No fim dos anos 1980 Sinéad O’Connor, hoje vivendo uma série de problemas e precisando bastante de ajuda, era o hype da vez. Motivos não faltavam: tinha um clipe (Mandinka) que se recusava a sair da telinha – tanto lá fora, no MTV 120 Minutes, quanto aqui no Brasil nos poucos programas de clipes da TV brasileira -, um grande disco de estreia (The lion and the cobra, de 1987) e uma banda que incluía nomões do punk e do pós-punk como John Reynolds (seu primeiro marido e ex-baterista do ex-PiL Jah Wobble) e Marco Pirroni (que tocou com Sid Vicious e mais uma porrada de gente no Flowers Of Romance e na primeiríssima formação de Siouxsie & The Banshees). E, mais que tudo, a voz e o talento de compositora de Sinéad, autora de quase todo o material do álbum.

Tem pouca coisa no YouTube para lembrar dessa época. Uma delas é a gravação do show da cantora na edição 1988 do festival PinkPop, nos Países Baixos. Numa edição na qual se apresentaram também Joe Cocker, The Pogues, Aswad e os Red Hot Chili Peppers -em vias de lançar Mother’s milk e começar a trilhar o caminho para virar banda enorme – ela apresentou material do primeiro disco, a cover de The hand that rocks the cradle (Smiths), um lado B (The value of ignorance) e uma música que só apareceria no segundo disco, I do not want what I haven’t got, de 1990, Jump in the river. O único galho é que abaixo você só encontra o áudio do show (que rolou em 23 de maio daquele ano).

No YouTube tem, separados, dois vídeos do show.

Jump in the river

Troy