Connect with us

Cultura Pop

Resolveram comemorar os 40 anos da Disco Demolition Night

Published

on

Não achamos que vale a pena comemorar isso, mas vamos lá: em 12 de julho, a Disco Demolition Night completou 40 anos.

Foi um dos eventos mais bizarros e escrotos da história da cultura pop, e uniu situações que mais parecem tiradas de um exercício de análise combinatória: a paixão pelo rock, o amor pelo beisebol (!) e o ódio à música disco – que começava a ficar em baixa naquele ano de 1979.

O fato é que, no fim de uma partida entre os Chicago White Sox e os Detroit Tigers, no estádio Comiskey Park, em Chicago, explodiram um caixote cheio de álbuns de disco music (!). Uma ideia que acabou ganhando (é a opinião de muita gente séria) contornos racistas e homofóbicos, dado o caráter libertário e diversificado da música disco. Vários desses álbuns explodidos foram doados pelo próprio público – que, se levasse LPs do estilo musical, ganharia desconto na entrada.

A novidade a respeito do assunto é que fizeram um compilado nunca visto de imagens do evento, incluindo o antes, o durante e o depois da história. Além de imagens e sons da turba berrando “disco sucks!” (espécie de grito de guerra do evento).

A Disco Demolition Night foi uma ideia dos White Sox, time que vinha fazendo uma campanha apagada naquele período, e que costumava criar “acontecimentos” durante as partidas para aumentar as vendas dos ingressos. E garantir que os fãs teriam alguma experiência além dos jogos. Em busca de um nome para ajudar, o time contratou um radialista e comediante chamado Steve Dahl para promover o tal rally anti-disco. É o cara da foto aí de baixo.

Resolveram comemorar os 40 anos da Disco Demolition Night

Dahl tinha razões pessoais para aderir à ideia: tinha sido demitido de uma emissora de rádio quando ela resolveu parar de tocar rock e focar só em sons dançantes. Recontratado por outra estação, Dahl e o parceiro Garry Meier passavam boa parte do tempo zoando impiedosamente os hits da disco. Dahl chegou a gravar uma paródia de Do ya think I’m sexy, de Rod Stewart, chamada Do ya think I’m disco.

A disco music tinha um papel libertador real – durante os anos 1970, colocou vários artistas negros e cantoras nas paradas, deu uma bela revitalizada na soul music, pôs novos contornos no que se conhecia como “música para dançar” (com canções que ultrapassavam os dez minutos e LPs de “som contínuo” que se tornavam verdadeiros módulos dançantes). E foi a música-tema de várias comunidades oprimidas ao redor do mundo: gays, latino-americanos, afrodescendentes, etc. O que alegadamente fazia uma turma enorme odiar (a ponto de mandar incinerar LPs de) disco music era que aquela magia do começo havia acabado, e que o estilo musical espalhava-se feito praga, com vários diluidores transformando tal sonoridade numa caricatura. E, claro, rolava uma dor de corno violenta dos fãs e DJs de rock.

O tal evento foi forte o suficiente para atrair cerca de 50 mil pessoas – entre torcedores e não-fãs de disco music. E a ponto de rolar uma invasão monstra de pagantes ao gramado do estádio na hora da tal incineração dos LPs. As pisadas dessa galera danificaram (muito) o gramado. Funcionários negros do estádio alegam terem sofrido racismo de alguns pagantes. Um deles afirmou que havia pessoas destruindo LPs de black music, não exatamente de disco, e que os trabalhadores negros eram brindados com piadas e sorrisinhos irônicos enquanto os álbuns eram quebrados.

Volta e meia aparece escrito por aí que a incineração de LPs no estádio ajudou a tirar a disco music das paradas. O estilo já vinha perdendo terreno. E estava (de fato) diluído a ponto de artistas totalmente alheios ao clima das boates terem feito crossovers com o gênero. Teve gente pra burro (inclusive jornalistas da Rolling Stone) que publicou em tempo real artigos apontando o evento como “limpeza étnica nas rádios”. Nile Rodgers, do Chic, resumiu da melhor maneira, comparando o evento com a queima de livros feita pelos nazistas.

Dahl, que hoje ainda trabalha como radialista (e podcaster), contou seu lado da história em 2016 num livro chamado Disco demolition: The night disco died. Negou que o evento fosse racista e anti-gay e alegou que a tal destruição de discos surgiu por causa da faceta eminentemente roqueira de Chicago, um lugar bem diferente de Londres e Nova York, onde basicamente (no testemunho dele) só havia fãs de rock. Admitiu que rolava ali também o lado pessoal, de ele ter sido demitido de uma rádio quando ela deixou de tocar rock (parte das argumentações de Dahl surgiram num artigo que ele fez para o Medium).

E para todo mundo esquecer dessa ideia imbecil de destruir LPs de disco music, pega aí um som do Chic.

