Connect with us

Cinema

Richard Peterson: jogaram no YouTube o documentário sobre o músico de rua de Seattle

Published

on

Richard Peterson: jogaram no YouTube o documentário sobre o músico de rua de Seattle

Jogaram no YouTube, infelizmente sem legendas, Big city dick: Richard Peterson’s first movie. Produzido e dirigido em 2004 por Scott Milam, Ken Harder e Todd Pottinger, o documentário conta a história de uma das figuras mais populares e excêntricas da música de Seattle: o trompetista das ruas da cidade, Richard Peterson.

Richard Peterson, desde meados dos anos 1970, circulava por Seattle tocando trompete. Gerações e gerações de moradores da cidade cresceram vendo Peterson pelas ruas, sempre tocando clássicos de artistas como Burt Bacharach, Olivia Newton-John, Barry Manilow e Johnny Mathis, além de seu material autoral. A história dele não foi fácil. Peterson foi considerado um adolescente “não educável” pelo ensino público da cidade e passou a ter educação especial desde essa época. É filho de um músico, que o renegou, e foi criado apenas por sua mãe.

Peterson, não custa citar, está bem longe de ser uma nulidade como músico. Suas habilidades ao piano e aos metais costumam ser elogiadas, e ele já gravou discos em que toca todos os instrumentos. Entre as obsessões dele, está tudo relativo a trilhas sonoras de programas de TV dos anos 1950 e 1960. Os temas de abertura da série Sea hunt, protagonizada por Lloyd Bridges e levada ao ar na televisão norte-americana entre 1957 e 1961, estão entre as devoções do trompetista. Outro traço notável da personalidade de Peterson é sua memória quase fotográfica para prédios e datas históricas de Seattle. Há quem o chame de “rain man” de Seattle, numa referência ao filme protagonizado por Dustin Hoffmann.

Entre alguns dos clássicos autorais de Peterson estão Love on the golf course (“amor no campo de golfe”, isso mesmo), easy listening que apareceu em seu terceiro disco, intitulado Richard Peterson’s Third Album, de 1993. Nesse disco, como em todos os outros que publicou, Peterson toca todos os instrumentos e solta a voz. Não que a obra de Peterson seja a curiosidade que você não pode perder: dá para perceber claramente que tem algo fora da ordem na música do compositor, seja no tom meio caricatural dos arranjos, seja na qualidade de gravação rudimentar de algumas faixas.

Advertisement

E se você tá achando que conhece a história de Peterson de algum lugar, é porque possivelmente está se lembrando de Purple, segundo disco dos Stone Temple Pilots (1994). O álbum terminava com a “faixa secreta” The second album, música-título do… segundo disco de Peterson, também lançado à própria custa em 1985. E a gravação que aparecia no disco dos STP era o mesmo fonograma que abria o LP de Peterson: se é que você não sabia, não era o grupo tocando naquela música. Dean DeLeo, guitarrista do grupo, dá depoimento para o filme e recorda como conheceu Peterson.

Richard, além de ser uma figura conhecida nas ruas de Seattle, acabou ficando, hum, amigo de muita gente famosa. O ator Jeff Bridges, quando esteve em Seattle filmando Coração americano, acabou conhecendo Peterson e ficando próximo dele. Perguntado numa entrevista sobre de onde havia acabado de voltar, o ator disse que vinha de umas gigs com sua banda em Seattle e que lá havia encontrado o trompetista, “que geralmente abre shows para minha banda. Ele é um cara muito excêntrico”. No filme, Bridges fala das primeiras impressões que teve do som de Richard, diz que o considera um grande músico e até imita seu trompete.

Vale dizer que a enorme obsessão de Richard é por ninguém menos que o veterano cantor Johnny Mathis. A capa do Second album, por exemplo, é cópia do visual de uma coletânea de Mathis lançada em 1962, e o cantor é inclusive citado na letra. E Peterson tem uma música chamada… Mathisization.

