Connect with us

Utilidades

As xícaras de chá ofensivas da Miss Havisham’s Curiosities

Published

on

As xícaras de chá ofensivas da Miss Havisham's Curiosities

Tão dizendo por aí que uma boa sugestão de presente para o Natal é essa nova coleção de louças lançadas pela Miss Havisham’s Curiosities, marca criada pela produtora de TV, escritora e fã de filmes de terror Melissa Johnson. Entre os itens, tem xícaras de chá ofensivas, em que o conteúdo é revelado assim que o convidado (coitado) termina com a bebida. Já pensou você ir tomar um chá inocente na casa de alguém e deparar com uma xícara que diz que “eu poderia envenenar você”? Ou com um pires no qual uma mulher oferece a cabeça de um pobre diabo?

As xícaras de chá ofensivas da Miss Havisham's Curiosities

“Apenas pare”?

As xícaras de chá ofensivas da Miss Havisham's Curiosities

“Eu poderia envenenar você”

As xícaras de chá ofensivas da Miss Havisham's Curiosities

“Apenas uma mulher desagradável”

As xícaras de chá ofensivas da Miss Havisham's Curiosities

“Pare de falar!”

As xícaras de chá ofensivas da Miss Havisham's Curiosities

“Espero que você se engasgue”

As xícaras de chá ofensivas da Miss Havisham's Curiosities

“Bruxa!”

As xícaras de chá ofensivas da Miss Havisham's Curiosities

“Ninguém gosta de você”

As xícaras de chá ofensivas da Miss Havisham's Curiosities

Pra você servir chá para aquele seu caso amoroso passageiro

As xícaras de chá ofensivas da Miss Havisham's Curiosities

“Morra, por favor”

As xícaras de chá ofensivas da Miss Havisham's Curiosities

A bruxinha que era boa… e a bruxinha que era má

As xícaras de chá ofensivas da Miss Havisham's Curiosities

Para influenciar pessoas (fazer amigos pra quê?)

As xícaras de chá ofensivas da Miss Havisham's Curiosities

“Odioso”

As xícaras de chá ofensivas da Miss Havisham's Curiosities

Hehe

Interessou? Conheça o site da Miss Havisham’s aqui.

Pauta roubada da amiga Mariana Erthal.

Advertisement
Continue Reading
Advertisement

Utilidades

Vai uma máquina de escrever da Lego aí?

Published

on

Vai uma máquina de escrever da Lego aí?

O produto é caro (199 dólares), mas que dá vontade dá. Um sujeito chamado Wes Talbott criou uma máquina de escrever da Lego (!) com visual oldschool com teclas que funcionam de verdade. E que tem a alegada capacidade de bater textos também de verdade. “Cada chave tem um caractere impresso, sem necessidade de adesivos. A fita de carretel de tinta preta e vermelha é um novo elemento de fábrica”, afirma.

Interessou? Bom, você vai ter que correr muito atrás: ela já está disponível para venda e começa a ser entregue a partir de junho.

 

Ver essa foto no Instagram

 

Advertisement

Uma publicação compartilhada por Wes Talbott (@wes_talbott)

 

Ver essa foto no Instagram

 

Uma publicação compartilhada por LEGO (@lego)

Advertisement

Via Laughing Squid

>>> Saiba como apoiar o POP FANTASMA aqui. O site é independente e financiado pelos leitores, e dá acesso gratuito a todos os textos e podcasts. Você define a quantia, mas sugerimos R$ 10 por mês.

Continue Reading

Cultura Pop

Scopitone: a jukebox de clipes

Published

on

Scopitone: a jukebox de clipes

Quando você vir um clipe cheio de dançarinas, num clima burlesco, em que o cantor participa de um número bem irônico, ou dá uma de animador de auditório, pode ter certeza de uma coisa: esse vídeo foi bastante influenciado pela linguagem do Scopitone.

Se você nunca ouviu falar de Scopitone, prepare-se para se surpreender: era uma máquina que servia como uma jukebox de filmes. Ela funcionava com filmes de 16mm e usava trilha sonora em fita magnética. Você ia lá, depositava moedas e escolhia um filme, feito especialmente para ser visto na máquina.

O Scopitone, ainda por cima, tivera uma espécie de irmão mais velho, desenvolvido durante a Segunda Guerra Mundial, o Soundies, que eram filmes americanos de três minutos, produzidos entre 1940 e 1947, com atrações musicais. A diferença entre o Scopitone e o Soundies – que funcionavam numa máquina chamada Panoram, fabricada por uma empresa de Chicago – é que este operava apenas com filmes curtos, em preto e branco. O Scopitone aproveitou-se bastante da novidade do Technicolor, e oferecia aos usuários um mundo de cores bem vivas.

>>> Veja também no POP FANTASMA: Que saudade do tempo do DIVX

Outra diferença é que Scopitone era bastante prático e o usuário poderia escolher o que ia ouvir – ou deixar tudo rodando como se fosse uma playlist do Spotify, numa “Scopitone party”. O Soundies já não tinha isso: quem chegasse para usar a máquina precisava escutar o que estivesse na fila. Em comum havia o fato de que eram plataformas bem interessantes para lançar até mesmo novos artistas.

Advertisement

As máquinas eram vendidas para bares frequentados por jovens. Os clipes da Scopitone tinham uma característica básica, por sinal também herdada dos Soundies. Os filmetes sempre apresentavam um lado camp bem particular. Em muitos casos, o resultado lembrava cenas de musicais e comédias, ou comerciais de TV. O look exótico de alguns artistas e a presença de go go girls (e garotas dançando de biquíni) inseria boa parte dos 16mm no universo burlesco.

