aos doze anos de idade, David Bowie foi ter suas primeiras aulas de saxofone. Inicialmente, o futuro autor de Space oddity era um fã de jazz, tinha aprendido a gostar do estilo com seu irmão, e ganhara um sax alto da mãe. Ronnie Ross, que tinha aparecido na revista Downbeat como “o melhor artista do sax barítono”, e que morava em Londres, foi achado pelo pequeno David Jones na lista telefônica e acabou lhe dando umas aulas – você já leu essa história no POP FANTASMA.

Bem antes disso, quando tinha sete anos, o futuro Bowie descobriu ninguém menos que Little Richard, na época em que o cantor morto na semana passada estava arquitetando o futuro do rock. Nessa época, Bowie chegou a pedir uma foto de Richard pelo correio para a Star Pic (que enviava imagens de artistas para os fãs). “Demorou oito semanas para chegar e quando veio, veio rasgada. Fiquei arrasado”, contou ele, que um tempo depois viu que a banda de Richard tinha um monte de saxofonistas e chegou a viajar na hipótese de tocar sax na banda do autor de Tutti frutti. “Sem ele, eu e vários dos meus contemporâneos não estaríamos fazendo música”.

Bowie falou sobre isso em 1991 numa entrevista ao Friday Night Videos – apresentado na NBC por Tom Kenny, o mesmo que depois faria a voz do Bob Esponja. David Bowie estava, na época, divulgando o segundo disco do Tin Machine, e Kenny estava engajado numa campanha para Richard ganhar seu primeiro Grammy ou pelo menos conseguir um novo contrato de gravação – a campanha tinha até um endereço de caixa postal e um telefone para quem quisesse se engajar.

O próprio Richard apareceu ao lado de Kenny no programa, avisou (com seu costumeiro estilo gritalhão e gozador) que ainda estava vivo, que precisava gravar e reclamou do não-reconhecimento da Academia. “Me deem o Grammy que vocês deram para o Milli Vanilli. Eles nem mesmo conseguem cantar!”, disse. No fim do vídeo, tem Bowie e seus colegas de Tin Machine dando uma pinta rápida e apresentando um vídeo.

Aliás, Little Richard tinha lançado um disco pela Warner em 1986, Lifetime friend, o primeiro após um longo tempo vivendo como pastor protestante. Mas seu contrato com a gravadora não duraria muito, até porque ele já estava com planos de voltar ao ministério. A campanha da NBC pode ter feito efeito, já que ele voltaria a gravar em 1992, e em dose dupla: um disco infantil lançado pela Disney, Shake it all about, e um disco feito ao lado do guitarrista japonês Masayoshi Takanaka, que se tornaria seu último lançamento.

Via Brooklyn Vegan