Connect with us

Destaque

Alan James: um papo sobre Todd Rundgren, Curt Boettcher, Dennis Wilson…

Published

on

Alan James: um papo sobre Todd Rundgren, Curt Boettcher, Dennis Wilson...

Todas as vezes em que encontrei com o músico, cantor e compositor carioca Alan James, sua adoração por Beach Boys e por nomes como Todd Rundgren tomaram boa parte da conversa. Fora a quantidade de bandas inusitadas, estranhas e psicodélicas que ele gosta. Quase todas as vezes que descubro um som das antigas que eu não conhecia (ou, quem sabe, alguma banda nova que segue os ditames dos anos 1960), de uma coisa posso ter certeza: ele já conhece e já sabe tudo a respeito da história dela.

Alan acaba de lançar seu primeiro disco solo, Despertar, por sinal. O disco vale várias ouvidas para quem é fã de nomes como Beatles, Beach Boys, Guilherme Arantes e o próprio Todd Rundgren. Você escuta o disco aí em cima. E abaixo, você confere seis músicas de artistas que influenciaram bastante o compositor na hora de fazer as canções do disco. Pedi pra Alan James falar um pouco de cada uma delas e ele veio com informações bem detalhadas sobre seis preciosidades do lado mais psicodélico e criativo do pop-rock. Confira aí.

TODD RUNDGREN-  “It takes two to tango”

“Dentre minhas influências como multiinstrumentista, Todd Rundgren se tornou uma delas. Há anos sou fã de seu disco de maior sucesso Something/Anything (1972), um álbum duplo com quatro partes diferentes em um único disco e no qual ele tocou tudo em 3/4 dele.

Advertisement

Esse é o disco que tem I saw the light, mas essa é disparada a minha favorita dele. Uma musica cheia de teclados (clavinete, órgão, etc) com harmonias vocais e arranjo maravilhosos, uma musica que nunca ouvi igual antes ou depois. Sua performance convincente na bateria (sendo que ele aprendeu a tocar pra gravar o disco) me inspirou a querer voltar a tocar bateria em estúdio depois de três anos pra gravar a bateria de Uma estrada melhor, uma das musicas do meu disco”.

EMITT RHODES – “Somebody made for me”

“Mais um multiinstrumentista e compositor fantástico que mudou a minha vida musical.

Emitt Rhodes é uma grande inspiração como músico, compositor e produtor que faz tudo sozinho.

Advertisement

Após o fim de sua banda The Merry Go Round, gravou três discos tocando tudo na garagem da casa de seus pais entre 1969 e 1973, sendo o primeiro de 1970 o seu melhor e o meu favorito.

Quando ouvi Somebody made for me com seus acordes fantásticos, harmonias vocais e um arranjo no qual Emitt brilha tocando tudo sozinho, de cara virei fã e passei a ouvir sua obra, porém esse é o meu disco de cabeceira”.

GUSTAVO TELLES E OS ESCOLHIDOS – “Do seu amor, primeiro é você quem precisa”

“Conheci o trabalho do Gustavo Telles graças ao Lucas Leão (dos Beach Combers), que me falou muito bem das suas musicas e influências.

Advertisement

Quando ouvi, fiquei de cara e virei fã. Suas musicas tem muita influência do country, de bandas como The Band, e passei a ouvir muito os seus dois discos (hoje ele já tem um terceiro).

Me inspirei bastante em suas musicas em especial quando fiz o arranjo e gravei Uma estrada melhor, canção que fiz pro meu disco Despertar“.

THE BALLROOM – “I’ll grow stronger”

“The Ballroom na minha humilde opinião são a maior joia escondida da psicodelia, o melhor exemplo do sucesso que não aconteceu.

Advertisement

Conheci esse quarteto por causa da figura central do grupo, seu mentor, compositor e produtor Curt Boettcher, um mago dos estúdios de LA dos anos 60 e 70 (foi dele a produção do grande hit Along comes mary, que levou o The Association ao primeiro lugar). Bruce Johnston (Beach Boys) chegou a me dizer em um papo que tivemos que o achava às vezes mais audacioso que Brian Wilson.

Ouvindo o Sagittarius (outro projeto de Curt), descobri sobre uma coletânea tripla chamada Magic time, que continha álbuns e demos de outro projetos de Curt, entre eles o álbum nunca lançado do Ballroom.

Lançaram um single que infelizmente não aconteceu, e esse álbum só foi sair nessa coletânea, um tesouro da psicologia que se tornou um disco de cabeceira, em especial essa musica onde o sunshine pop acontece em todo o seu esplendor com maravilhosos arranjos de base e vocais. Ouço sempre”.

