Connect with us

Artes

Heinz Edelmann: o criador de Yellow Submarine num papo sobre o filme

Published

on

Heinz Edelmann: o criador de Yellow Submarine num papo sobre o filme

Em 2005, o Animation World Network achou ninguém menos que Heinz Edelmann (1934-2009), o cara que fez os desenhos da animação Yellow submarine, dos Beatles. O artista checo foi a Nova York receber um prêmio da Escola de Artes Visuais local e recordou um pouco de sua carreira. E revelou que não tinha experiência com animação antes de encarar o filme dos Beatles.

Heinz morava na Alemanha nos anos 1960 e tinha se envolvido com um projeto maluco de protesto chamado A saudação nazista como símbolo fálico, que envolvia animações curtas e “pessoas de um braço só, carregando o braço num estojo de violino”, como lembra. “O projeto nunca nem foi realizado, filmei um minuto e vi que não tinha experiência”, conta.

Quem levou Heinz para trabalhar no filme foi o diretor de efeitos especiais, Charles Jenkins. Ele era casado com uma garota alemã que viu o trabalho de Heinz como ilustrador em revistas do país. Edelmann diz ter sido procurado pelo chefe de Jenkins, George Dunning. Ele disse a Edelmann que o filme já tinha personagens e cenários criados, e que fora isso, ele faria tudo, responsabilizando-se pelas “coisas estranhas que ele já fazia”.

O problema é que na época, fim dos anos 1960, era enorme o desgaste das relações em qualquer coisa que envolvesse os Beatles – com direito a sumiços de profissionais contratados, grana entrando e saindo a rodo, gente completamente desfocada, demandas pessoais tomando o espaço de questões de trabalho, etc.

Advertisement

Edelmann diz ter passado dois meses frustradíssimo porque ninguém tomava uma providência em relação ao roteiro. “Eles começaram a fazer um storyboard e o abandonaram, e consideraram dezenas de pessoas para fazer um novo roteiro. Finalmente o dia da apresentação ao produtor rolou. Só que como eram todos ingleses arquetípicos, eles seguiram religiosamente a tradição do ‘fim de semana longo’”, contou ao site.

Ou seja: no fim de semana, havia muito trabalho pela frente. “Me falaram: ‘Faça algo no fim de semana, faça Davy Jones Locker (uma sequência que mais tarde evoluiu para o Mar de Monstros)‘. Por alguma razão, achei que era uma ideia muito odiosa. Há um personagem similar da cultura alemã chamado Klabautermann (um espírito que protege navios) que eu sempre odiei. Eu simplesmente não gostei da ideia”. No lugar, Edelmann preferiu concentrar-se na criação dos Blue Meanies e da luva voadora. “Dei a ela propulsão de jato. De alguma forma, para seu crédito, o produtor (Al Brodax) gostou”, contou.

Na época, recorda Edelmann, havia a ideia de fazer com que Yellow submarine fosse um filme em live-action (“nunca gostei disso, animação e ação são coisas separadas”, afirma). A equipe queria aproveitar o fato de Jenkins ter uma câmera especial para fazer isso. Difícil imaginar esses avanços no caso de uma produção tão caótica e mal mapeada. Para resolver o que considerava como furos do roteiro, Heinz projetou Yellow submarine como vários filmetes interligados.

“Eu me demitia a cada duas semanas, até que ninguém levasse mais a sério as minhas demissões. Acho que metade do orçamento do filme foi para um pub no qual os animadores antigos bebiam bastante. Escreveu, não leu, todos estavam no pub às três. Todo mundo voltava ao trabalho e às seis, shoop, todos eles magicamente desciam. Eles quase não comiam, eles apenas bebiam”, recorda. “Não havia roteiro, o que foi um pouco enervante. Eu tive que fazer tudo da minha cabeça. Eu nunca poderia voltar e refazer nada. Ele só tinha que ficar daquele jeito. Isso, depois de um par de semanas, provou ser bastante tenso”.

Advertisement

Por causa do trabalho em Yellow, Heinz passou noites e noites sem dormir, desenvolveu problemas circulatórios e precisou baixar hospital assim que terminou o trabalho. Em meio aos trabalhos, misturou referências malucas (o discurso do chefe dos Blue Meanies foi inspirado nas arengas do Grande ditador, de Charlie Chaplin) e espantou-se com o desinteresse dos próprios Beatles pelo filme.

