Não foi só o ataque às torres gêmeas que deu seu ar de desgraça ao 11 de setembro. Há trinta anos, no mesmo dia, os fãs de reggae choravam muito a morte de Peter Tosh. Maior ameaça ao trono de Bob Marley – com quem iniciou a carreira nos Wailers e com quem compôs o hino Get up, stand up – e conhecido pelo estilo “deixa que eu chuto”, que o colocou em várias encrencas, Tosh foi morto por três caras que invadiram sua casa, supostamente atrás de grana. Sua viúva nunca se convenceu muito de que o objetivo ali era conseguir dinheiro e viu isso como desculpa para assassinar Tosh e quem estivesse na casa.

É o que ela fala nessa reportagem (com legendas automáticas) do Jamaica Broadcasting Channel, que foi ao ar em 1987, pouco depois de Tosh morrer, e que tenta dar uma organizada em tudo o que aconteceu na casa de Tosh naquela noite. Além das pessoas que estavam no local, quem dá depoimento é o então primeiro ministro do país, Edward Seaga.

Para se especializar de vez em Peter Tosh, tem o filme acima, Stepping razor – Red X, do cineasta canadense Nicholas Campbell, e que se baseia numa série de áudio-diários deixados por Tosh. Foi feito em 1989, chegou a ser lançado em DVD e tá inteiro no YouTube – infelizmente sem legendas.

E isso aí é Peter Tosh felizão da vida numa aparição especial na novela global Água viva, em que ele é apresentado por Tonia Carrero como “um amigo” e canta hits como Bush doctor numa festa.