Continue Reading

Cultura Pop

Relembrando: Built To Spill e Caustic Resin, “Built to spill caustic resin” (1995)

Published

on

Relembrando: "Built to spill caustic resin", Built To Spill e Caustic Resin

Built To Spill e Caustic Resin são duas bandas bem desafiadoras do rock independente norte-americano, ambas vindas de um local pouco usual em se tratando da história do rock (a cidade de Boise, em Idaho), e que permaneceram ligadas por um bom tempo. A primeira, uma multi-formação liderada eternamente pelo músico Doug Martsch, caminhou entre o guitar rock, o punk e o slacker rock (aquele estilo despojado, geralmente usado para classificar o Pavement). A segunda, contando com relativamente poucas mudanças de line-up, dedicou-se a um “metal alternativo” mais próximo de Neil Young, do Grateful Dead e do Velvet Underground do que das noções comuns de música pesada.

  • Apoie a gente e mantenha nosso trabalho (site, podcast e futuros projetos) funcionando diariamente.

Como costuma acontecer com bandas-irmãs, uma delas foi para cantos um tanto quanto diferentes da outra. O BTP, que, durante shows recentes na América Latina, chegou a contar com dois músicos brasileiros (o baixista João Casaes e o baterista Lê Almeida), foi contratado da grandalhona Warner por duas décadas e fez turnês extensas. O Caustic Resin, que não grava desde 2003 e em tese, está em hiato, passou boa parte do tempo contratado do selo indie californiano Alias.

Em 1995, pouco antes do Built To Spill partir rumo a Warner e deixar o selo Up Records, de Seattle (por onde o Caustic Resin também havia passado), as duas bandas se juntaram num EP igualmente lançado pela Up. A junção dos nomes das duas bandas no título fez o EP se chamar literalmente Built to spill caustic resin (“construído para derramar resina cáustica”, em português), o que já dava uma imagem do aspecto corrosivo que a música poderia ter. Na formação, Doug (voz e guitarra) ao lado de dois integrantes do Caustic, James Dillion (bateria) e Tom Romich (baixo), além de um membro comum às duas bandas (Brett Nelson, voz e guitarra).

O EP reúne em quatro faixas as características das duas bandas: os ganchos musicais do Built e as viagens sonoras pesadas do Caustic. Duas das faixas, a irônica When not being stupid is not enough e She’s real, são bem extensas. Na prática, boa parte do material tem até mais a ver com o som que o Built vinha fazendo em sua primeira fase, de discos como a estreia Ultimate alternative wavers (1993), que tinha músicas repletas de partes diferentes. Mesmo quando surge uma música creditada ao Caustic e que tem bastante a cara deles, a psicodélica e gritada Shit brown eyes. O longo power pop She’s real, que encerra o disquinho lembrando uma versão zoada do Weezer, é creditado ao músico e artista visual Tae Won Yu, e foi composto quando ele fazia parte da banda indie Kicking Giant, liderada pela musicista Rachel Carns.

Mesmo sendo um EPzinho independente e, de certa forma, restrito, Built to spill caustic resin teve lá sua cota de problemas. A foto da capa, trazendo ovos de peixe e duas simpáticas larvinhas, teve que ser mudada assim que o autor da imagem descobriu o disco. Já a história da Up Records, que lançou discos de artistas como Quasi, Tad e Modest Mouse, durou até o licenciamento de seu catálogo para a Sub Pop, em 2018.

Continue Reading

Cultura Pop

Relembrando: Interpol, “Turn on the bright lights” (2002)

Published

on

E os 20 anos de Turn On The Bright Lights, estreia do Interpol?

Mal dá para crer que a banda novaiorquina Interpol não chegou a ter problemas com a organização policial americana. Mais inacreditável ainda é a lembrança de que o grupo fazia shows concorridíssimos no começo da carreira, quando eram estudantes universitários, mas não tinha um nome. Ao optarem por Interpol, justamente no comecinho da web 2.0, Paul Banks (voz, guitarra, hoje baixista), Sam Fogarino (bateria), Daniel Kessler (guitarra solo, voz) e Carlos D (baixo) não escaparam de receber várias mensagens por engano, de gente que pensava mesmo estar falando com a polícia americana, e não com uma banda iniciante (há um tempinho, isso rolou de novo, e no Brasil).

“Recebi alguns e-mails sérios sobre pessoas que se perderam, que outras pessoas estavam tentando encontrar, ou e-mails sobre golpes em que as pessoas caíram”, contou Kessler ao Pitchfork em janeiro de 2003, poucos meses após lançarem a estreia Turn on the bright lights (de 20 de agosto de 2002). “Um dos e-mails foi ‘meu carro foi roubado’”, contou.