Heinz Edelmann: o criador de Yellow Submarine num papo sobre o filme

A banda tinha um contrato de três filmes com a United Artists (dos quais fizeram parte Help! e A hard days night) e precisava basicamente encerrar o acordo. Na busca por um projeto, chegaram a falar num faroeste chamado A talent for loving e num filme bizarro chamado Shades of personality, em que um infeliz interpretado por John Lennon sofre de tripla personalidade (com os outros três beatles dando vida a cada uma delas). Para se livrarem da obrigação, fizeram o desenho e filmaram aquela sequência pequena do final em que os quatro aparecem.

“Durante a produção, eles estavam mais ligados a Magical mystery tour. Eu vi parte do filme na sala de corte. Eu percebi que não era algo para ser tão bem sucedido. Eles eram garotos brilhantes, mas você simplesmente não faz um filme como esse, você não entra em outra profissão”, recorda Edelmann, que foi criando Yellow submarine inteirinho sem ter algo para mapear, e quando deu por si, não havia edição: tudo o que ele fazia estava sendo aproveitado, numa espécie de experimento de improvisação com métodos avacalhados. Anos depois, Yellow submarine foi restaurado e reeditado em VHS e DVD com um monte de cenas que o próprio Edelmann tinha tirado.

E é isso. Depois do filme dos Beatles, Edelmann fez diversos trabalhos e chegou a montar uma empresa com Jenkins. E também desenhou anúncios para os pianos elétricos Fender Rhodes. Olha aí dois deles.

Heinz Edelmann: o criador de Yellow Submarine num papo sobre o filme

Heinz Edelmann: o criador de Yellow Submarine num papo sobre o filme

Mais Heinz Edelmann no POP FANTASMA aqui.

Advertisement

Mais Beatles no POP FANTASMA aqui.

Artes

Al Hirschfeld, o cara por trás da capa de Draw The Line, do Aerosmith

Published

on

Al Hirschfeld, o cara por trás da capa de Draw The Line, do Aerosmith

Conhecido pelos desenhos que fazia de celebridades, o americano Al Hirschfeld estudou pintura, desenho e escultura em 1924, em Paris e Londres. Ao voltar para os EUA, começou a fazer colaborações para jornais como o New York Herald Tribune e o New York Times. No NYT, era comum que seus desenhos de celebridades servissem para anunciar novas peças da Broadway, o que serviu para construir uma ligação forte dele com o teatro de Nova York, e com o cinema.

Al Hirschfeld, o cara por trás da capa de Draw The Line, do Aerosmith

Al também fez vários desenhos de capas de discos, a maioria de jazz e música clássica. Seu traço fino, cheio de estilo e de detalhes, costumava funcionar bem para detalhar cenários. E nas mãos de Al, os personagens ganhavam sobrancelhas expressivas e cabelos cheios de ondulações. Se tivessem barba, então, era um destaque a mais.

Al Hirschfeld, o cara por trás da capa de Draw The Line, do Aerosmith Al Hirschfeld, o cara por trás da capa de Draw The Line, do Aerosmith Al Hirschfeld, o cara por trás da capa de Draw The Line, do Aerosmith Al Hirschfeld, o cara por trás da capa de Draw The Line, do Aerosmith Al Hirschfeld, o cara por trás da capa de Draw The Line, do Aerosmith Al Hirschfeld, o cara por trás da capa de Draw The Line, do Aerosmith Al Hirschfeld, o cara por trás da capa de Draw The Line, do Aerosmith

Olha aí Al em plena atividade.

Vários desenhos de Al eram coloridos, em especial os de capa de discos. Mas os melhores trabalhos do desenhista eram mesmo em preto e branco. Assim como acontecia no caso de um dos desenhistas brasileiros mais expressivos de todos os tempos, Benicio, Al também fez pôsteres de filmes, como o de O mágico de Oz (1939), ou os de algumas produções de Chaplin.

Advertisement

Al teve certo relacionamento com o universo do rock, fazendo desenhos de celebridades do estilo, como Mick Jagger, Jerry Garcia e os Beatles. Olha aí as fuças dos quatro de Liverpool pelo traço de Al Hirschfeld.

Al Hirschfeld, o cara por trás da capa de Draw The Line, do Aerosmith

E se você está reconhecendo o traço de Al de algum lugar, sim, foi ele que fez a capa de Draw the line, disco do Aerosmith de 1977.