CURT BOETTCHER – “I love you more each day”

Advertisement

“Anos depois de explorar seus projetos como artista, compositor e produtor (incluindo o álbum Begin da banda The Millennium que por anos foi o álbum mais caro bancado pela CBS em 1969, e um remake disco de Here comes the night pros Beach Boys em 79), finalmente passei a conhecer sua curtíssima carreira solo.

Foi ouvir essa faixa de abertura de seu primeiro (e único) álbum lançado em vida que fiquei de cara. Muitos violões, bateria pesada, inventivo arranjo de metais e cordas, e harmonias vocais que são a sua marca registrada.

Ouvi direto meses a fio, e já se tornou daqueles discos que vou ouvir a vida inteira.
Pra mim que já conhecia muito de sua obra, percebi que ele manteve a magia em suas produções dos anos 70.

Embora tenha assinado poucas musicas do disco, ainda assim é na minha opinião um trabalho essencial e que faz jus a obra desse talento, cuja melhor definição foi a de uma matéria do New York Times: aquele que poderia ter sido e nunca foi”.

Advertisement

DENNIS WILSON – “Friday night”

“Por último e não menos importante, o meu artista favorito de todos os tempos, que fez o disco da minha vida.

Dennis Wilson era o baterista dos Beach Boys, o rebelde da banda que representava fielmente a imagem do que banda cantava.

Quando começou a compor e lançar suas musicas nos discos a partir de 68, foi forjando uma identidade própria e a parte da banda, a ponto de ter sido o primeiro a lançar um single solo em 1970, e acabou sendo também o primeiro a lançar um álbum solo, nesse caso o maravilhoso Pacific Ocean blue de 1977.

Trata-se de um disco único (nunca ouvi nada parecido ou igual antes ou depois), com arranjos surpreendentes, canções bem peculiares que em nada lembram os Beach Boys, e uma emoção enorme em estado puro que causa um profundo impacto em quem gosta do disco.

Advertisement

Gosto do álbum inteiro, mas essa sem duvida é a minha favorita. Musica totalmente dark e sombria, cuja introdução – cheia de pianos, teclados e guitarras fantasmagóricas – dá o clima que vem a seguir, um rock com ritmo lento no qual Dennis canta sobre cenários da noite: o que ele vê acontecer, revive lembranças e revela pensamentos.

Uma obra prima”.

(crédito da foto: Jardel Muniz/Divulgação).

Advertisement

Destaque

Dan Spitz: metaleiro relojoeiro

Published

on

Se você acompanha apenas superficialmente a carreira da banda de thrash metal Anthrax e sentia falta do guitarrista Dan Spitz, um dos fundadores, ele vai bem. O músico largou a banda em 1995, pouco antes do sétimo disco da banda, Stomp 442, lançado naquele ano. Voltaria depois, entre 2005 e 2007, mas entre as idas e as vindas, o guitarrista arrumou uma tarefa bem distante da música para fazer: ele se tornou relojoeiro (!).

A vida de Dan mudou bastante depois que o músico teve filhos em 1995, e começou a se questionar se queria mesmo aquela vida na estrada. “Fazíamos um álbum e fazíamos turnês por anos seguidos, e então começávamos o ciclo de novo – o tempo em casa não existia. É uma história que você vê em toda parte: tudo virou algo mundano e mais parecido com um trabalho. Eu precisava de uma pausa”, contou Spitz ao site Hodinkee.

>>> Veja também no POP FANTASMA: Rockpop: rock (do metal ao punk) na TV alemã

Na época, lembrou-se da infância, quando ficava sentado com seu avô, relojoeiro, desmontando relógios Patek Philippe, daqueles cheios de pecinhas, molas e motores. “Minha habilidade mecânica vem de minha formação não tradicional. Meu quarto parecia uma pequena estação da NASA crescendo – toneladas de coisas. Eu estava sempre construindo e desmontando coisas durante toda a minha vida. Eu sou um solucionador de problemas no que diz respeito a coisas mecânicas e eletrônicas”, recordou no tal papo.

Spitz acabou no Programa de Treinamento e Educação de Relojoeiros da Suíça, o WOSTEP, onde basicamente passou a não fazer mais nada a não ser mexer em relógios horrivelmente difíceis o dia inteiro, aprender novas técnicas e tentar alcançar os alunos mais rápidos e mais ágeis da instituição.

Advertisement
>>> Veja também no POP FANTASMA: Discos de 1991 #9: “Metallica”, Metallica

A música ainda estava no horizonte. Tanto que, trabalhando como relojoeiro em Genebra, pensou em largar tudo ao receber um telefonema do amigo Dave Mustaine (Megadeth) dizendo para ele esquecer aquela história e voltar para a música. Olhou para o lado e viu seu colega de bancada trabalhando num relógio super complexo e ouvindo Slayer.