Dois clipes que mostram bem o que era esse tal de Scopitone. Olha aí Neil Sedaka lançando a animada Calendar girl

… e a sensação loura Joi Lansing cantando Web of love.

Advertisement

Outro clipe que fez sucesso foi o de Dionne Warwick soltando a voz no hit Walk on by, ao lado de uma trupe de modelos masculinos.

O filmete de Françoise Hardy cantando Tour les garçons et les files também foi uma sensação.

E um clipe que fez sucesso pra burro nas máquinas foi o de Nancy Sinatra com These boots are made for walkin.

Advertisement

>>> Veja também no POP FANTASMA: Pocket Rockers: aquele formato de áudio do qual ninguém lembra

O reinado (se é que dá para falar assim) do Scopitone não durou muita coisa. Apesar de alguns grandes nomes terem usado o sistema, e de algumas sensações pop terem surgido por intermédio dele, nos anos 1960 já estava claro que o suporte não atraía mais nomões. Os artistas da chamada invasão britânica consideravam a plataforma ultrapassada e de mau gosto. Filmetes de nomes como Beatles e Rolling Stones já eram pensados para a televisão.

Com a virada para a psicodelia, nem mesmo as cores vivas dos filmes serviram para virar a chave e atrair novo público. Um tempo depois, descobriram que o modelo de negócios da Scopitone tinha ligações perigosas com a turma da máfia siciliana. Mas o curioso é que, mesmo com pouco público e fora de moda, a Scopitone foi durando até o fim dos anos 1970, com poucos filmes. Algumas máquinas passaram a ser usadas em inferninhos como peep show e boa parte delas está hoje em museus.

O vídeo abaixo, do Chicago Reader, mostra como funciona uma máquina dessas. Acharam uma máquina fabricada na França no fim dos anos 1950, com todos os cartões das músicas ainda disponíveis, incluído sucessos de Frank Randall, Lou Rawls e January Jones (cantora, atriz e celebridade televisiva que fez sucesso com Lazy river). Os narradores lembram como foi vantajosa para o Scopitone a chegada do formato Technicolor no mercado, e que boa parte dos clipes soa como uma visita a um passado que muita gente nem faz ideia que existiu um dia.

Advertisement
>>> Veja também no POP FANTASMA: Tem gente ainda lançando álbuns em formato 8-track hoje em dia?

“Teve gente se aproveitando da linguagem de clipes do Scopitone nos últimos tempos?”, você deve estar se perguntando. Teve. A cantora francesa Mareva Galanter lançou em 2006 uma série de vídeos em estilo Scopitone. E ainda apresentou um programa chamado Do you do you Scopitone, que foi ao ar no canal Paris Première.

Lembra quando Scott Weiland, o saudoso vocalista dos Stone Temple Pilots, gravou um disco de Natal? O clima de alguns vídeos era bem Scopitone.

Um primo brasuca dos vídeos no mood do Scopitone: Purabossanova, música solo do titã Sergio Britto, com participação especial de Rita Lee.

Advertisement

Via AVClub e History Dumpster

>>> Saiba como apoiar o POP FANTASMA aqui. O site é independente e financiado pelos leitores, e dá acesso gratuito a todos os textos e podcasts. Você define a quantia, mas sugerimos R$ 10 por mês.

Advertisement
Continue Reading

Desenho animado

O hotel da Nickelodeon

Published

on

O hotel da Nickelodeon

A não ser que você seja fanático por viagens (e tenha grana para sair do Brasil, o que evidentemente não é possível fazer agora) ou tenha filhos que passem o dia vendo TV, ou seja fanático por desenho animado, você se bobear nunca soube disso: o canal Nickelodeon montou um hotel na década retrasada.

O empreendimento foi montado em hotéis Holiday Inn em Orlando, começou a apresentar características típicas de negócio montado às pressas, e fez areia em alguns anos. A ideia foi se aproveitar do sucesso enorme que os personagens do canal estavam fazendo coma criançada. Especialmente o Bob Esponja, que em pouco tempo começou a ganhar ares de Mickey Mouse do canal.

>>> Veja também no POP FANTASMA: Halyx: quando a Disney lançou uma banda de rock inspirada em Star Wars

O canal Defunctland conta em vinte e poucos minutos (em inglês, com legendas automáticas em inglês e português) as histórias do hotel da Nickelodeon. E revela que o tal hotel da Nickelodeon esteve longe de ser um empreedimento feito no mesmo 100% de profissionalismo dos projetos da Disney.

Para começar, os personagens da Nickelodeon, com olhos enormes e caras largas, eram bastante complicados de serem transformados em fantasias para serem usadas por atores. O mais fácil era imaginar crianças apavoradas com o visual anfetaminado dos bonecos. Os preços das hospedagens também não eram dos mais convidativos. O hotel depois se mandou para Punta Cana, na região da República Dominicana, e depois abriu um outro no México. Os dois endereços ainda existem, inclusive.

Advertisement

>>> Saiba como apoiar o POP FANTASMA aqui. O site é independente e financiado pelos leitores, e dá acesso gratuito a todos os textos e podcasts. Você define a quantia, mas sugerimos R$ 10 por mês.

Continue Reading
Advertisement

Trending