Connect with us

Cultura Pop

Lendas urbanas históricas 1: O boneco Fofão

Published

on

Lendas urbanas históricas 1: O boneco Fofão

Estamos no mês das crianças e também do importado dia de Halloween… Tá certo, você pode torcer o nariz dizendo que o Halloween é uma forma de dominação cultural americana. E em seguida dizer que o importante mesmo é valorizar os seres fantasmagóricos seres do folclore brasileiro. Como o saci, o caipora e por aí vai.

Fazendo a linha diplomática, vou reunir nessa série lendas do mundo pop que de alguma forma chegaram ao Brasil. E também lendas urbanas nacionais modernas, além de outras, nem tão modernas assim. Existem estudos no mundo todo sobre as origens das lendas urbanas e sua importância sociológica, cultural e antropológica. Aliás, mesmo nos dias atuais, elas continuam pipocando por aí como sendo “hoax”, fake news, boatos e “creepypastas”.

FANTÁSTICO

Qual criança nos anos 1980 não ficava assustada com as histórias de terror narradas no programa Fantástico? Enfim, houve um tempo em que esse programa retratava encenações de lendas urbanas. Entre essas lendas, histórias de caminhoneiros assombrados por uma mulher vestida de noiva na estrada. Ou de taxistas que tinham como passageira uma misteriosa moça, que simplesmente desaparecia do banco de trás ao chegar ao seu destino.

Depois vieram os anos 1990. E o auge do sensacionalismo envolvendo lendas urbanas, ufologia e cultura pop fez o extinto jornal Notícias Populares destacar o nascimento de um bebê que seria filho do diabo. O periódico destacou também aparições do chupa-cabras. E do ET de Varginha.

Nos anos 1980, falava-se que ao tocar a música Stairway to heaven, da banda Led Zeppelin, utilizando um LP girado ao contrário, o resultado era uma oração satanista. Mas a concorrente brasileira em fazer adolescentes e jovens girar os vinis para tocar ao contrário era Doce mel, da modelo e apresentadora Xuxa. Lembram?

O POP FANTASMA vai fazer uma retrospectiva investigativa destas lendas urbanas. De algumas deles, com certeza vocês ao menos ouviram falar. E vamos apresentar as lendas urbanas do século 21. Que, afinal, ainda podem assustar muita gente. Inclusive os millenials.

A LENDA DO BONECO FOFÃO MACABRO (1983-1990).

Vamos combinar que a fantasia vestida pelo saudoso ator Orival Pessini para dar vida à personagem Fofão, do Balão Mágico – programa infantil que foi ao ar pela TV Globo pela primeira vez em março de 1983 – tinha um aspecto meio assustador.

A ideia inicial era que ele fosse uma mistura de cachorro com alienígena, oriundo do Planeta Fofolândia. Junto com Simony, que na época tinha em torno de sete anos, Fofão apresentava os desenhos e atrações do programa. Inicialmente o alienígena não falava. Apenas emitia sons estranhos, que eram decodificados pela pequena Simony. Mas o sucesso foi tamanho que ele passou a ganhar falas e a dividir as apresentações com a menina.

SUCESSO

Embora a aparência do boneco fosse um tanto estranha, especialmente nas bochechas, Fofão fez grande sucesso. Ganhou inclusive um boneco criado à sua imagem e semelhança pela fábrica de brinquedos, artigos escolares e papelaria Mimo. Por sinal, a empresa ainda existe, mas atualmente tem apenas 130 brinquedos catalogados, todos licenciados do exterior.

Era tempo de hiperinflação, desemprego nas cucuias e efervescente crise econômica e política. Mas o boneco vendeu quatro milhões de cópias. Ou seja: um absoluto hit de vendas! Começaram, então, a surgir histórias macabras envolvendo o inocente boneco.

FACÃO?

Diz a lenda que o boneco – composto de estrutura de plástico, de enchimento e roupas da personagem – caiu no chão após ser derrubado por uma criança. E em seguida, a família notou algo aterrorizante. Afinal, o enchimento era composto de um objeto pontudo parecido com um facão para colar a cabeça (que aparentemente ficava espetada na ponta da faca). Mas a tal família também teria visto velas pretas (!) no boneco.