O músico acha que existe uma correlação entre música e relojoaria. “Aprender a tocar uma guitarra de heavy metal é uma habilidade sem fim. É doloroso aprender. É isso que é legal. O mesmo para a relojoaria – é uma habilidade interminável de aprender”, conta ele. “Você tem que ser um artista para ser o melhor – seja na relojoaria ou na música. Você precisa fazer isso por amor”.

>>> POP FANTASMA PRA OUVIR: Mixtape Pop Fantasma e Pop Fantasma Documento
>>> Saiba como apoiar o POP FANTASMA aqui. O site é independente e financiado pelos leitores, e dá acesso gratuito a todos os textos e podcasts. Você define a quantia, mas sugerimos R$ 10 por mês.

Continue Reading

Cinema

Bead game: desenho animado sobre agressividade

Published

on

Bead game: desenho animado sobre agressividade

Em 1977, o diretor de cinema Ishu Patel fez o curta-metragem de animação Bead game, que foi relançado recentemente pelo National Film Board of Canada.

Para mostrar como a agressividade pode chegar a níveis inimagináveis, ele criou uma animação que usa apenas contas coloridas, que ganham a forma de vários objetos, animais, pessoas e monstros – um lado sempre tentando derrotar o outro. E quando você nem imagina que a briga pode ficar maior ainda, ela fica.

Via Laughing Squid

Advertisement
>>> POP FANTASMA PRA OUVIR: Mixtape Pop Fantasma e Pop Fantasma Documento
>>> Saiba como apoiar o POP FANTASMA aqui. O site é independente e financiado pelos leitores, e dá acesso gratuito a todos os textos e podcasts. Você define a quantia, mas sugerimos R$ 10 por mês.

Continue Reading

Cultura Pop

Bad Radio: no YouTube, a banda que Eddie Vedder teve antes do Pearl Jam

Published

on

Bad Radio: no YouTube, a banda que Eddie Vedder teve antes do Pearl Jam

Em 1986, surgiu uma banda de rock chamada Bad Radio, em San Diego, Califórnia. Foi um grupo que fez vários shows, ganhou fãs e se notabilizou como uma boa banda de palco da região. Mas que se notabilizou mais ainda por ter tido ninguém menos que o futuro cantor do Pearl Jam, Eddie Vedder, nos vocais.

Eddie Vedder, que é lá mesmo de San Diego, aportou por lá em 1988 e ficou até 1990. Conseguiu fazer uma mudança geral no grupo, que tinha uma sonoridade bem mais new wave com a formação anterior, com Keith Wood nos vocais, Dave George na guitarra, Dave Silva no baixo e Joey Ponchetti na bateria. Wood saiu do grupo e com Vedder, a banda passou a ter uma cara bem mais funk metal, e mais adequada aos anos 1990.

>>> Veja também no POP FANTASMA: Discos de 1991 #5: “Ten”, Pearl Jam

E essa introdução é só para avisar que jogaram no YouTube a última apresentação do Bad Radio com Vedder nos vocais. Rolou no dia 11 de fevereiro de 1990, pouco antes de Eddie se mandar para Seattle e virar o cantor de uma banda chamada Mookie Blaylock – que depois virou Pearl Jam. A gravação inclui as faixas What the funk, Answer, Crossroads, Just a book, Money, Homeless, Believe you me, What e Wast my days. O show foi dado no Bacchanal, em San Diego.

Advertisement

Com a saída de Vedder, o Bad Radio ainda continuou um pouco com o próprio Keith Wood, de volta, nos vocais. Segundo uma matéria publicada pela Rolling Stone (e que tem detalhes contestados pelos ex-integrantes do Bad Radio), Vedder não foi apenas cantor da banda: ele virou assessor de imprensa, empresário, produtor e o que mais aparecesse. A lgumas testemunhas dizem que a banda não era favorável ao lado ativista de Eddie (que costumava dedicar músicas e shows aos sem-teto), o que ex-integrantes do Bad Radio negam (tem mais sobre isso aqui).

>>> POP FANTASMA PRA OUVIR: Mixtape Pop Fantasma e Pop Fantasma Documento
>>> Saiba como apoiar o POP FANTASMA aqui. O site é independente e financiado pelos leitores, e dá acesso gratuito a todos os textos e podcasts. Você define a quantia, mas sugerimos R$ 10 por mês.

Continue Reading
Advertisement

Trending