A banda californiana Allah-Las já andou pelo Brasil (fez shows aqui há dois anos) e, bem antes do Pitchfork fazer uma lista de discos essenciais do Tropicalismo, já demonstrava sua predileção pelos sons brasileiros dos anos 1960 e 1970 em entrevsitas. Conversando com Silvio Essinger, do Globo, e Pedro Antunes, do Estadão, o grupo formado por Pedrum Siadatian (guitarra), Spencer Dunham (baixo), Matt Correia (bateria) e Miles Michaud (voz e guitarra) falou bastante disso. “Ouvimos um monte de artistas brasileiros, como Caetano Veloso e Antonio Carlos Jobim. Ela navega parecia ser uma canção boa para um disco cheio de músicas sobre fim de caso”, contou Matt ao Globo, falando sobre uma canção em português com influência de bossa nova que a banda gravou.


Tem mais ali: a banda cresceu em áreas de Los Angeles onde o punk rock é a trilha sonora, ouviu muito rock de garagem e bandas sessentistas por intermédio dos pais. E em termos de música feita no Brasil, os caras vão além de predileções gerais como Mutantes e Tom Zé. Costumam citar nomes como Erasmo Carlos, Os Carbonos (grupo paulistano de músicos de estúdio que gravou com meio mundo nos anos 1960 e 1970) e até Baianos & Os Novos Caetanos.

Se você só ouviu falar dos Allah-Las hoje pelo Jornal Nacional, vai aí uma outra informação para você: são eles os responsáveis por um dos melhores podcasts da web. Ou melhor, não se trata propriamente de um podcast, visto que é só música, sem locução. É o Reverberation Radio (conheça aqui) que começou como programa de rádio na KXLU 88.9 FM, virou depois uma atração semanal da internet e pode ser definido como uma série semanal sobre psicodelia. A noção de que psicodelia era um estilo de vida veio por causa de um papo que o cantor Miles bateu com Patrick Campbell-Lyons, da banda britânica dos anos 1960 Nirvana (sim, nos anos 1960 tinha uma banda chamada Nirvana). “Ele explicou que o termo psicodélico não precisa necessariamente se referir a pirulitos e raios de lua, Lucy in the sky with diamonds, cigarros de maconha, ou os efeitos de drogas. Para ele, o termo tinha um significado mais amplo, mais simples e mais profundo. O psicodélico, explicou ele, refere-se à capacidade de uma pessoa expandir a mente, aumentar a compreensão através da busca de perspectivas alternativas e, se efetivo, expandir ou mudar o paradigma. O LSD pode ser eficaz nisso, até certo ponto. Mas também pode ser bom para isso um bom livro, uma grande banda, uma nova experiência ou, por assim dizer, a internet”, explicou num artigo para a revista Q.

O Reverberation está em sua 282ª edição e toca basicamente nomes perdidos dos anos 1960 e 1970, misturados com lados-Z de gente conhecidinha. E claro, muita coisa daqui do Brasil que eles descobrem fuçando por aí. Abaixo, você confere dez sons brasileiros que eles já postaram nas playlists.

BAIANOS E OS NOVOS CAETANOS – “DENDALEI”

CRISTINA CAMARGO – “MORAL TEM HORA”

NENO EXPORTA SOM – “DEIXA A TRISTEZA”

OS INCRÍVEIS – “SE MEU FUSCA FALASSE”

PERSONA – “LAGO”

AVE SANGRIA – “O PIRATA”

ANTONIO CARLOS & JOCAFI – “ALARME FALSO”

JUCA CHAVES -“TAKE ME BACK TO PIAUÍ”

MAR REVOLTO – “CONTENDAS DE SINCORÁ”

CHICO BUARQUE – “JORGE MARAVILHA”

E esse é Calico review, o terceiro disco dos Allah-Las, lançado no ano passado.