Essa história foi o que bastou para que começasse a boataria Brasil afora. Diziam que o boneco conversava à noite com as crianças, falava que elas deveriam fazer maldades, praticar crimes. Mas o estopim foi dizer que o boneco saía correndo e matava crianças degoladas. E olha que isso foi bem antes do lançamento do filme Brinquedo assassino, de 1988…

Pessoas mais impressionáveis começaram a tentar decodificar não a linguagem alienígena de Fofão no programa infantil, mas mensagens subliminares com referências satanistas… Foi um pandemônio, com o perdão da palavra. A Mimo se defendia, dizendo que o assustador boneco atendia às normas de fabricação de brinquedos da época. E, que principalmente, os materiais de enchimento dos bonecos podiam ter aspectos desagradáveis.

BELZEBU É MEU PASTOR

Teorias da conspiração iam mais além, soltando boatos de que Orival Pessini havia feito pacto com belzebu para obter sucesso. Outros diziam que a culpa era da fábrica de brinquedos. Há alguns anos, um suposto autor da fofoca venenosa disse que foram mesmo os programas infantis rivais que tentaram denegrir a imagem do fofíneo alienígena.

Tais boatos não foram suficientes para manchar a reputação de Fofão, que teve seu próprio programa na TV Bandeirantes (atual Band) entre 1986 e 1989, o TV Fofão. Com produtos licenciados, discos e até um longa-metragem, o alienígena mega fofo continua sendo um dos mais icônicos personagens para a geração X.

E DEPOIS?

Recentemente, o suposto autor do boato, Deusenir Prieto – que nada tem de investigador paranormal – deu entrevista à Revista Superinteressante. E revelou que tão somente fez críticas às composições do enchimento do boneco na época, por ser especialista em Métodos e Processos na fabricação de brinquedos. Mas não adiantou nada: a crítica tomou proporções sobrenaturais.

Confira as outras lendas da série aqui.

44 anos. Gosta de Cultura Pop, Moda, Literatura, Sociologia, Cinema, Fotografia e é movida à Música desde que se entende por gente. Bacharel em Direito, enveredou-se para as Relações Internacionais e atualmente encontra-se em fase de mudanças profissionais.

Cultura Pop

Relembrando: Nile Rodgers, “Adventures in the land of the good groove” (1983)

Published

on

Relembrando: Nile Rodgers, "Adventures in the land of the good groove" (1983)

Nile Rodgers vivia uma espécie de estresse pós-traumático no começo dos anos 1980. O ex-guitarrista do Chic, um dos maiores gênios musicais que o planeta Terra conhece, tinha sido quase cuspido para fora do mainstream por causa do preconceito com a música dançante e com a disco music, no fim dos 1970. Um alegado desvio ultra-comercial da música feita para dançar, além de um evento-bizarrice chamado Disco Demolition Night (em que LPs de disco e de black music foram quebrados pelo público, numa ação que o próprio Nile compararia à queima de livros pelos nazistas) aumentaram mais ainda esse isolamento.

  • Temos episódio de podcast sobre a fase 1980-1983 de David Bowie.
  • Apoie a gente e mantenha nosso trabalho (site, podcast e futuros projetos) funcionando diariamente.

Em meio ao fim do Chic, ao excesso de drogas e à desilusão com o mercado fonográfico, Nile simplesmente desistiu de fazer hits. Ou esqueceu como se fazia, pelo menos por uns tempos. Começou a produzir outros artistas (fez Koo koo, estreia solo de Debbie Harry, do Blondie, lançada em 1981, que fez sucesso moderado) e reuniu material para seu primeiro voo solo, lançado logo após às ultimas investidas do Chic. Ainda sem ter certeza de que a estreia seria um sucesso de verdade.

Adventures in the land of the good groove, estreia solo de Nile Rodgers (11 de março de 1983) não estourou. Azar de quem não deu atenção para a estreia do músico, um disco com oito módulos dançantes, sem refrãos fáceis, primo da house music e até do jazz. Na época, fez sucesso com a crítica – Nile já estava escalado para produzir Let’s dance, de David Bowie (1983) e a revista Smash Hits chegou a afirmar que “se o disco de David tiver metade da qualidade, será excelente”.

