Presença marcante em trilhas sonoras de novelas brasileiras dos anos 1970 e 1980 (O astro, Pecado rasgado, Eu prometo), a cantora e compositora americana Rita Coolidge tinha gravado seu primeiro disco solo em 1971, e estava tirando as fotos de divulgação, quando o fotógrafo resolveu ligar o rádio do estúdio. Enquanto caminhava de um lado para o outro para posar para as fotos, Rita começou a prestar atenção na música que rolava nos falantes. Era a famosa “saída de piano” (a parte 2, enfim) de Layla, o sucesso do mais novo grupo de Eric Clapton, Derek & The Dominos, que ela não conhecia.

Só que ela começou a achar aquilo tudo muito familiar. De repente, veio o estalo: aquilo era bem parecido com uma música sua, Time (Don’t let the world get in our way), feita em parceria com seu ex-namorado, Jim Gordon.

Gordon, por acaso, era baterista de Derek & The Dominos, banda que além dele e de Clapton tinha Bobby Whitlock, Carl Radle e Duane Allman. E era o “autor” da tal parte 2 de Layla, que tinha sido originalmente gravada uma semana depois do primeiro segmento. As duas partes foram unidas pelo mitológico engenheiro de som Tom Dowd, que trabalhou no disco. Isso porque Clapton, terminando a gravação, havia escutado Gordon tocando a introdução de Time no piano no Criteria Studios, em Miami. O guitarrista curtiu o som e sugeriu ao amigo que acrescentasse o segmento na música, com parceria para os dois.

Logo que ouviu a música, Rita ficou putíssima da vida – em sua autobiografia Delta lady, lembra de ter começado a chorar e sentido as veias do pescoço saltarem. “O que eles claramente fizeram foi pegar a música que Jim e eu tínhamos escrito, descartar a letra e pendurá-la no final da música de Eric. Era quase o mesmo”, escreveu, lembrando que inicialmente, Gordon havia feito um riff fenomenal que ainda não era uma canção. Rita conseguiu formatar a criação do namorado acrescentando uma progressão de acordes (a história toda de como a música foi composta está aqui, em inglês).

Time virou uma demo, e ela se recorda de ter tocado a canção ao piano para Eric, na esperança de que o guitarrista gravasse a música – uma demo foi deixada com ele. Quando Rita viu o disco do Derek, achou motivos para ficar mais irritada ainda: Layla só tinha créditos para o cantor e o baterista (e pianista), mais ninguém.

Rita Coolidge, que já havia terminado com Gordon (em 1970, tinha sido agredida fisicamente por ele e encerrou o relacionamento) reconheceu que se tratava de uma saída de mestre. A coda de piano era o final perfeito para uma música que basicamente tratava de amor não-correspondido (no caso, de Eric por Pattie Boyd, então mulher de seu melhor amigo George Harrison, e sua futura esposa). Mas era plágio, e dos brabos. Em busca de uma retratação, Rita falou com seu empresário, com Jerry Moss (dono de sua gravadora A&M). E, finalmente, com o empresário de Clapton, Robert Stigwood, que lhe brindou com um “quem você pensa que é? Você é só uma cantora”. Ficou tudo por isso mesmo.

O assunto do plágio de Layla voltou a ser comentado em 2016 quando saiu a autobiografia de Rita. Ela resolveu a história na sua cabeça quando descobriu que parte dos milhares de dólares de royalties da canção sustentaram os estudos Amy, a filha de Gordon. Isso porque o baterista, que já não primava pela estabilidade emocional e vivia tendo surtos, assassinou a mãe em 1983 com uma faca de cozinha. Gordon ainda está preso na Califórnia e a filha, que cuida dos seus direitos autorais, chegou a pedir que ele não fosse solto. A história do baterista está toda aqui, num excelente perfil da Rolling Stone, em inglês.

Rita afirmou no livro que era a hora de todos saberem que Layla tem vários pais (“além das contribuições de Eric e Jim, Duane Allman pode ter adaptado parte do riff de guitarra do vocal de Albert King em As the years go passing by”), mas que também tem uma mãe. Time, por sinal, mesmo com o sucesso de Layla, acabou sendo lançada. A canção surgiu em 1973 creditada apenas a Rita no disco Chronicles, da dupla formada pelo músico Booker T e a irmã de Rita, Priscilla Jones.

Veja também no POP FANTASMA:
Prince fazendo um emocionante solo de guitarra em While my guitar gently weeps.
– A fase 1972 de Arthur Lee de volta
– Aquela época em que Ginger Baker foi baterista do Masters Of Reality