Os Trapalhões eram, antes de qualquer outra coisa, um produto da cultura pop brasileira – e que abusavam de informações vindas da cultura pop do mundo todo.

Dava pra ver isso em cada programa apresentado pelo quarteto, já que volta e meia Didi, Dedé, Mussum e Zacarias apareciam vestidos de super-heróis, ou interpretando uma academia de polícia avacalhada (a Suate), ou contracenando com cantores que apareciam por lá para lançar seus hits. Ou mesmo em pequenos detalhes como o paredão de LPs daquele quadro em que Renato Aragão aparecia numa loja de discos.

E com a morte de Little Richard, o vocalista e guitarrista dos Autoramas, Gabriel Thomaz, reparou numa discreta referência ao pai do rock que surge num dos vídeos mais populares do quarteto no YouTube: aquele do “Mussum armando uma pindureta”, que você já deve ter assistido mais de mil vezes.

Se você nunca viu ou quer ver de novo, olha aí: Mussum e Tião Macalé, atendidos por Didi Mocó, num boteco, em meio a um cervejal de proporções bíblicas (pera, servem cerveja no Livro Sagrado?).

Mussum abre o papo cantando Lá no morro, sucesso do grupo Fundo de Quintal, enquanto Tião avisa que vai cantar uma música “importada”. E a música é nada menos que Jenny Jenny, parceria de Little Richard e Enotris Johnson lançada em 1957 no primeiro disco do cantor, Here’s Little Richard. Tião chega a imitar Little Richard tocando piano e os dois soltam uns “oh, yes” no fim da música.

Tá aí o hit de Little Richard.

Veja também no POP FANTASMA:
– O mundo realista dos Trapalhões
– Tem documentário sobre Mussum vindo aí
– Quando o produtor da Gretchen cuidava dos LPs dos Trapalhões
– Trapalhões: letras traduzidas com Didi Mocó