Acaba servindo como um elo nada perdido entre a fase do Chic e as produções que Nile fez para Bowie e Madonna, em faixas como a afro-latina The land of the good groove, o pré-rap safado Yum yum (“dormi com as mãos sobre ele/me dê um pouco desse yum-yum antes de dormir nesta noite”), o funk-rock dançante de Beet (provavelmente a música do álbum que mais impressionou Bowie, já que realmente tem muito do groove do álbum Let’s dance) e Rock bottom.

Nile, em sua autobiografia Le freak, queixava-se (com toda razão) de que artistas brancos fazendo balanço invadiam as paradas de pop e r&b. Escreveu também, complementando, que negros que faziam sons dançantes ficavam restritos à parada de r&b (se fizessem misturas com new wave e rock em geral, perdiam mais terreno ainda). Adventures, heroicamente, era o disco que repatriava sons que Nile e seu parceiro Bernard Edwards haviam criado no Chic – e que haviam sido chupados por uma turma que incluía Queen, Blondie e uma galera enorme.

O design sonoro de Get her crazy, por exemplo, era análogo ao de Another one bites the dust, do Queen. Most down e It’s all in your hands eram o que o álbum entregava para quem era fã de David Bowie – mas Bowie foi outro que ficou de olho na música dançante dos anos 1970 e pôs tudo em seus discos, do seu jeito. Era o jeito do próprio Nile trazer de volta o que sua própria turma havia criado, e que estava “nas mãos” dos músicos para os quais frequentar as paradas de rock e new wave era rotina frequente. Tinha ainda a balada romântica My love song for you, uma das canções mais prototípicas do álbum.

Nile, que já tinha uma carteira considerável de hits com o Chic, conseguiu mais sucesso como produtor (e ajudou a fazer hits!) e como criador de trilhas sonoras do que como artista solo. Adventures e o segundo álbum, B movie matinée (1985) não venderam muito. O músico fez Madonna estourar com o álbum Like a virgin (1984), uniu-se a Bill Laswell para ajudar a bombar o primeiro disco solo de Mick Jagger (She’s the boss, 1985). Fez várias outras colaborações e produções, e até lançou em seu selo Sumthing Else trilhas para games (em DVD, o que era uma novidade para o mercado). Hoje mantém uma versão nova do Chic, que já veio até no Rock In Rio, em 2017.

Continue Reading

Cultura Pop

Relembrando: Julian Cope, “Saint Julian” (1987)

Published

on

O cantor e compositor galês Julian Cope costuma ser mais lembrado como o músico genioso que brigou com um (ex) amigo, Ian McCulloch, e o expulsou de sua banda, A Shallow Madness. Com outra formação (e sob a liderança de Cope), essa banda se transformou no Teardrop Explodes, grande grupo da região de Liverpool, cidade para onde Cope migrara. Ian, por sua vez, talvez estivesse em condições de mandar um “valeu, parceiro, é isso aí” para o ex-amigo (e o resto da história de Ian, você talvez já saiba – se não sabe, temos um podcast a respeito).

  • Temos um episódio do nosso podcast, o Pop Fantasma Documento, também sobre o Teardrop Explodes.
  • Apoie a gente e mantenha nosso trabalho (site, podcast e futuros projetos) funcionando diariamente.

Julian, como líder de banda, nunca foi um sujeito fácil: vivia doidão, tinha fama de tirano, sempre foi dado a ranços e rancores de morte. “Costumo fazer as entrevistas porque eu sou o único que realmente tem algo a dizer”, chegou a falar sobre seus colegas de Teardrop Explodes.

O grupo durou apenas até 1983. Após o fim, Cope precisou de um tempo para se livrar dos excessos (numa época em que muita gente já achava que ele tinha virado um Syd Barrett do pós-punk) e embarcou numa ótima carreira solo, que demorou alguns anos para fazer sucesso de verdade. Saint Julian, o primeiro álbum de Cope que muita gente escutou (lançado em 2 de março de 1987) já era seu terceiro álbum.

Saint Julian é mais conhecido por duas canções bem populares, Trampolene e World shut your mouth (mesmo nome do primeiro LP solo dele, de 1984, mas a música só saiu no terceiro álbum). O disco veio de um verdadeiro bombril que Julian topou passar em sua carreira: assinou com a Island, cortou o cabelo, adotou uma imagem mais positiva de rockstar, vestiu-se de couro da cabeça aos pés e passou a gravar canções com arranjos mais “épicos”.

