Um compromisso sério fez parte da vida do beach boy Brian Wilson por vários anos: ter projetos abortados ou discos simplesmente rejeitados pelas gravadoras. Smile, álbum dos Beach Boys que deveria ter saído em 1967, demorou décadas para chegar a público. Nos anos 1970, foram vários discos rejeitados em sequência. Entre eles o malucão Adult/Child, sobre o qual você já leu no POP FANTASMA, que foi considerado um desastre pelo selo Reprise, e engavetado.

Em 1988, seis anos após concordar em voltar a fazer terapia com o controverso doutor Eugene Landy, Wilson assinou contrato com o selo Sire. Em seguida, se preparou para fazer seu primeiro disco solo. Brian Wilson saiu em 12 de julho daquele ano, atualizava a veia pop e experimental do compositor e trazia Landy como compositor em várias músicas. Aliás, Landy colocou na ala de compositores até mesmo sua namorada, Alexandra Morgan.

Testemunhas afirmam que a gravação do disco foi bastante problemática e que Wilson era visto carregando um verdadeiro arsenal de remédios no estúdio. Embora se tratasse de um excelente retorno e de um dos álbuns daquele ano.

BAÚ DE BRIAN WILSON

Mas o fantasma dos projetos jogados numa gaveta voltou a assombrar Brian pouco depois disso. Aliás,  justamente numa época em que o selo Sire esperava ansiosamente por um segundo disco solo. Sweet insanity começou a ser gravado em 1990 (com aproveitamento de faixas gravadas entre 1986 e 1989) para lançamento em 1991.

Na época, Wilson não era mais paciente de Landy, mas os dois continuavam ligados, tanto que Landy produziu o disco com Brian. Só o que seria o segundo disco de Brian Wilson pela Sire acabou nunca saindo. O cantor reclamou que as fitas de Sweet insanity desapareceram e o álbum não saiu. Pelo menos não oficialmente, já que existem discos piratas com as canções.

E foi nesse disco que surgiu o insuspeito lado rapper (!) de Brian Wilson, graças a uma parceria pra lá de estranha entre ele e Landy, Smart girls. Olha aí o cantor seguindo a linha do “meu nome é fulano”, comum nos discos e shows dos primeiros MCs.

ABERRAÇÃO?

A música das garotas espertas é definida por este texto como “uma aberração estultificante. Um glorioso sonho febril onde o gênio que escreveu e compôs Good vibrations cospe os compassos mais bregas que você já ouviu em uma série de bum-bap de bateria e risos de pré-adolescentes”.

Não chegava a tanto, e ora bolas, era Brian Wilson abraçando o rap, o que já era novidade. Mas não era das coisas que um fã de discos como Pet sounds (1966) esperava escutar naquele momento. E talvez não fosse igualmente o tipo de rap que um fã do estilo colocaria no toca-discos.

Cabe aqui a lembrança básica: em 1991, rap era “tendência”. E mesmo que os Beastie Boys já houvessem unido o estilo ao rock em Licensed to ill (1985), o show business inteiro não parecia saber lidar com aquilo direito. Tanto que choviam debates do tipo “rap é música?”.

Aliás, volta e meia nomes do rock faziam crossovers super estranhos com rap que causavam arrepios nos fãs dos dois estilos. Foi aliás o caso do Guns N Roses com My world, faixa de encerramento do pacotão Use your illusion (1991). Isso, claro, bem antes do heavy metal começar a entrar em lua de mel com o estilo via nu-metal.

ANTI-MACHISMO

Existe uma outra versão segundo a qual Sweet insanity foi (adivinhe só) recusado pela Sire, que detestou o resultado. Ainda que o álbum trouxesse colaborações de Bob Dylan e até da estrela pop Paula Abdul. Wilson anos depois escreveu no livro de memórias Eu sou Brian Wilson que foi forçado por Landy a fazer o disco. E que o ex-psiquiatra sugeriu até o nome Sweet insanity, com a ideia de mostrar que os problemas de Wilson podiam ser positivos.

A canção, aliás, partiu de uma observação interessante de Brian Wilson sobre o rap. Ao assistir o Yo MTV raps! com Alexandra Morgan, achou que todas as músicas eram machistas e que deveria fazer um rap cuja letra exaltasse as mulheres. Pelo menos é o que está escrito na autobiografia Wouldn’t it be nice: My own story que tem fama de ter sido escrita totalmente por Landy. A canção ganhou produção de Matt Dike, produtor de rap que trabalhara com os Dust Brothers e sampleou vários clássicos de Wilson para a canção.

Smart girls não fez sucesso, não saiu comercialmente, mas Wilson chegou a promovê-la em alguns programas. Ainda que o próprio artista a encarasse de maneira bem despretensiosa e visse a canção como uma brincadeira com seu passado, a Sire não curtiu nem um pouco a ideia.

Anos depois a música foi incluída num disco pirata dos Beach Boys, Endless bummer, que compila só momentos alegadamente não-gloriosos da banda e de Wilson (e sobre o qual você leu aqui). Mas hoje dá pra dizer que o beach boy estava subvertendo dois estilos ao mesmo tempo: o rock e o próprio rap, adiantando-se numa discussão sobre feminismo nas rimas que levaria anos para acontecer. Certo ou não?