Tem quem não saiba ou não lembre, mas o Hüsker Dü já foi um quarteto e teve um tecladista (!) chamado Charlie Pine. Bom, isso é exagero nosso: a banda ainda não tinha esse nome. Chamava-se Buddy and The Returnables e nem tinha dado muitos passos além da sala de ensaios.

Só que, como naqueles grupinhos de WhatsApp que surgem de outros grupos, o núcleo duro – Bob Mould, Grant Hart e Greg Norton –  começou a ensaiar às escondidas do tecladista, tocando covers de Ramones e músicas autorais. Foi nessa que o Hüsker Dü (cujo nome, já falamos aqui, surgiu por causa de uma brincadeira com Psycho killer, dos Talking Heads) iniciou atividades.

Isso, resumidíssima, é a história da formação de uma das bandas mais influentes do rock alternativo americano. O restante você encontra num vídeo que o canal Trash theory lançou, esmiuçando as relações do Hüsker Dü com o surgimento do rock alternativo. Kurt Cobain era fã, o Green Day também, e não é nada complicado imaginar que discos como Nevermind surgiram do som que esse trio de Minneapolis fazia.

O primeiro show do Hüsker Dü, por sinal, é mais uma data redonda a ser comemorada nesse ano: rolou em março de 1979. Os teclados de Pine foram levados ao palco mas ficaram desligados durante todo o tempo. Muito embora Mould ache que o primeiro show do grupo rolou mesmo em maio de 1980, já como trio, no Jay’s Longhorn Bar.

Dessa época até o comecinho da década de 1980, o grupo foi se tornando um dos nomes mais importantes da onda de bandas lançadas por college radios – as rádios universitárias que despejavam artistas como R.E.M., XTC e Sonic Youth. Tiveram um estouro com Diane, em 1983, e seguiram em frente. Até que as gravadoras começaram a prestar atenção nessas bandas e levaram várias delas: a Warner contratou o Hüsker Dü, os Replacements e o R.E.M., por exemplo.

O tal vídeo do Trash theory faz o serviço de casa direitinho e recorda que esse começo foi bem parecido com a escalada do rock alternativo dos anos 1990, com o grunge partindo de uma cena local para os grandes espetáculos e as gravadoras multinacionais. Como se não bastasse, Zen arcade, disco conceitual do Hüsker Dü lançado em 1984 (sobre o qual você já leu aqui) influenciou de Foo Fighters a Green Day e lançou muitas bases para o rock alternativo da década seguinte.

Confere aí.

Mais Hüsker Dü no POP FANTASMA aqui.