O lado mais dark do seu trabalho anterior estava lá ainda, mas sob a forma de verdadeiros hinos, como Shot down, Saint JulianEve’s volcano e outros. Além de pelo menos um clássico punk-psicodélico, Pulsar. E de uma canção de oito minutos, arrastada e sombria, e de teor quase medieval: A crack in the clouds. Já Screaming secrets é uma das faixas mais associáveis ao Teardrop Explodes, com toda a carga dramática da ex-banda de Cope na letra (“preciso questionar/todas essas coisas que são bons conselhos”).

O disco também representava uma volta às origens: Julian estava encantado novamente com o lugar na Inglaterra onde passara a infância (Tamworth, uma cidade de 74.272 habitantes) e incluíra a bandeira da localidade até mesmo no logotipo do LP, publicado no encarte. Enxergava ligações até mesmo entre o design da bandeira e a criação do famoso microfone “de três andares”, com apoios para o pé, que Cope vinha usando nas turnês desde 1986.

Numa entrevista da época (lançada num single que foi incluído em algumas edições do disco), Julian admitia que Saint Julian apostava suas fichas no vermelho e no preto simultaneamente. Interessado em temas como paganismo e ocultismo – e portador da pecha de “guru do ácido” da geração pós-punk – Cope atraía um rebanho de freaks que chegava a peregrinar até sua casa.

Ao mesmo tempo, o cantor zoava o culto aos astros, e o que chamava de “me siga, vou liderar você”, ou “agitar bandeiras” (talvez uma referência cruel ao bandeirão branco que Bono, do U2, agitava no palco na época da turnê do disco War). “Nunca nem me ocorreu que eu teria que falar com pessoas. Eu era um grande fã de John Cale, fui vê-lo em Birmingham, e nunca me passou pela cabeça a ideia de dizer um ‘olá, como vai?’ a ele”, brincou.

A carreira de Julian Cope ainda teria altos e baixos imediatos logo após Saint Julian – um disco do qual (incrivelmente!) ele já declarou não ser muito fã. Seu contrato com a Island prosseguiria com o bom My nation underground (1988), mas sofreu abalos quando ele resolveu gravar um disco quase pirata dentro da gravadora, Skellington (lançado só em 1989). Cope vem lançando discos até hoje, equilibrando-se entre psicodelia, pós-punk e até folk pagão, e divide seu tempo com a carreira de escritor – tendo lançado livros importantes como Krautrocksampler, com a história (resumida) do rock experimental alemão. E tem que ser mais ouvido.

Continue Reading

Cultura Pop

No nosso podcast, Prince na fase 1982-1986, incluindo “Purple rain”

Published

on

A partir de 1982, com o disco 1999, Prince redefiniu os parâmetros da palavra “revolução” em música. Se você ainda não conhecia Prince, estava obrigado a prestar atenção nele. Você iria acabar notando aquele gênio musical que compunha praticamente tudo sozinho, produzia seus próprios discos, tocava todos os instrumentos (mas liderava uma turma bem legal no palco, a banda The Revolution), apresentava hits como When doves cry, 1999, Little red corvette, Raspberry beret. E ainda migraria para o cinema, com o megasucesso da tela Purple rain.

Prince era pop. Mas apesar disso – e talvez por causa disso – incomodava. Era um músico preto liderando uma banda, era um cara de visual andrógino atuando nos conservadores anos 1980, foi o autor de músicas extremamente ativas sexualmente, foi o compositor que deixou uma turma indignada com o conteúdo de suas letras. E no segundo episódio da temporada 2024 do nosso podcast Pop Fantasma Documento, a gente viaja na fase 1982-1986 de Prince – aquele período em que o título de “rei do pop” concedido a Michael Jackson ficou severamente ameaçado.

Nomes novos que recomendamos e que complementam o podcast: Black Pumas e Yoùn.

Estamos no Castbox, no Mixcloud, no Spotify, no Deezer e no Google Podcasts. 

Edição, roteiro, narração, pesquisa: Ricardo Schott. Identidade visual: Aline Haluch. Trilha sonora: Leandro Souto Maior. Vinheta de abertura: Renato Vilarouca. Estamos aqui de quinze em quinze dias, às sextas!

Arte: Aline Haluch em cima da capa de Parade.

Continue Reading
Advertisement

Trending