Advertisement

O amor pela obra de Mathis, vale afirmar, não fica só na audição de discos em casa, já que Peterson costuma viajar pelos EUA atrás das turnês do cantor. E revela um lado, er, sombrio da personalidade do pianista. Até 1993, de acordo com essa reportagem aqui, Peterson havia encontrado com Mathis 118 (!) vezes em bastidores de shows. Mantinha até um gráfico em que incluía as vezes em que encontrou o astro, o número de apertos de mão (!!) e a grana gasta nas viagens.

Mathis, que não tem muito saco para repórteres, dá um depoimento para o documentário e diz que vai tudo bem entre ele e Peterson. Que, por sinal, esteve no radar da equipe do cantor vezes o suficiente para pular da categoria de fã dedicado para a de stalker ameaçador. Mathis revela ter ficado assustado quando esteve com Peterson pela primeira vez (“ele parecia muito excitado em me conhecer”, recorda), e se lembra de pelo menos uma ocasião em que teve que botar o fã para fora de uma casa de shows ali mesmo, em Seattle.

O motivo da expulsão: Peterson insistia em conversar com Mathis enquanto ele estava cantando no palco. Saiu arrastado pelos seguranças enquanto gritava: “Quero um aperto de mão. Ele está na minha cidade!”. “Foi bastante desagradável, mas sem ressentimentos”, recorda o veterano, detalhando que Peterson perturbava os fãs na plateia durante o show.

A história de Peterson continua até hoje. O músico recentemente precisou adiar uns shows por causa da pandemia do coronavírus e teve seu sétimo disco (cujo nome é simplesmente Seven), lançado no ano passado. Rolou recentemente até essa entrevista aqui.

Advertisement

E pega aí o filme.

Cinema

Molly Ringwald em telefilme de 1998

Published

on

Molly Ringwald em telefilme de 1998

Os anos 1990 provocaram várias mudanças na vida de Molly Ringwald, um dos rostos mais populares do cinema da década anterior. A atriz fez um teste para o papel principal de nada menos que Ghost – mas o trabalho acabou mesmo foi com Demi Moore, como se sabe. Também houve uma lenda que rolou por anos, a de que Molly recusara o papel principal de Uma linda mulher – que, impossível não saber, foi parar nas mãos de Julia Roberts.

Bom há nove anos, Molly resolveu reaparecer num fórum do Reddit (usando uma foto atual para comprovar que era ela própria) e disse que não se recordava especificamente de ter recusado o papel. Falou apenas que leu um rascunho do roteiro – na memória dela, o filme tinha o working title de $3.000 – e que “o roteiro era bom, mas Julia Roberts é o que faz esse filme. Era a hora dela. Todo ator espera por um papel que os deixe brilhar assim”, contou.

O tal bate-papo com os fãs, por sinal, surgiu numa época em que o DVD dominava o mercado, vários filmes dos anos 1980 tinham já sido lançados no formato, e ninguém nem imaginava que iria aparecer um bando de malucos defendendo que fitas K7 e VHS são um item cool, bacana, descolado e saudosista. Ok, todo mundo já sabia há anos como se baixava filmes, o que ajudava.

Molly aproveitou para divulgar que falava um pouco de francês (humildade dela, já que Molly estudara no Lycée Français de Los Angeles e era fluente no idioma), que tinha três filhos e havia acabado de criar uma conta no Twitter. Também respondeu outras dúvidas dos fãs. Molly esclareceu, por exemplo, que houve uma rusga na filmagem de Clube dos cinco envolvendo ela, o diretor John Hughes e o ator Judd Nelson (que no filme interpretava o rebelde John Bender).

