Dedicado à descoberta de novos sons, o site Hominis Canidae já tinha há vários anos a ideia de lançar um selo. Mas o projeto era sempre adiado. Dessa vez, o blog decidiu levar adiante a ideia. Só que a gravadora pretende mesmo é mexer na memória da música independente brasileira.

A Hominis Canidae Rec vem desde julho resgatando discos de bandas como os paraibanos do Ubella Preta (o split gravado ao lado do grupo Jaguaribe Carne e o CD Água de Jamaica, de 2010), os alagoanos do Morra Tentando (Freestyle is our gift, de 2012), os baianos dos Antiporcos (Seguimos no front, de 2017) e vários outros.

“ÁGUA DE JAMAICA” – UBELLA PRETA

“SEGUIMOS NO FRONT” – ANTIPORCOS

“FREESTYLE IS OUR GIFT” – MORRA TENTANDO

A HCRec havia começado o trabalho lançando bootlegs digitais das gravações de shows da edição 2019 do Mar.The Festival, realizado no Piauí. Todo o material está disponível tanto no Bandcamp da gravadora quanto nas outras plataformas. Aliás, para saber o que está rolando, é só dar uma olhadinha no blog do selo.

“Com os bootlegs, resolvemos tocar essa ideia de resgastar sons lançados antigamente e que não foram pros streamings. Em seguida, entram a Ubella Preta, o ZURDO do Rio Grande do Norte e outros que já soltamos no site do selo. Como as pernambucanas Bizouro Verde e a Retrovisores. O selo tinha uma pegada de ser em vinil. Mas com o momento atual de dólar a 5 reais, é impossivel”, conta Diego Pessoa, do Hominis.

“ZURDO” – ZURDO

O “antigamente” de Diego e do selo inclui discos lançados há quase duas décadas, ou coisas de 2005, 2010. Enfim, períodos em que formatos como o CD-R e os serviços de áudio do MySpace e da Trama (lembra?) eram padrões. E por consequência, nem se falava em masters, ainda mais no caso de arquivos que, muitas vezes, eram gravados direto no computador.

“O que está indo para as plataformas são exatamente os áudios originais. Sem masterizar nada. Cinco áudios vieram do rip do CD, uma da master com o artista e dois do Bandcamp. Tem uns quatro ou cinco lançamentos na frente agora que são tirados do Bandcamp”, conta Diego. “Principalmente os sons de Recife, de onde eu sou, são todos de mais de dez anos praticamente. Esses aí estão saindo do CD mesmo, ripados. Ninguém tem nem foto mais direito, que dirá master”, brinca.

Conheça o Bandcamp da gravadora, com todos os lançamentos, aqui.

VEJA TAMBÉM NO POP FANTASMA:
– Já ouviu falar da Parayba Records?