“Alô, mulheres, segurem-se nas cadeiras. Alô marmanjos, não façam besteiras!”. Morto nesta segunda aos 84 anos, o comunicador e cantor Barros de Alencar abria seu programa, que ia ao ar na TV Record nos anos 1980, com essa frase. E fazia a alegria de fãs da música verdadeiramente popular do Brasil, além de promover concursos engraçados e não ter problema algum de resvalar na toscaria quando fosse preciso (ou quando fosse engraçado). Além da TV e do rádio, ele ainda gravou vários discos, teve um monte de hits e lançou sucessos de outros artistas em discos como “As campeãs do Programa Barros de Alencar”. Confira aí oito momentos inesquecíveis dele. E prepare-se porque alguns deles são… bom, “inesquecíveis” é uma boa maneira de defini-los.

Em 1984, quando o Metrô (lembra?) lançou o hit “Beat acelerado”, uma das obrigações do grupo foi visitar o Programa Barros de Alencar. Barros faz piada com “bife acelerado” ao falar da banda e… bom, a piada machista que ele faz antes de apresentar a banda lhe traria muitos problemas hoje em dia.

No mesmo ano, o Menudo apareceu por lá, numa das vindas do grupo portorriquenho ao Brasil.

Extremamente inesquecível: Lucia Santos, que imitava Michael Jackson e era conhecida como Maica Jeca (sério!) em ação no programa.

Gretchen, nos anos 1980, dançando no palco do Barros de Alencar com o palhaço Vassourinha, personagem do programa.

Marquito, imitador que até hoje bate ponto no Programa do Ratinho e é especialista em dublar músicas com rotação acelerada, já tinha carreira televisiva consolidada nos anos 1980 – e apareceu bastante no palco do Barros. Vassourinha não perde a oportunidade.

Roberto Leal vai lá em 1983 cantar o hit “Arrebita”.

Dizem por aí que a sofrência está na moda. Se alguém dissesse isso para Barros de Alencar, talvez o velho radialista, apresentador e cantor caísse na gargalhada. O lance dele era mais do que sofrência: era tortura psicológica. Em 1975, invadiu as paradas com a versão em português do brega inesquecível “Prometimos no llorar”, do argentino Palito Ortega. “Prometemos não chorar” misturava batidinha sem vergonha, coral em clima de soft porn, o choro de uma mulher (também tinha no original, mas era menos desesperador) e uma letra no qual o namorado aplicava um solene pé-na-bunda da ex-amada dizendo que “queria ver um sorriso dela” e torturando-a com um compacto dos melhores momentos da relação.

Barros de Alencar era, digamos assim, um homem que passava longe do “padrão Globo de qualidade”. Em 1977, quem diria, ele conseguiu dar seu jeito de aparecer na Globo. Esteve no musical Globo de Ouro para divulgar o hit “Quero beijar-te as mãos”, que acabou aparecendo no LP “Globo de Ouro vol. 3”, lançado pela Som Livre naquele ano. Esquizofrênica ao extremo, a série de LPs do programa era a saída para os artistas mais orientados para o povão aparecerem nos produtos ligados à Globo – o LP de 1977 tinha Rita Lee & Tutti Frutti, Simone, Ruy Maurity e o sumidaço Wilson Simonal lado a lado com Barros de Alencar, Sidney Magal, Moacyr Franco etc.


Oito momentos inesquecíveis de Barros de Alencar