As Breeders eram o projeto paralelo da baixista dos Pixies, Kim Deal, cansada de ser relegada a um papel terciário na banda. Isso apesar de geralmente ser ela quem falava com o público, mais até do que o líder Black Francis. Só que ficou claro tanto para ela quanto para o selo 4AD que aquele grupo poderia render bem mais. Principalmente porque, em 1992, os Pixies encerraram atividades.

O primeiro disco das Breeders, Pod (1990), foi feito rapidamente e com pouca grana. O selo 4AD deu a Kim Deal (voz e guitarra) e Tanya Donelly (guitarra e voz) a bagatela de 11 mil dólares para que elas se trancassem no estúdio por três semanas. O disco acabou sendo completado em dez dias, mas a formação que gravou o álbum uniu-se aos poucos. Quando o estúdio já estava agendado, Josephine Wiggs, do grupo Perfect Disaster, entrou para o baixo. Steve Albini, que havia produzido Surfer Rosa, estreia dos Pixies (1988), foi chamado por Kim para cuidar de Pod e indicou o baterista Britt Walford (Slint). Aliás, o músico assinou o job como Shannon Doughton.

A coisa foi ficando mais séria quando, em 1992, numas férias dos Pixies, Kim visitou Josephine Wiggs na Inglaterra. As duas, ao lado de Jon Mattock (o baterista do Spacemen 3 e do Spiritualized) gravaram uma canção chamada Safari num estúdio em Londres.

>>> Veja também no POP FANTASMA: Breeders no rádio e na TV depois da gravação de Pod

Começava a nascer um EP aí, intitulado Safari e lançado em 6 de abril de 1992. O restante do material foi gravado com a formação anterior da banda, acrescida de uma novidade: Kelley Deal, irmã gêmea de Kim, estava tocando guitarra (mesmo tendo apenas um conhecimento rudimentar do instrumento). Além da faixa-título, entraram Don’t call home, Do you love me now (que sairia em versão definitiva no The last splash, disco das Breeders de 1993) e uma versão (que tocou no rádio no Brasil!) de So sad about us, do Who.

Havia uma graninha da 4AD e as Breeders foram fazer um vídeo para Safari. O vídeo foi uma ideia de Kim Deal, que tinha visto um antigo vídeo do Who que queria usar como referência. Só que nos anos 1990 não havia YouTube (jura?), daí achar um vídeo por aí não era das coisas mais fáceis. Kim foi a uma locadora e alugou os vídeos da série MTV Closet Classics. Não achou o The Who lá. Mas achou o vídeo de Paranoid, do Black Sabbath, feito para o programa de TV alemão Beat Club.

O vídeo, um primor da era em que as bandas tentavam fazer imagens “psicodélicas” usando muito cromaqui, acabou servindo de base para a criação do vídeo de Safari. Kim e suas amigas (e o batera) copiaram o piso em formato redondo (com uma entradinha na frente). Usaram câmera de vídeo e botaram várias imagens “viajando” na câmera. Ficou bem legal (e passou na MTV Brasil).

Via Chaos Control.

DEIXE UMA RESPOSTA