Encenada em Paris pela primeira vez em 1875, a ópera Carmen, do francês Georges Bizet, deu em altas polêmicas. A história de uma garota cigana que era disputada por dois sujeitos (um soldado e um matador) levava a realidade e a vida proletária para os maiores palcos da França, fugindo das tradições operísticas. Bom, isso quem diz é a Wikipedia, já que não sacamos muito desse tipo de assunto.

Por que será que o Nirvana resolveu tocar em alguns shows um trecho da ópera Carmen?

Agora o que interessa é: por que será que o Nirvana andou apresentando em alguns shows – inclusive no Brasil – uma versão amalucada do tema de abertura de Carmen?

Bom, L’amour est un oiseau rebelle (em português, O amor é um pássaro rebelde), ou simplesmente Habanera, era a intro da ópera, a música que apresentava a personagem principal. Olha ela aí na voz de Kurt Cobain em 19 de outubro de 1991, num show do Nirvana em Dallas.

E na abertura do show que a banda deu no Hollywood Rock no Rio, numa jam que inclui School. Foi em 23 de janeiro de 1993.

Outra vez em 1991, durante um show da banda no Queen Margaret Union, em Glasgow, em 30 de novembro daquele ano.

O livro Nirvana – A tour diary, do jornalista Andy Bollen, conta que há uma história paralela rolando a respeito dessa tal mania do Nirvana com a música de Carmen. Kurt Cobain teria se inspirado nos esquetes do humorista britânico Les Dawson, que costumava aparecer em programas de TV assassinando temas clássicos ao piano, sempre tocando notas erradas. Les era um excelente pianista, mas vivia fazendo piada com isso.

Olha ele aí destruindo teclados e, no final, arrasando com Feelings, do coisa-nossa Morris Albert.

Via Dangerous Minds