Em 1991, pop e rock não se misturavam nem a cacete. Rádios rock deixavam de tocar bandas quando elas pareciam estouradas demais, grupos que chegavam nos primeiros lugares das paradas eram assombrados por pesadelos do tipo “você se vendeu” (ai). Ter “atitude” e recusar os louros da fama era uma atitude que até mesmo bandas extremamente bem sucedidas, como o Nirvana, achavam que era a mais conveniente. Ainda que Nevermind (1991), segundo disco do grupo, tenha vendido mais discos que Michael Jackson.

Por isso, não estranhe quando você vir a série de vinhetas que aparece abaixo. São os dropes exibidos pela MTV em 2011, para comemorar os vinte anos do estouro do grunge e de Nevermind. Dá para entender boa parte do que aconteceu no universo pop-rock na época, muito embora o lado mais pop de verdade fique bem longe dali (1991 foi o ano de Na cama com Madonna e claro que isso não é nem citado). Mas tem o rap do De La Soul, a música eletrônica do Massive Attack – ambos lançando discos naquele ano. A chegada à fama do R.E.M., do Teenage Fanclub e do Primal Scream, o primeiro fim de carreira dos Pixies com o disco Trompe le monde… tá tudo lá. E tudo o que aparece é comparado imediatamente com o estouro do Nirvana, numa linguagem ágil e meio maluquinha.

Ah, sim, faltou uma bela revisão nos textos publicados nos vídeos. “Pumpkins” é com “m” (não é “punpkins”) e “exotérico” é “esotérico”. Mas vale conferir.