Justamente na semana em que o Cheap Trick passa pelo Brasil, uma célebre banda de power pop perde seu líder. O músico Pat DiNizio, guitarrista e vocalista da banda americana Smithereens, morreu nesta terça (12) aos 62 anos.

A causa da morte não foi divulgada. Mas sabe-se que Pat vinha se recuperando de vários problemas de saúde. Em 2015, Pat teve uma queda em casa e perdeu os movimentos da mão e do braço direitos devido aos vários problemas nos nervos que passou a ter. Em setembro, foi noticiada outra queda do músico em casa, e a banda cancelou alguns shows. Ainda assim, a banda já havia anunciado seu retorno aos palcos em janeiro de 2018.

Os Smithereens surgiram em 1980 em Nova Jersey com uma formação que durou vários anos: Pat (voz e guitarra), Jim Babjak (guitarra e voz), Mike Mesaros (baixo e voz) e Dennis Diken (bateria). No momento, a banda contava com Severo Jornacion no lugar de Mesaros. Os integrantes originais postaram um texto de despedida para Pat no site oficial do grupo: “Hoje nós lamentamos a perda de nosso amigo, irmão e colega. Pat tinha o toque mágico, ele canalizou a essência da alegria e desilusão amorosa em ganchudas canções pop de três minutos… Nossa jornada com ele foi longa, cheia de histórias e muito divertida. Nós crescemos juntos. Mal sabíamos que não iríamos envelhecer também. Adeus Pat, parece que foi ontem”.

Influenciadíssimos por rock dos anos 1960 – especialmente pela invasão mod, de Who e Kinks – os Smithereens tiverem hits como Only a memory, Behind the wall of sleep, In a lonely place e A girl like you. O primeiro disco, Especially for you, saiu em 1986 pelo selo Enigma e é um dos clássicos deles. Outro disco altamente recomendável é 11, de 1989. A música do grupo chegou a ser ouvida no (e a ser inspirada pelo) cinema. Blood and roses, primeiro single da banda, foi direto para a trilha do thriller de ação Caçada perigosa, de Albert Pyun. O disco 11 teve título e layout inspirados em Onze homens e um segredo, clássico protagonizado em 1960 por Frank Sinatra, Dean Martin e Sammy Davis, Jr.

Os Smithereens tinham gravado o último disco em 2011 – o nome do álbum era justamente 2011. Pouco antes, a banda havia gravado discos de projetos em que homenageava Beatles (B-Sides The Beatles, de 2008) e The Who (The Smithereens play Tommy, de 2009). Pat também gravou discos solo, a partir de 1997. Além da música, ele chegou a concorrer ao Senado americano, em 2000, mas perdeu a eleição. Em 2009, lançou um audiobook sobre sua vida, Confessions of a rock star.

Em entrevistas, Pat DiNizio sempre dizia que os Smithereens tinham vendido bastante mas não haviam se tornado uma banda rica, e que os downloads gratuitos haviam prejudicado muito sua arrecadação. “Aquela ideia terrível de que a música tem que ser de graça e não há nada para ser pago, a não ser a sua comida e o carro que você dirige”, disse.

Obrigado, Pat DiNizio.

Foto: Reprodução Facebook