Se você ainda não foi, vá. Nirvana: Taking punk to the masses deixa o Museu Histórico Nacional, no Rio de Janeiro, nesta terça (22). É a chance de conhecer não apenas a história do Nirvana, como várias histórias do grunge e da música produzida em Seattle após os anos 1980. Tudo com o maior carinho: a memorabília de Kurt e das bandas locais que está na exposição chega a emocionar. Tem desde discos das coleções de Kurt Cobain e Krist Novoselic, até a máquina na qual o cantor do Nirvana gravou sua primeira demo (um gravadorzão da Teac que pertencia à sua tia). E antigas camisetas usadas em shows.

Dez bandas pouco citadas do Noroeste Pacífico dos EUA

Pra quem ama descobrir sons novos ou redescobrir coisas que passaram batidas, tem isso aí. O músico Steve Fisk, que produziu bandas como The Afghan Whigs, Seaweed, The Screaming Trees e o próprio Nirvana, preparou, a pedido da chefia da exposição, um mapa do rock do Noroeste Pacífico dos EUA. É a região na qual está inserida a cena de Seattle. E cujas peculiaridades dão o tom do cenário musical.

Fiz uma listinha de dez bandas pouco lembradas da região. Confira aí. E claro 1) faltou banda; 2) você tem que ir na exposição enquanto ela ainda está lá, aproveite.

NEW BAD THINGS. Grupo da cena de Portland, que existiu durante os anos 1990 e depois mudou o nome para No Bad Things. Foi tocada no programa de John Peel na BBC, com o quase-hit I suck, mas não chegou a ser um grande sucesso. Gravou discos apenas por selos locais.

SEPTIC DEATH. Hardcore de Boise, Idaho. Os integrantes dessa banda depois foram se bandeando para cenas como as de punk e metal extremo. O Septic Death existiu de 1981 a 1986, gravaram apenas dois álbuns (e vários EPs) e passaram por uma encrenca daquelas logo no primeiro show, dado numa pizzaria. O grupo causou tanto horror na plateia que foi varrido do palco após seis canções.

MALFUNKSHUN. A grande “banda perdida” de Seattle, fundada em 1980 pelos irmãos Andrew e Kevin Wood (Andrew é aquele cara que depois montou o Mother Love Bone, morreu de overdose e acabou inspirando a criação do Temple Of The Dog). Entre idas e vindas, a banda ainda existe, tocada adiante por Kevin, mas seu único material gravado é Return to Olympus, CD de demos lançado em 1995.

MONO MAN. Vindos de Bellingham, podem ser considerados quase pós-proto-punks, com influências de bandas de garagem e de grupos como The Sonics. Em 2013, de volta após um tempo de hiato, tocaram até no festival Porão do Rock, em Brasília. A paixão da banda por sons antigos é tão grande que um de seus discos, de 1992, se chama Back to mono.

DEAD MOON. Banda veterana da cena indie de Portland, está completando 30 anos em 2017 e voltou em 2014 após passar alguns anos parada. Os dois líderes são mais “veteranos” que a própria banda: Fred Cole (vocal, guitarra) e Toody Cole (baixo), casados há quase cinco décadas, são fãs de rock desde os anos 1960 e Fred é músico desde os 14 – uma de suas primeiras bandas, The Weeds, formou-se em 1966 e está na coletânea de bandas de garagem Nuggets, lançada em 1972. Mais: o grupo constrói seus próprios instrumentos, se empresaria, vende seu próprio material e grava e masteriza seus próprios discos.

GREEN APPLE QUICKSTEP. Vindos de Tacoma, acabaram sendo outra banda da região a ser contratada por multinacional. Foram parar na Reprise – a mesma que levou o Mudhoney a peso de ouro – e gravaram dois discos por lá. São Wonderful virus (1993, produzido por Daniel Rey) e Reloaded (1995, por Stone Gossard, do Pearl Jam, e Nick DiDia). Depois foram para a Columbia e soltaram por lá New disaster. Acabaram em 1998 mas retornaram em 2009.

IMIJ. Joia perdida do Noroeste Pacífico dos EUA. Uma banda de Seattle costumeiramente chamada de “afropunk”, por misturar funk e soul com barulhos grunge. O nome é Jimi, de Jimi Hendrix, ao contrário. A vocalista Shannon F hoje vive em Nova York, é DJ além de musicista e mantém uma página do grupo no Facebook. Achar material da banda para escutar é tarefa ingrata. Há dez anos, um fã publicou fotos raras de um show deles em junho de 1992.

HEAVENS TO BETSY. Banda não muito conhecida do movimento riot grrrl, vinda da região de Olympia. Foi a primeira banda da vocalista do Sleater-Kinney, Corin Tucker, e fez poucos lançamentos: um CD, uma demo em cassette e três singles. O nome do grupo vem de uma expressão norte-americana usada no século 19, que era algo como um “graças a Deus!” bem das antigas.

THE U-MEN. Grupo veteraníssimo de Seattle. Foi formado em 1981 e tido como influência em tudo o que veio depois na região. O primeiro e único LP deles é de 1988, Step on a bug. Duraram até 1989.

HEATMISER. A banda de ninguém menos que Elliott Smith – aquele mesmo. Vieram de Portland e eram quase pós-grunge: surgiram em 1991 e lançaram o primeiro disco em 1993, Dead air, pela Frontier Records. O resultado foi comparado pela Trouser Press a bandas como Fugazi e Helmet. Duraram três discos, e no terceiro álbum, Mic city sons (1996), Elliott já estava em carreira solo.