Advertisement

“Acho que Judd estava fazendo o ator metódico durante os ensaios. Ele estava vestindo as roupas do Bender e tentando me irritar. Eu estava bem, mas John Hughes era muito protetor comigo”, contou. Outra pessoa perguntou a Molly como ela conseguia ficar mais sexy com a idade. “Eu bebo o sangue de Kristen Stewart”, brincou ela. Molly,  pouco antes disso, em 2008, declarara ao Los Angeles Times que seu visual vintage – modelo para várias garotas durante os anos 1980 – tinha uma explicação nada cool, bacana e descolada. “Eu usava aquele vintage todo porque meus pais me mantinham com mesada, então comprava roupas na Melrose (rede norte-americana de roupas com preços acessíveis, especializada em moda feminina durante os anos 1970 e 1980). Meu estilo era baseado na necessidade”, contou.

Molly pode não ter tido a mesma presença dos anos 1980 mas continuou fazendo filmes – esteve até nos filmes da sequência A barraca do beijo, bem recentemente. Também desenvolveu carreiras paralelas como escritora, tradutora e até cantora (lançou um disco de jazz em 2013, Except sometimes, e bem poderia ter aparecido no nosso podcast sobre não-cantores que cantam). Mas essa introdução enorme é só para avisar que recentemente subiram um item bem curioso da carreira de Molly no YouTube: um telefilme que ela fez em 1998 chamado Twice upon a time.

Segundo o reddit Obscure Media, a comédia (exibida originalmente pelo canal Lifetime) “não estava em lugar algum da internet”, até que foi subido há poucos dias. Na história, Molly interpreta uma moça que entra num universo paralelo, onde divide os dias com uma velha paixão de vários anos. Robert Ringwald, pianista de jazz e pai de Molly, faz uma ponta.

>>> POP FANTASMA PRA OUVIR: Mixtape Pop Fantasma e Pop Fantasma Documento
>>> Saiba como apoiar o POP FANTASMA aqui. O site é independente e financiado pelos leitores, e dá acesso gratuito a todos os textos e podcasts. Você define a quantia, mas sugerimos R$ 10 por mês.

Advertisement
Continue Reading

Cinema

Humphrey Bogart fazendo filme de terror antes de fazer Casablanca

Published

on

Humphrey Bogart fazendo filme de terror antes de fazer Casablanca

Se tava difícil pro Humphrey Bogart, imagina pra gente? Pouco antes de protagonizar o inesquecível Casablanca (1942), um dos maiores nomes da história de Hollywood gramava de filme B em filme B, sofria com problemas familiares e ainda não era tratado com muito respeito pela Warner, que o havia contratado. No fim dos anos 1930, a maior parte de seus trabalhos era em filmes de gângster, nos quais sempre fazia papéis secundários e violentos. A coisa só começou a mudar nos anos 1940, com filmes como O último refúgio e O falcão maltês.

Foi nessa corrida de papel em papel até o estrelato, que Bogart fez o que você talvez jamais imaginasse: um filme de terror, chamado A volta do Doutor X (1939). Nele, o futuro galã interpretava um estranho médico-assistente, Marshall Quesne, que era a reencarnação do falecido médico Dr. Maurice Xavier.

A história envolve o trabalho de um jornalista, Walter Garrett (Wayne Morris), que quer solucionar um mistério envolvendo uma série de assassinatos e amostras de sangue sintético. Ele acaba chegando ao hematologista Francis Flegg (John Litel), e percebe a semelhança entre Quesne, assistente dele, e o tal Dr. Xavier. Flegg admite que usa sangue sintético para conseguir fazer Xavier “baixar” em Quesne. Começa a confusão, porque o assistente precisa do raro Tipo Um de sangue para completar a mistura – o que explica tantos assassinatos.

Um detalhe curioso é que Bogart nem sequer era a primeira opção para o filme. A Warner havia pensado inicialmente em Bela Lugosi, mas esbarrou na agenda dele. Pensaram logo depois no britânico James Stephenson, mas ele também estava ocupado. Bogart teria sido apenas a terceira opção, e teria ido parar lá como punição ao fato de recusar um monte de papeis.

