Live evil, o mal-amadíssimo disco ao vivo do Black Sabbath lançado em 1982: você daria uma segunda chance para ele?

Bom, tem muita (mas muita) gente que não aguenta nem sequer chegar perto das versões do Black Sabbath para músicas como N.I.B. e Black Sabbath com Ronnie James Dio no vocal. O que soava graciosamente tosco na voz de Ozzy Osbourne ganhou um ar teatral e (vá lá) brega com o segundo vocalista do grupo à frente. O disco também está longe de ser o álbum dos sonhos de Tony Iommi, guitarrista do grupo. E saiu numa época em que o relacionamento dentro do “novo” Black Sabbath estava chegando a um ponto em que ninguém se entendia mais.

Dio tinha chegado lá como uma promessa de cantor com a cabeça no lugar (coisa que Ozzy já não estava em condições nem de fingir ser, por causa do excesso de drogas) e de compositor habilidoso, do tipo que poderia pegar uma ideia de Tony Iommi e transformá-la numa canção excelente em poucos minutos. Foi assim com Children of the sea, que acabaria gravada pela banda no primeiro disco com o cantor nos vocais, Heaven and hell (1980).

A música foi feita no primeiro encontro de Dio com o Sabbath – na cabeça de Iommi, era um teste, mas o futuro frontman não sabia disso. Naquele período, Tony estava convencido de que Ozzy Osbourne, totalmente fodido por causa das drogas, era o principal problema da banda. Haviam ainda o uso de drogas nada recreativo por parte do próprio guitarrista, o alcoolismo do baterista Bill Ward e a depressão (e enfim, também o excesso de drogas) na vida do baixista Geezer Butler.

Dio, por sua vez, não estava num dos melhores períodos da sua vida quando topou entrar para o grupo. Tinha sido demitido do Rainbow por Richie Blackmore e estava sem ter de onde tirar grana – a herança de sua avó, recentemente falecida em 1978, o salvou. A esposa de Dio cortou um dobrado para convencê-lo a aceitar fazer uma jam com Iommi, Ward e Butler, mas ele foi lá e ganhou a vaga.

A permanência de Dio no Black Sabbath foi marcada por mais drogas e mais problemas internos – e por diferenças marcantes entre a postura do vocalista e a do resto da banda. O Sabbath mal conseguia se comunicar direito com jornalistas e fãs, enquanto Dio era o cara que passava horas dando autógrafos e sabia dar entrevistas. Dio não curtia drogas pesadas, enquanto Iommi estava entrando para o clube dos primeiros usuários de crack (!) lá por 1980. Tanto Geezer e Iommi (Ward saiu do grupo em 1981 e estava tentando manter-se vivo) reclamavam que Dio tinha levado a sério demais a proposta de ser quase um “sócio” do grupo na nova formação e andava muito folgado e autoritário. Além de estar interferindo até mesmo nos negócios envolvendo o nome da banda.

E foi nesse clima “bonito” que veio Live evil, em dezembro de 1982. As interpretações de Dio deram uma cara diferente (e vá lá, mais teatral) às canções antigas do grupo e o repertório gravado nos discos Heaven and hell e Mob rules (1981) surgia também ali.

Na real, havia uma pequena, er, disputa sobre a primazia do repertório do grupo ao vivo, já que em 1980 havia saído um pirata oficial do grupo ao vivo com Ozzy no vocal, Live at last. E o próprio Ozzy havia revisto o repertório antigo do Sabbath em seu duplo ao vivo Speak of the devil, lançado um mês antes de Live evil – por exigência do próprio Ozzy e do selo Jet, que queriam o disco nas lojas antes do LP do Sabbath.

As histórias bizarras sobre a mixagem do disco foram contadas em bios como Black Sabbath, de Mick Wall. Dividido em duas duplas, o grupo aparecia em horários diferentes no estúdio para a mixagem. O que se comentava era que Dio e o baterista Vinnie Appice só apareciam por lá de noite, com Dio e Butler já fora. E mexiam em tudo.

A história foi contada a Iommi pelo técnico de gravação, e bate de frente com fatos comprovados, como os hábitos diurnos do vocalista (que, teoricamente, só apareceria no estúdio de madrugada). Seja como for, Iommi não gostou e já quis direto sacar o cantor do Sabbath. Só que jogou pra Geezer a responsabilidade de dizer a Dio que daquela forma não estava funcionando. O vocalista entendeu que estava fora da banda, saiu do grupo dizendo que Live evil era “uma merda” e acusando o grupo de ter feito acréscimos de estúdio no LP todo.

E aí que vale descobrir aquele que é o primeiro registro ao vivo oficial do Black Sabbath e um disco que fez a nova geração de fãs de som pesado descobrir a banda. Inclusive no Brasil, onde o álbum foi lançado com certo destaque. Para muitos dos novos fãs, não havia nem futuro para o Sabbath sem Dio, uma vez que a banda parecia ter descoberto o melhor substituto para Ozzy Osbourne.

E o mundo mudaria bastante no entorno do grupo: Ozzy viraria um dos maiores nomes do rock e Dio conseguiria finalmente criar uma banda para chamar de sua (o Dio, que conseguiu muito sucesso com Holy diver em 1983). Só o Black Sabbath é que demoraria bastante para se acertar: em 1983 pôs Ian Gillan no vocal e gravou Born again, disco bom, mas do qual o próprio Tony Iommi diz não gostar. Depois iniciou uma longa associação com o cantor Tony Martin. Mas isso é outra história.