A Mojo de junho bateu um papo com Gilberto Gil (definido por eles como o “ministro brasileiro da cultura mais cheio de suíngue”), que se apresenta no dia 7 do mês que vem no Innvervisions Festival. Perguntaram para Gil o que ele anda escutando. Como o papo deve ter sido realizado pouco depois do Carnaval, o cantor disse que estava escutando um monte de músicas relacionadas ao período, “já que o Carnaval terminou agora há pouco no Brasil”. E revelou também que anda ouvindo Earth, Wind & Fire e Lou Reed.

“Assisti recentemente a documentários sobre eles e fiquei muito impressionado com a beleza de sua música”, afirma Gil.

Só lembrando que, durante o exílio em Londres, nos anos 1970, Gil fez gravações com um músico de outro ícone do glam rock: Mick Ronson, guitarrista de David Bowie, toca nessa música aqui.

Gil também revela que seu álbum preferido de todos os tempos é Chega de saudade, de João Gilberto, e que o primeiro disco que comprou foi o 78 rpm com a faixa. “Ouvi João cantando no rádio e liguei para a estação para saber quem era. Depois disso, corri para a primeira loja de discos que vi pela frente para comprar o disco”, conta Gil, que revela que gostaria de ser Jorge Ben Jor, que seu som preferido para um sábado à noite é Luiz Gonzaga (“meu primeiro ídolo”) e que sua música de domingo de manhã é Dorival Caymmi.

Pega aí a conversa.

“Achei a letra muito pequena”. Tá pega aí.

Via Ronca Ronca e Silvio Essinger