No começo dos anos 1990, quando o grunge começou a dar as cartas no universo do rock, aconteceu uma coisa meio, er, estranha. Para começar, o estilo musical era visto como uma reação à mania de hard rock e hair metal que dominava as paradas nos anos 1980. Tanto que bandas como Cinderella e Poison começaram a deixar de ser prioridades de seus selos e pôsteres do Nirvana e de seu líder Kurt Cobain passaram a adornar as salas de grandes executivos de gravadoras.

Por outro lado, a chegada de bandas como Soundgarden e Alice In Chains foi fundamental para que o metal se tornasse um estilo “clássico” – e para que bandas como Black Sabbath, outrora desaplaudidas pela crítica (e desacreditadas pelo público por causa das mudanças de formação), voltassem a ganhar popularidade. Foi nessa época, por exemplo, que o Metallica, uma banda que sempre quis estourar, vislumbrou a possibilidade de falar para um público cada vez mais numeroso (e aí chegou às lojas o “álbum preto”, de 1991).

BAILE DOS HEADBANGERS

Ainda assim, quando o Nirvana foi fazer sua primeira apresentação no Headbangers Ball, da MTV, em 25 de outubro de 1991, o clima entre a banda (cujo futuro clássico Nevermind estava nas lojas havia um mês) e o estilo musical não era dos melhores. O vocalista Kurt Cobain, convencido de que ia penetrar no universo da música machona, encarou o apresentador Riki Racthman usando um vestido amarelo-canário (!).

O ambiente estava até bastante amistoso para Kurt e Chris Novoselic (Dave Grohl faltou no dia). Riki fez questão de falar que “todo mundo está falando do Nirvana” e que “nunca tinha visto um barulho tão rápido em relação a uma banda”. O apresentador entrou no clima, elogiou o vestido de Kurt e disse que “seria bom para usar num avião”. “É um vestido de baile, como aqui é o ‘baile dos headbangers’ (Headbangers ball, enfim) vim com ele”, respondeu Kurt.

KURT COBAIN SEM ANIMAÇÃO

O apresentador parecia animado em mostrar a banda. Aliás, disse que o clipe de Smells like teen spirit era a preferência da audiência, e que enxergava o som deles como um “Replacements mais pesado” (muita gente falava isso a respeito do Nirvana, na época). Mas Kurt e Chris não pareciam muito animados. Você consegue ver toda a entrevista legendada (até tirarem do ar) abaixo.

Uma versão um pouco maior do programa no YouTube (mas sem as benditas legendas).

Quando o malfadado programa completou vinte anos, o próprio site da MTV foi bater um papo com Riki para saber o que tinha exatamente pegado naquela época – até porque estava claro que aquilo estava bem esquisito. Riki se recorda que entrou na “sala verde” da emissora, onde as bandas e artistas se encontravam antes para tomar uns drinques e relaxar. Lá, viu Kurt mais do que apenas relaxado. O cantor do Nirvana estava esparramado no chão, na base do “chuta ele aí pra ver se ele está morto”.

‘QUANDO É QUE ISSO VAI ACABAR?’

O apresentador não se sentiu especialmente provocado por causa do vestido de Kurt, mas percebeu rapidamente que a entrevista não iria a lugar nenhum se ele não agisse rápido. “Dava para perceber que ele não queria estar lá. Eu não estava recebendo boas respostas, não estava descobrindo nada sobre eles… Foi como arrancar dentes. Tudo começou como um dia em que eu estava muito animado. Mas logo mudou para um: ‘Quando é que isso vai acabar?'”, recordou.

Rachtman também disse que nunca mais nem viu o programa, justamente por ter sido uma das piores entrevistas que já fez na vida. E que os fãs de metal, ao contrário dele, sentiram-se um tanto quanto afrontados com aquilo. Aliás,  até porque já havia o blábláblá de que o grunge tiraria o espaço do som pesado. Mas o apresentador sempre pensou diferente. “As pessoas dizem: ‘O Nirvana matou o heavy metal’. Mas não foi nada disso. Se uma cena é tão fraca que uma banda pode matá-la tocando outro tipo de música, então sua cena, para começar, não é boa o suficiente”, brinca.

Naquele mesmo dia, por sinal, o Headbanger’s ball apreesentaria uma entrevista com o Sepultura, estouradíssimo com o disco Arise, o segundo pela Roadrunner. Max Cavalera, então vocalista da banda, esteve com o Nirvana no camarim. “Kurt ficava dormindo a maior parte do tempo e acho que ele estava pegando pesado na heroína nessa época”, recordou.

VEJA TAMBÉM NO POP FANTASMA:

– Nirvana em 1988 num show especial da Sub Pop, apresentando o futuro hit School
Nirvana ao vivo, um dia antes do lançamento de Nevermind
– Por que será que o Nirvana resolveu tocar em alguns shows um trecho da ópera Carmen?

Tem conteúdo extra desta e de outras matérias do POP FANTASMA em nosso Instagram.