Voltamos com o sexto capítulo da nossa série sobre lendas urbanas, começando lá pelos anos 1980 e prosseguindo com as lendas que fazem a turma mais nova morrer de medo (essas lendas existem?). E aliás tem um aplicativo aí, o Randonautica, que tem umas historinhas bem cabeludas…

RANDONAUTICA É APLICATIVO DA DEEP WEB? (2019-2020)

Criado em 2019 pelo grupo americano Presley Media, empresa ainda obscura, o aplicativo Randonautica tem sido a sensação em todo o mundo para adolescentes e jovens em busca de aventura e adrenalina.

O Randonautica funciona como uma versão moderna da brincadeira do copo, porém com uma pegada misteriosa. O mais interessante do aplicativo é que a pessoa “pensa” em algo antes de acioná-lo e, de forma telepática, o aplicativo leva o usuário a cenários, objetos ou experiências relacionados ao que a pessoa “manifestou” em pensamento. Por exemplo: “quero encontrar um lugar misterioso” e ser levado a um lugar de rituais. Ou então coisas banais como “quero encontrar um pássaro verde” e encontrar um papagaio em plena floresta do Colorado.

O aplicativo, em si, pode parecer sem graça. Mas no ano de 2020, talvez por causa de uma certa paranoia causada pela pandemia do coronavirus, o Randonautica andou colocando alguns jovens em tremendas confusões…

SINISTRO…

Alguns desses jovens juram que foram parar em terrenos baldios onde há desova de corpos – aliás, incluindo casos no Brasil. Outros foram parar em lugares sinistros e abandonados. Já li o relato de duas moças do interior de São Paulo, na faixa dos vinte anos que, após utilizarem o aplicativo, foram parar em uma estrada de terra e em um terreno baldio murado. Ficaram “p” da vida porque não teve emoção alguma e o lugar era muito desinteressante. Mas, ao retornarem para casa, perceberam que estavam sendo seguidas por um carro de luxo com Insulfilm.

As moças tentaram se desvencilhar, e chegaram em casa. Mas notaram que o misterioso carro ainda continuou a passar pela rua delas por alguns dias, o que as deixou apavoradas.

Há relatos mais fantasiosos, em que adolescentes brasileiros juram que, após utilizar o Randonautica, foram parar em outra dimensão. Todavia, estes “randonautas” (nome dado aos navegadores desta bússola cibernética), sem exceção, alegam que, apesar de sóbrios, estiveram em um lugar estranho, soturno, decadente e sombrio chamado Setealém.

MAS QUE LUGAR É ESSE?

Bom, Setealém não é uma cidade específica, mas um lugar interdimensional que está bem perto da nossa dimensão e, por isso, o aplicativo consegue, supostamente, acessá-lo. Falaremos sobre a lenda urbana envolvendo Setealém em outro tópico. Se o aplicativo é “do além”, não sabemos. Mas em junho deste ano, o Randonautica foi assunto da imprensa mundial. Isso aconteceu quando alguns jovens americanos fizeram uma live no TikTok dizendo que participavam de uma “caça ao tesouro” seguindo as coordenadas do aplicativo.

Os jovens chegaram até uma mala jogada em uma praia de Seattle. Chegando perto, notaram o mau cheiro. Resolveram chamar a polícia e veio o grande susto! Na mala havia corpos esquartejados que depois descobriram ser de duas moças. Mas o assassino não foi encontrado.

Parece que os millennials entediados se divertem levando sustinhos e quem procura, um dia… acha! A verdade é que muitos especialistas em segurança cibernética alertam os pais de adolescentes para que não deixem seus filhos utilizarem o aplicativo, pois não sabem a real intenção dele.

Abaixo você confere os jovens de Seattle no TikTok.

Randonautica Experience no TikTok (compilação dos vídeos mais estranhos):

E tá aqui o site da empresa Randonautica.

Confira as outras lendas da série aqui.