Ninguém deve lembrar do PlayTape lá fora. No Brasil, esse formato de música nem chegou a ser lançado. Nos EUA, onde saiu em 1966, fez algum sucesso, chegou a ser incluído em modelos da Wolkswagen (única marca de automóvel que arrumou espaço para ele) mas não durou muito. A qualidade era muito limitada (era basicamente um loop de fita mal gravado e com possibilidades pequenas de reprodução) e, para piorar, funcionava quase como uma versão single de má qualidade dos LPs do período, já que só era permitido entre 8 e 24 minutos de cada lado. A ideia era competir com o sistema de fitas de oito pistas, que fazia sucesso na época, e continuaria fazendo por um bom tempo.

O canal Techmoan arrumou um desses, mostrou como funciona por dentro e descobriu que, er, pelo que mostrava a embalagem do negócio, a ideia da empresa que fabricava o PlayTape pensava numa opção do tipo “anime sua festa” quando criou o produto. Aparecem imagens de pessoas se divertindo com o PlayTape na praia, num convescote animado ou no trânsito. Mas não deu muito certo e o PlayTape foi logo logo tirado do mercado. Fim.

Via Discogs