Al Hirschfeld, o cara por trás da capa de Draw The Line, do Aerosmith

O guitarrista do Aerosmith, Joe Perry, se recorda de que o trabalho com Al foi relativamente rápido. O desenhista foi até o hotel onde a banda estava hospedada para gravar o disco, e passou de meia hora a 45 minutos conversando com eles. O músico chegou a perguntar se ele queria tirar fotos da banda, mas Al disse que tinha tudo o que precisava. Tinha mesmo. “Cerca de uma semana depois, recebemos um desenho incrível, que apenas mostrou como o cara era incrível e brilhante. Tudo o que ele precisava fazer era dar uma olhada em nós e realmente nos capturou”, contou aqui.

Draw the line, por sinal, escondia uma referência dupla em seu título – que se relacionava tanto com a própria capa desenhada por Al quanto com outro tipo de “linhas”, digamos. O Aerosmith estava afundado na cocaína a ponto de Perry dizer que “se os Beatles tinham o White album, esse é nosso ‘álbum do blecaute’”, contou. “Nem sequer estávamos na mesma sala quando as músicas foram gravadas. A única coisa que liga tudo eram nossos headphones. Éramos viciados em drogas interessados em música, não músicos interessados em drogas”, recordou. Para completar o material que o grupo não conseguia terminar, rolaram letras até do produtor, Jack Douglas.

Ouça aí e tire suas próprias conclusões 🙂 Já Al continuou desenhando por vários anos, ganhando prêmios, lançando livros com sua arte e fazendo exposições. Morreu em 20 de janeiro de 2003, aos 99 anos, de causas naturais.

Advertisement

Continue Reading

Artes

Quando os fãs do Joy Division quase cancelaram Closer

Published

on

Quando os fãs do Joy Division quase cancelaram Closer

Assim que escutou Closer, segundo disco do Joy Division (1980), Tony Wilson, o chefe da gravadora Factory resolveu demonstrar ao guitarrista da banda, Bernard Sumner, que sabia estar diante de um grande sucesso. Só que fez isso de maneira bastante equivocada: “Sabe, Bernard? No ano que vem você estará relaxando em uma piscina em Los Angeles com um coquetel na mão”, disse. “Foi a coisa mais ridícula que alguém já me disse”, contou anos depois o músico – cuja banda, na época, estava extinta por causa do suicídio do cantor Ian Curtis.

Quando os fãs do Joy Division quase cancelaram Closer

A morte era, digamos, uma convidada especial em Closer, não apenas no subtexto bizarro (a partida do vocalista), como também nos trechos mais autodestrutivos de algumas letras. Em Isolation, Ian cantava coisas como “mamãe, eu tentei, por favor acredite em mim”, “tenho vergonha da pessoa que sou”. Mas ainda tinha a capa do disco. A imagem da estreia da banda, Unknown pleasures (1979) era tão amigável quanto a de Dark side of the moon, do Pink Floyd – apesar de trazer “a morte de uma estrela” expressa num gráfico. A de Closer era uma tumba sem margem de dúvida.

TÚMULO

A foto que você vê na capa de Closer é o jazigo da família Appiani, no cemitério monumental de Staglieno, em Gênova, na Itália. As esculturas foram feitas por Demetrio Paernio em 1910 (e ainda teve gente que, quando viu a capa, pensou que fossem pessoas de carne e osso). A foto foi clicada em 1978 por Bernard Pierre Wolff e entrou no disco por ideia dos designers Martin Atkins e Peter Saville, com a aprovação de todo mundo da banda, antes da morte de Ian.

Só que Closer atrasou e ainda por cima aconteceu a tragédia. E lá estava a banda, com uma coleção de canções sombrias para vender nas lojas, com uma capa daquelas. Saville, assim que soube da morte de Ian, se preocupou mas nada pôde fazer. “Tony Wilson me deu a notícia e eu disse: ‘Temos um problema. A capa do álbum tem uma tumba’”, disse.

Já os fãs da banda (e alguns críticos) se apressaram a meter o pau no grupo e a acusar todo mundo de se aproveitar da morte de Ian para apelar e ganhar grana. “A fotografia parecia uma profecia sinistra, ou uma piada de mau gosto para ganhar dinheiro. Quem em sã consciência colocaria uma tumba na capa do álbum de uma banda cujo cantor acabou de morrer?”, chegou a afirmar o batera Stephen Morris.

Advertisement

ZOOM

Aquela imagem que foi parar na capa de Closer estava numa revista de arte chamada Zoom, que Saville tinha folheado. Na época, até ele mesmo ficou na dúvida se eram pessoas ou esculturas. Mas gostou da imagem e mostrou para a banda, que adorou e quis que aquilo aparecesse no disco.

