Com o coisa-ruim não se brinca, já diz o ditado. Aparentemente, Henry Rollins, quando foi vocalista do Black Flag, e seu amigo Joe Cole, que foi roadie da banda, não estavam nem aí. Quando o Black Flag abriu um show para o Venom em Trenton, Nova Jersey, em 2 de abril de 1986, os dois aproveitaram para zoar bastante (pelas costas…) o conceito satânico da banda. Fizeram bullying com Cronos, Mantas e Abbadon (o trio do Venom) para o público, para outros integrantes da equipe, nos camarins, etc.

Aliás, ainda teve coisa mais complexa. Cole tinha conseguido uma gravação boa do show do Venom e decidiu produzir um disco pirata do show dos colegas. Só que não era um bootleg normal. Cole separou apenas as besteiras que o baixista e vocalista Cronos falava entre uma música e outra, além de algumas introduções de músicas. Inclusive, esse disquinho foi lançado em compacto simples em 1991, ganhou o nome de Venom Live! e saiu por um selinho comandado por ninguém menos que Thurston Moore (Sonic Youth) o Ectastic Peace!. O compactinho saiu com 300 cópias.

Aliás, essa gravação fez tanto sucesso (em termos…) que os Beastie Boys deram uma sampleada nela para Mark on the bus, do disco Check your head (1992).

>>> Veja também no POP FANTASMA: O Natal de King Diamond e Venom

Joe, muita gente se lembra, morreu durante um assalto à mão armada em 18 de dezembro de 1991. Rollins, amicíssimo dele, escreveu músicas e textos em sua homenagem. O Sonic Youth escreveu JC e 100% para ele. Aliás, colocou uma foto sua no encarte do disco Dirty (1992).

O assassinato nunca foi solucionado pela polícia. Rollins havia sido agredido pelos assaltantes junto com Cole. Mas escapou de coisa pior justamente porque havia conseguido fugir da cena para chamar a polícia. Só que quando os policiais chegaram, segundo o músico, ainda houve uma estranha preocupação em saber se os dois amigos estavam consumindo drogas. “Não, idiotas, eles mataram meu amigo”, afirmou o cantor.

Em 1997, Rollins reuniu trechos do diário de Cole escrito justamente nessa turnê e publicou com o nome de Planet Joe. Não apenas é um relato da tour, como também é uma descrição das cenas mais estapafúrdias do giro. “O show desta noite com o Venom foi como o Spinal Tap de verdade. Eles tocam ‘black metal’. Estrelas do rock satânicas! Eles agiram como se estivessem tocando no Madison Square Garden”, escreveu.

>>> Veja também no POP FANTASMA: Tem isso: unblack metal, o black metal de Cristo

“O mais Spinal Tap de todos, porém, foi o cantor e baixista, Cronos. Ele disse à multidão que eles eram selvagens. ‘Aaaaaahhhh, aaaaaaahhhh!!! Vocês são selvagens! Você quer ouvir algo que vai chutar suas bolas?'”, zoou. Num dado momento, Cole e Rollins desenharam pentagramas e o número 666 nas palmas das mãos e mostraram para os colegas.

Já no livro Get in the van, Henry Rollins é mais prático em relação a detalhes técnicos. Reclamou que a banda usava o PA do Black Flag e se atrasava para shows (chegaram a perder um voo). Também disse que “Kronos” (sic) mostrava a língua e arrumava o cabelo toda hora, e que Venom era uma banda ruim.

>>> Veja também no POP FANTASMA: As dez regras de Henry Rollins para atingir o sucesso

“Venom é uma merda. Eles são tão cheios de merda. Uma piada de mau gosto. Eles não suam e provavelmente nem fodem”, xingou. Num dos shows, Rolling chegou a soltar um “me deem um ‘s’, me deem um ‘A'”, até formar a palavra “satã”, além de fazer raps sacaneando a banda. Mas aparentemente não houve nenhuma briga entre os dois grupos nos bastidores. “Todos os gerentes e roadies do Venom estavam lá e nós estávamos olhando para eles, rindo e fazendo rap do Spinal Tap / Venom. Eles ficaram muito chateados, mas não disseram nada”, disse Rollins.

 

DEIXE UMA RESPOSTA