Advertisement

Segundo o livro Golden horrors: An illustrated critical filmography of terror cinema, 1931-1939, de Bryan Senn, o diretor de Doutor X, Vincent Sherman, já conhecia Bogart de outros carnavais. Uma vez Sherman tinha ido dar uma passada na sala do chefão Jack Warner e ouviu os resmungos dele: “Não sei o que fazer com esse Bogart, ele só consegue fazer filmes de gângster”.

O diretor decidiu experimentar o futuro galã no papel, mas vale dizer que Bogart não ficou nada satisfeito com o cumprimento do seu novo dever. Disse que deveria ter pedido mais dinheiro para Jack Warner, e que seu papel seria mais apropriado para Bela Lugosi ou Boris Karloff.

“Eu fazia o papel desse médico e a única coisa que nutria esse desgraçado era sangue. Se fosse o sangue de Jack Warner, eu não teria pensado duas vezes. Só que eles estavam bebendo meu sangue e eu estava fazendo esse filme fedorento”, reclamou.

O retorno do Dr. X não está inteiro no YouTube. Mas tem umas lembranças espalhadas dele por lá. Segue aí.

Advertisement

E tem um texto bem legal do site Rebeat Mag detalhando tudo do filme para quem nunca viu.

Advertisement
>>> POP FANTASMA PRA OUVIR: Mixtape Pop Fantasma e Pop Fantasma Documento
>>> Saiba como apoiar o POP FANTASMA aqui. O site é independente e financiado pelos leitores, e dá acesso gratuito a todos os textos e podcasts. Você define a quantia, mas sugerimos R$ 10 por mês.

Continue Reading

Cinema

“Meu nome é Bagdá”: skate feminino nos cinemas

Published

on

"Meu nome é Bagdá": skate feminino nos cinemas

O skate feminino chega ao cinema – aliás numa produção realizada antes das medalhas na Olimpíada. Meu nome é Bagdá, dirigido por Caru Alves de Souza, já estreou quinta-feira no Rio e em SP, e leva para as telas o dia a dia da adolescente Bagdá (Grace Orsato), uma skatista de 17 anos da Freguesia do Ó. Ela pratica o esporte ao mesmo tempo em que contesta o machismo das pistas, já que seu grupo de amigos tem apenas uma menina além dela. O filme foi lançado mundialmente no Festival de Berlim de 2020, onde conquistou o prêmio de melhor filme da mostra Generation 14plus.

No dia a dia, Bagdá (cujo nome verdadeiro, Tatiana, é revelado ao longo da trama numa situação em que a personagem é desrespeitada e humilhada) convive com uma família formada apenas por mulheres. A cantora Karina Buhr interpreta Micheline, mãe das três irmãs, Bagdá, Joseane (Marie Maymone) e a pequena Bia (Helena Luz). “Absorvemos muito do que os atores trouxeram para os personagens”, conta Caru, explicando que o roteiro foi sofrendo modificações a partir da convivência com atores.

“Eu estava fazendo um filme sobre skate e eu mesma não ando de skate, então me coloquei num papel mais de escutar do que de dizer como tudo deveria ser feito”, conta ela, que fez questão de, no filme, colocar mulheres em papeis que seriam predominantemente masculinos no dia a dia.

Advertisement
"Meu nome é Bagdá": skate feminino nos cinemas

Paulette Pink (E), Grace Orsato e Karina Buhr

“A Micheline, por exemplo, não está num papel exatamente masculino, mas ela toma conta de uma família, segura o rojão sozinha. É uma mulher muito livre, que não aceita desaforo”, conta Caru, explicando que chegou até Karina quando procurava alguém com o punch da personagem, que cuida sozinha de três meninas e trabalha num salão de beleza, comandado por Gilda (Paulette Pink). “E ela trouxe muita dignidade para a personagem, questionava algumas coisas. No roteiro original, a Micheline era mais down”.