Quando os fãs do Joy Division quase cancelaram Closer

Outra foto da revista vazou para a capa do single Love will tear us apart, e não era menos sinistra. Saville disse ter se recordado de que a decisão foi em conjunto, com Ian participando de tudo. Só que… “O preocupante é se perguntar o que estava em sua mente”, afirmou.

Ir à Gênova agora fica um tantinho complicado, mas se você for muito fã do JD, vale dizer que um site de fãs chamado Joy Division Central dá certinho o caminho para você chegar aos locais que inspiraram as capas do LP e do single da banda.

Mais Joy Division e mais New Order no POP FANTASMA aqui e aqui.
Tem conteúdo extra desta e de outras matérias do POP FANTASMA em nosso Instagram.

Advertisement
Continue Reading

Artes

Tem exposição do Daniel Johnston vindo aí

Published

on

Tem exposição do Daniel Johnston vindo aí

Morto em 2019 após um suposto ataque cardíaco, o músico e artista visual Daniel Johnston sofria de transtorno bipolar e havia passado os anos 1980 e 1990 distribuindo fitas com suas gravações para todo mundo que encontrava em Austin, no Texas, onde morava. Também era desenhista além de músico, e esse outro lado de sua produção vai ganhar uma exposição entre o dia 28 de janeiro e 7 de fevereiro. Daniel Johnston: Psychedelic drawings é uma produção da Outsider Art Fair e vai rolar no Electric Lady Studios em Nova York. Pode ser vista pessoalmente e online. Os ingressos estão disponíveis aqui.

Inicialmente um artista totalmente independente, que vendia seus discos em demos e gravava tudo no quarto de casa, Daniel Johnston conseguiu chegar mais perto do profissionalismo com o passar dos tempos. Apareceu na MTV em 1985 como integrante de uma cena pouco duradoura da região, a new sincerity (vale um texto no POP FANTASMA sobre isso) e conseguiu gravar um disco feito de maneira mais formal em 1988, chamado 1990.

1990 já era, àquela altura, seu décimo primeiro disco, mas foi o primeiro feito num estúdio de verdade, com um produtor de verdade (Mark Kramer, que foi músico de bandas como Ween, Butthole Surfers e Half Japanese).

Como acontecera nas gravações de discos de Syd Barrett, anos antes, Daniel tinha dificuldades de aderir a um cronograma comum de gravações e o material precisou ser completado com faixas ao vivo. Não foi um dos momentos mais tranquilos da vida do cantor e compositor, que passou por momentos de estresse durante o trabalho e acabou internado em 1990 (após quase provocar um acidente de avião tirando a chave do contato enquanto seu pai, um ex-piloto da Força Aérea dos Estados Unidos, controlava a aeronave).

Advertisement

O plot twist na vida de Daniel viria justamente por causa do desenho. Kurt Cobain aparecera na TV com uma camiseta com a capa de um disco de Johnston, Hi, how are you: The unfinished album (1983).

O desenho feito pelo músico para a capa virou mania de uma hora para a outra, e Kurt ainda havia listado Yip/Jump Music, outro disco lançado em 1983 por Johnston em fita K7, em uma lista de discos preferidos. Aconteceu que em 1994, mesmo internado, Daniel conseguiu virar até mesmo aposta de gravadora: gravou o disco Fun, pela Atlantic. Não vendeu nada e Daniel voltou para o underground.

Dos anos 1990 até seus últimos dias, Daniel continuou gravando, desenhando e criando coisas – em 2012, saiu até um gibi, Space Ducks – An infinite comic book of musical greatness. Também fez uma última turnê em 2017, com cinco datas, e permaneceu gravando – em 2001 saiu um disco cujo título fazia referência ao término de seu contrato com a Atlantic, Rejected unknown.

Advertisement

A exposição não está acontecendo no Electric Lady à toa: Lee Foster, sócio-gerente do Electric Lady, era colecionador do trabalho de Daniel e hoje está à frente do Daniel Johnson Trust. E lembra que o estúdio já havia sido pensado como um espaço para as artes plásticas na época em que Jimi Hendrix concebeu o estúdio. “A arte sempre foi um acessório no Electric Lady – desde a grande ficção científica, murais espaciais encomendados por Hendrix, às instalações de decupagem feitas aqui no início dos anos 1970”, afirmou num comunicado.

Tem conteúdo extra desta e de outras matérias do POP FANTASMA em nosso Instagram.

Continue Reading
Advertisement

Trending