"The world won't listen", dos Smiths, faz 30 anos - descubra!Duas coisas vieram à cabeça de muitos fãs de música quando os primeiros CDs chegaram ao mercado nos anos 1980: 1) “Oba, CD não arranha e dá pra tratar mal que não estraga”; 2) “Legal, ele tem até 75 minutos de música e cabem dois LPs ali dentro”. Isso porque uma coisa, com certeza, passou pela cabeça de quem, em 1987, foi uma loja aqui no Brasil comprar o LP “The world won’t listen”, coletânea de singles dos Smiths lançada há exatos 30 anos: “Que som de merda!”. O disco espremia quase uma hora de música num só vinil, o que em se tratando das prensagens meia-boca feitas por aqui na época, ganhava efeitos catastróficos.

“The world…” coletava singles do grupo de Manchester lançados entre 1985 e 1987. Fez um baita sucesso lá fora – nas paradas britânicas, chegou logo em segundo lugar. Nem era das coisas mais originais que poderiam sair dos Smiths naquele momento, visto que “Hatful of hollow”, coletânea de raridades publicada em 1984, era bem mais generosa em investir em músicas raras, e “The world…” (que só tinha uma inédita, “You just haven’t earned it yet, baby”) ainda trazia uma música que saíra em LP, “There is a light that never goes out” (do “The Queen is dead”, de 1986).

A situação dos Smiths estava crítica na época: brigas internas, subsituições de músicos (já que o baixista Andy Rourke tinha sido sacado da banda pelo uso de heroína), o guitarrista Johnny Marr viciadíssimo em cocaína e recuperando-se de um acidente de automóvel. E a banda brigando com o selo Rough Trade. Não era das coisas mais fáceis do mundo trabalhar com o grupo, que trocara de empresário – Ken Friedman, que cuidava também da carreira do UB40, foi o escolhido. Bom, “escolhido” muito entre aspas, já que o próprio admitiu em entrevista à biografia “A light that never goes out”, de Tony Fletcher (saiu aqui pela Record), que os problemas de comunicação com a banda o fizeram nem estar seguro de ocupar o cargo – numa reunião na casa de Morrissey, chegou a ouvir um “acho que você é nosso empresário” de Johnny Marr.

Quando “The world…” saiu, a banda já estava com os dois pés na EMI, por onde nem lançaria discos. A situação era horrorosa: os Smiths vendiam bem, tinham prestígio e credibilidade, um monte de gente querendo ganhar dinheiro às custas deles e uma maneira caótica e arrogante de administrar o sucesso – e permaneciam num status alternativo, em termos de influência no mercado.. O grupo considerava que toda a administração à sua volta estava sendo ineficiente. Daí o nome da coletânea, vindo da frustração de Morrissey por achar que as rádios comerciais e os marketeiros não davam ouvidos os Smiths. Seja como for, vendeu bem e deixou a EMI crescendo o olho para cima do quarteto.

"The world won't listen", dos Smiths, faz 30 anos - descubra!
O selo do LP nacional, lançado aqui pela WEA: prensagem “naquela base”

Para fãs completistas dos Smiths, aliás, 1987 foi um ano movimentado. Um mês depois de “The world…”, o grupo lançaria outra coletânea de olho no mercado americano, “Louder than bombs”, que unia material já lançado nas duas compilações anteriores, como um substituro exclusivo para elas nos EUA, já que os dois discos eram inéditos por lá. Em setembro, o grupo poria uma pedra na sua carreira e na relação com a Rough Trade com o último disco, “Strangeways, here we come” (cujo título, piada mortal com a gravadora, era uma brincadeira com a prisão de Strangeways, em Manchester).

Pouco antes de “The world…” sair, Friedman tinha tanta dificuldade de comunicação com os Smiths que não conseguia nem fazer com que eles pagassem suas contas – ele lembra que chegava em Johnny Marr, conseguia fazer com que ele assinasse alguma coisa, e ao olhar para o lado, Morrissey tinha sumido. Sem muito a fazer além de explorar a área de shows, o empresário queria que eles assinassem com uma empresa chamada Wasted Talent, que conseguia espaços nos maiores festivais europeus. Tanto quis que conseguiu, mas os Smiths fizeram apenas um show pela empresa – e foi uma aparição no dia 7 de fevereiro de 1987, em playback, no festival de San Remo, na Itália, que alguém subiu pro YouTube.

Olha aí a apresentação na íntegra, com direito a um ping-pong com Morrissey, respondido com certa dose de ironia. “Eles não deveriam ter ido a San Remo, não foi bacana. Por ser americano, eu não sabia como aquilo era ruim. Era uma coisa muito popular. Os Smiths eram o grupo menos provável de ir até lá”, chegou a contar Friedman.

Ficou com vontade de ouvir o disco? Pega aí.