E saiu o décimo-terceiro! Calma, sua conta bancária continua na mesma: estamos falando do 13º disco de Beck, Colors, que já estava sendo aguardado havia bastante tempo. E que dá uma mudada na carreira do cantor, compositor, músico e herói indie. No novo disco, ele adquire uma sonoridade que está sendo tida como “mais pop” por muita gente. E que ele define como “nem retrô nem moderna”. Demos uma olhada nas entrevistas que ele vem dando ao longo dos meses, e vimos alguns causos, detalhes e definições que o próprio tem dado a seu novo lançamento (e enquanto isso, confira os singles que já saíram do álbum).

POP OU NÃO? Beck conta que resolvesse ligar o rádio e ouvir o que está rolando, diria que Colors não é um disco pop. É o que o próprio diz ao New Musical Express. “Tem muita música rolando por aí. Nossa ideia foi: ‘Vamos tentar fazer algo que não seja efêmero, que desaparecerá quando alguém sair de perto dele’. Havia uma sensação positiva forte enquanto fazíamos o disco, havia carinho e apreciação, ambos renovados, por estarmos tocando”, resumiu o clima do álbum.

BARRADOS NO BAILE No mesmo papo do NME, Beck falou a respeito do dia em que ele, Taylor Hawkins (Foo Fighters) e ninguém menos que Paul McCartney foram impedidos de entrarem na festa pós-Grammy do rapper Tyga, em 2016. Na verdade, essa turma toda estava a caminho da festa do produtor Mark Ronson, mas estavam mais perdidos que cego em tiroteio. “Alguém tinha dado o endereço errado para a gente. Daí ficamos literalmente caminhando pelas ruas, procurando por algo que parecesse uma festa. Paul soltou: ‘Oh, isso parece uma festa’, e foi subindo, sem cerimônia. Depois vimos que estávamos na parte errada da cidade”, recorda.

VAZOU O NME vê histórias como essa, e o período em que Beck ficou meio sumido do mercado e sem gravadora (entre 2009 e 2013), como tendo vazado em músicas confessionais de Colors, como Dear life. “Quando você faz música por muitos anos, sempre há expectativa de que você vá embora. A música popular é construída para as pessoas irem e virem. Tem uma hora em que, sim, você pensa que pode estar fazendo hora extra. Nem é algo sobre insegurança, é sobre ser verdadeiro com você mesmo”, considera o cantor.

QUASE DESISTIU Nessa época, por sinal, Beck chegou a pensar em atuar apenas como produtor e quase desistiu de vez de lançar novos discos. “Cheguei naquele ponto em que não tinha certeza se as pessoas precisavam de outro disco. Sempre há um fim natural para a carreira de alguém em música. Pensei que o mundo poderia estar me falando: ‘Tá legal por aqui. Pode parar'”, disse ao Now Toronto.

DEMOROU PARA ABALAR O período entre Morning phase (2014) e Colors não é o maior hiato entre um disco e outro de Beck, já que ele ficou de 2009 a 2013 sem gravadora. Mas como o primeiro single do novo disco, Dreams, saiu em junho de 2015, a sensação de demora até sair Colors foi grande. “É porque o disco era para ter saído um ano depois do Morning phase, mas mais gente foi ouvindo o Morning e o encontrando. Deixamos o trabalho parado”, contou ao The Current. Em meio a turnês, ele e o produtor Greg Kurstin foram criando coisas no estúdio e usando o velho método de tentativa e erro.

KANYE PARCEIRÃO O rapper Kanye West reclamou (muito) publicamente da premiação de Beck no Grammy 2015. O cantor levou a estatueta de Álbum do Ano por Morning phase e desbancou o disco autointitulado de Beyoncé. Kanye subiu ao palco e ameaçou tirar o microfone do colega. Depois declarou que a organização precisa “parar de tirar sarro da nossa cara”, e que Beck deveria dar o prêmio para Beyoncé. Beck revela ao NME que nunca nem sequer esteve com Kanye, mas que chegou a convidá-lo para uma parceria em Morning phase. “Ou ele estava ocupado ou não estava interessado, não sei. Nunca nem recebi resposta dele”.

PRODUTOR Beck é bom produtor – cuidou de discos como Kissin time, de Marianne Faithful (2002, só em algumas faixas) e Demolished thoughts, de Thurston Moore (2011). E para um cara tão autossuficiente, como foi trabalhar com um sujeito espaçoso como Greg Kurstin na produção de Colors? “Acontece com todos os artistas e aconteceu comigo: o que vem natural ou é fácil para você, você sempre deve dar um desconto. Às vezes você precisa de outra pessoa, seja um produtor, ou um integrante da banda, para falar: ‘Não, o legal é isso aqui’. Kurstin é ótimo para trabalhar, ele é tão positivo e ambos geramos muitas ideias. Por isso algumas músicas têm oito, nove segmentos”. Greg, que é metade da dupla The Bird And The Bee (com a cantora Inara George) fez e produziu sucessos de Adéle e Pink, recentemente cuidou de Concrete and gold, dos Foo Fighters e é um sujeito que, passando por baixo, já ajudou a vender 60 milhões de discos. Em Colors, co-produziu, compôs quase tudo ao lado de Beck e tocou todos os instrumentos com ele.

E pega Colors aí!