O vídeo abaixo traz Marília Gabriela entrevistando Chico Science e provavelmente foi ao ar em 1995, já que Chico fala sobre a gravação de “Afrociberdelia”, segundo disco dele com a Nação Zumbi (1996) e avisa que o álbum estaria nas lojas “no ano que vem”. Não era a primeira aparição dele em TV, mas o próprio Chico esclarece a Marília que estava “nervoso” por ser sua “primeira entrevista na televisão” – enfim, a primeira vez em que, sem a banda, falava tão detalhadamente sobre seu trabalho. Material importantíssimo e histórico.

Chico falou bastante sobre as motivações de seu trabalho, deu conselhos para bandas novas (“se você tem uma ideia, vá em frente, jogue-se nisso aí”), explicou o significado do codinome Chico Science, contou sobre a importância do livro “Homens e caranguejos” de Josué de Castro, para o mangue-bit (“confesso que eu não conhecia Josué quando montamos o movimento”) e explicou sobre o seu desejo de que o mangue não fosse apenas uma onda, que tivesse “ramificações”.

A entrevista anunciava um show que Chico & Nação fariam no saudoso Ballroom, no Humaitá, Rio. Depois do papo, enquanto o grupo tocava o futuro hit “Manguetown”, rolou um desfile de modelos com visual meio tropical-meio agreste. Esse papo, aliás, foi ao ar num programa de duração curtíssima que Marília teve na CNT/Gazeta, “Marília Gabi Gabriela”,e que durou dois anos, de 1995 a 1996. E que na época teria irritado bastante a Band, com quem Gabi tinha contrato: a CNT, ao contratar Gabi, teria prometido quitar um apartamento da apresentadora, além de cifras de aproximadamente R$ 2 milhões.

Olha a abertura do programa aí. Bandas como Raimundos e Planet Hemp, em começo de carreira, passaram também pelo palco de Marília no CNT, só não achei vídeos disso no YouTube (pauta roubada do nosso amigo Lismar Santos de Oliveira).