A estreia do Interpol devolvia ao cenário novaiorquino muitas das influências que bandas como Velvet Underground tiveram sob os grupos ingleses. Em pleno retorno da sonoridade do pós-punk, marcada pela chegada ao mercado americano de bandas como Strokes, o Interpol assemelhava-se a bandas como Joy Division, Echo and The Bunnymen e nomes mais recentes como Ride.

  • Apoie a gente e mantenha nosso trabalho (site, podcast e futuros projetos) funcionando diariamente.

Os vocais de Banks, mesmo sendo mais empostados, são até hoje bastante comparados aos de Ian Curtis, e no disco do Interpol havia Obstacle 1 e Obstacle 2 como havia Exercise one na obra do JD. A canção da banda inglesa era bem mais assustadora do que o pós-punk marcial e volumoso do Interpol, claro, mas a letra de Obstacle 1 é igualmente sombria (“você vai se esfaquear no pescoço/mas é diferente agora que estou pobre e envelhecendo/nunca mais verei esse lugar”).

Havia muito ali também de bandas geralmente pouco comentadas, como The Sound (o clima cavernoso dos vocais e das melodias era herdeiro direto deles). A paixão de alguns integrantes do Interpol por música eletrônica fazia com que Turn on the bright lights fosse um disco cheio de climas diferentes, e que funcionasse como um relógio. embora a estreia da banda fosse bastante orgânica, maturada pelo uso do estúdio como um instrumento musical,  durante seis semanas de isolamento.

Untitled surgia em tom de abertura de filme, preparando o ouvinte para músicas como Obstacle 1, NYC (uma balada shoegaze que mostra o lado sombrio da “cidade que nunca dorme” e que cita o título do disco), PDA (a canção mais ligada ao rock de Manchester já produzida por uma banda americana), Stella was a diver and she was always down (essa poderia estar no Heaven up here, segundo LP do Echo and The Bunnymen). Tudo em Turn on tinha um certo ar de desilusão com as luzes de Nova York, um sentimento que fazia todo sentido no pós-11 de setembro.

Há quem defenda que Turn on the bright lights acaba na nona faixa, a ágil e meio punk Roland, com letra sanguinolenta falando sobre um açougueiro polonês que seccionava pessoas – um personagem aparentemente de ficção, mas que dizem ter sido inspirado no assassino americano Richard Kuklinski, morto em 2006. Os próprios integrantes viam The new e Leif Erikson, as duas verdadeiras últimas músicas, como separadas do disco – a última, em particular, soa como um pop sessentista sombrio, herdado do Velvet Underground e de Nico, encerrado por uma parede de guitarra e voz.

A estreia do Interpol foi um excelente exercício, que gerou imediatamente um grande prosseguimento, Antics (2004), e um disco mais controverso e um tanto mais sombrio, Our love to admire (2007). E a história do Interpol continua, com a banda reduzida ao trio Paul Banks, Daniel Kessler e Sam Fogarino. Rolou inclusive uma vinda há algumas semanas ao Brasil.

Ah, sim: quando o disco completou 20 anos, a banda pôs no YouTube o vídeo de divulgação do álbum, lançado na época apenas como um EPK para a imprensa. Pode ser visto abaixo.

Continue Reading

Cultura Pop

No nosso podcast, o começo dos Stone Temple Pilots

Published

on

No nosso podcast, o começo dos Stone Temple Pilots

Não era nada fácil ser integrante dos Stone Temple Pilots nos anos 1990. Os discos vendiam e os shows lotavam, mas não havia muito respeito da crítica, e a cada disco parecia sempre que uma nova chance estava sendo dada ao grupo de Scott Weiland, Dean DeLeo, Robert DeLeo e Eric Kretz. Pior: de tempos em tempos, as turnês eram canceladas e a banda tinha que parar tudo, já que Scott volta e meia precisava encarar uma internação para reabilitação.

Hoje a gente dá uma volta no tempo e faz um sobrevoo no começo do STP. Falamos de tudo (ou quase tudo) que estava acontecendo na vida deles, e damos uma olhada por trás dos discos Core (1992), Purple (1994) e Tiny music: Songs from the Vatican gift shop (1996). E encerramos essa temporada do nosso podcast, o Pop Fantasma Documento, falando de uma das nossas bandas preferidas.

Século 21 no podcast: Billy Tibbals e A Última Gangue.

Estamos no Castbox, no Mixcloud, no Spotify, no Deezer e no Google Podcasts. 

Edição, roteiro, narração, pesquisa: Ricardo Schott. Identidade visual: Aline Haluch (foto: Divulgação). Trilha sonora: Leandro Souto Maior. Vinheta de abertura: Renato Vilarouca. Estamos aqui de quinze em quinze dias, às sextas! Apoie a gente em apoia.se/popfantasma.

Continue Reading
Advertisement

Trending