O SKATISTA

O filme foi inspirado num livro de Tony Brandão, mas algumas coisas eram bem diferentes na história original – tanto que o livro se chama Badgá, o skatista. Ainda nos primeiros argumentos, a ideia era que o personagem fosse um menino. Caru participou de um laboratório de roteiro e se deu conta de que queria escrever o roteiro a partir do ponto de vista da prima da Bagdá, Tati.

“Foi um longo processo onde eu me dei conta da história que eu queria contar. Inevitavelmente fui contaminada por toda a discussão da representatividade das mulheres no cinema, mas acho que isso também foi orgânico, de me perguntar porque é que a skatista não poderia ser uma mulher”, conta ela, que ao lado da produtora Rafaella Costa, foi testemunhando o crescimento do skate feminino no Brasil, e incluiu tudo isso no filme.

“Logo que a Bagdá virou uma skatista, o filme ficou muito centrado no embate dela com os meninos, de como era difícil ocupar este lugar de uma menina skatista num ambiente muito masculino. Mudamos o filme, começamos a buscar quem faria a Bagdá, conhecemos todas as meninas que estão no filme e muitas delas estão num coletivo de skate feminino”, diz ela.

Na pesquisa, Caru e Rafaella chegaram ao coletivo Britney’s Crew, do Rio, e a Grace Orsato, que andava de skate há dois anos quando o filme começou a ser rodado. “Tenho uma história similar à da Bagdá porque quando comecei a andar, fui para a pista e só conheci meninos. Depois comecei a me familiarizar com a problemática do skate feminino, o que as meninas passavam”, conta a atriz de 23 anos, que ajudou na construção do roteiro apontando questões importantes para a comunidade.

Advertisement

Ela vê a Bagdá como “uma menina forte, que não tem medo de sofrer na rua, porque independentemente do que aconteça, vão ouvir a versão dela em casa”, conta, dizendo que teve aprender a ser um pouco mais igual a ela. “Ela tem 16 anos, eu tenho 23. Ela falava o que queria, gritava aos quatro cantos na rua. Ela tem essa energia para gastar, eu sou mais quieta. Mas ela é forte por causa desse apoio familiar. Ela tem uma família de mulheres, com várias representações de feminilidade, não é uma família padrão”.

Grace diz que, após o skate feminino na Olimpíada, o cenário mudou. “Vejo muita menina andando de skate. E as mulheres não se intimidam mais. Antes um cara chegava e falava: ‘Você é poser’ e elas falavam: ‘Eu nunca mais vou andar de skate na vida’. Hoje elas já respondem: ‘Ah, sai daqui, cara!’”, diz. “Como skatista, eu sempre falo que skate não é só Olimpíada, é um estilo de vida que muda a pessoa em vários níveis”.

TEATRO E FAMÍLIA

O filme tem momentos de pura espontaneidade no relacionamento familiar de Bagdá com a mãe e as irmãs, e com a turma do skate. Há cenas mais teatralizadas e coreografadas que, aponta Caru, servem como um respiro. “Quando a Bagdá não consegue responder à altura, ela transbora na coreografia”, diz a cineasta.

No caso das cenas com amigos, irmãs, mãe, tudo surgiu de muita preparação e de trabalho em cima do roteiro, até para que o improviso ficasse bem feito. “Discutimos cena a cena, para tentar entender o que fazia sentido, o que não fazia”, diz Caru. “A Caru foi muito sensível. A gente às vezes improvisava e se o improvisado ficasse melhor, ela selecionava”, diz Grace.

Advertisement
>>> POP FANTASMA PRA OUVIR: Mixtape Pop Fantasma e Pop Fantasma Documento
>>> Saiba como apoiar o POP FANTASMA aqui. O site é independente e financiado pelos leitores, e dá acesso gratuito a todos os textos e podcasts. Você define a quantia, mas sugerimos R$ 10 por mês.

Continue Reading
Advertisement

Trending