Bob Dylan, como diria a sua avó, estava im-pos-sí-vel em 1965. Entre abril e maio daquele ano, o cantor saiu pela Inglaterra para uma turnê e, entre um show e outro, deu uma zoada em Donovan (a mais nova sensação pop da Europa), deu uma desprezada em Joan Baez (sua parceira e, em tese, seu amor da época), brigou com uma ou outra pessoa mais avançadinha e invasiva. E, ah, foi desenvolvendo um estilo todo próprio de tratar jornalistas e imprensa em geral – quase sempre aos pontapés.

Esse lado meio bizarro de Dylan foi mostrado sem muitos cortes no documentário Dont look back, de D.A. Pennebaker, que pode ser visto na edição 2021 do festival In-Edit – e está na plataforma Cinema em Casa do Sesc SP. Surgido como um grande líder das plateias jovens, Dylan atraía um público numeroso aos seus shows, era mimoseado por empresários, procurado por jornalistas, mas nunca foi um dos artistas mais pacientes para todo o trato social que envolve a escalada até a fama.

>>> Veja também no POP FANTASMA: Várias coisas que você já sabia sobre Blonde On Blonde, de Bob Dylan

O filme tem cenas clássicas envolvendo esse temperamento complicado de Dylan, e em algumas deles você simplesmente tem dificuldade para acreditar que aquilo tudo aconteceu de verdade, ou que não foi armado. Pennebaker, que tirou grana do bolso para bancar o filme (mas teve acesso liberado a tudo dos bastidores), recordou certa vez que Albert Grossman, empresário de Dylan, “queria que Dylan se familiarizasse com o fato de ser filmado”.

O diretor chegou a pensar que o empresário queria mesmo era usar o filme para vender os shows que o cantor faria nos EUA. Mas de qualquer modo Pennebaker não investiu muito em filmar shows. Até porque durante a maior parte do tempo a “equipe” do filme era ele mesmo e mais poucas pessoas.

E uma das cenas mais, er, sui generis de Dont look back traz um bate-papo bem estranho entre Dylan e um pobre estudante de ciências que foi lá entrevistá-lo, e acabou sendo vítima da mordacidade do cantor.

>>> Veja também no POP FANTASMA: Quando Mick Ronson foi tocar com Bob Dylan

O bate-papo de Dylan com o garoto está legendado no link do Sesc (enfim, o filme inteiro está legendado). Basicamente o cantor ironiza bastante as tentativas de perguntas do estudante, que também não está em seus melhores dias como repórter. Num dos momentos mais ~simpáticos~ da conversa, o garoto pergunta a Dylan sobre seus sentimentos em relação a pessoas desconhecidas e a ele, em particular. Resposta do cantor: “Não sinto nada em relação a você. Por que deveria? Nem te conheço”.

O twitter Bob Dylan Notes vasculhou uns fanzines antigos sobre Dylan e… descobriu quem era o tal estudante, que depois se tornaria uma pessoa ilustre e ate reencontraria Dylan novamente. Era ninguém menos que Terry Ellis, que depois se tornaria co-fundador da gravadora Chrysalis e empresário do Jethro Tull. E bem depois disso viraria dono da Imago Records. Olha aí um papinho com ele.

>>> Veja também no POP FANTASMA: O documentário quase secreto de Bob Dylan

O depoimento de Ellis choca pela maneira mole-mole-fácil-fácil com que ele, realmente um universitário na época, conseguiu chegar perto de Dylan. Ele costumava entrevistar as bandas que se apresentavam no Newcastle City Hall para uma revista de estudantes e já conhecia a turma da porta do local. Foi lá, disse que queria falar com Dylan e teve a entrada liberada com um singelo “pode entrar, mas ele não está dando entrevista para ninguém”.

Ellis queria ir ao show, mas não estava nem um pouco animado de conversar com Dylan porque sabia que o cantor estava meio irritadinho com jornalistas. Mas acabou sendo levado por um dos roadies do cantor até o camarim e, no caminho, quase cagou nas calças de medo.

“Eu vi um brilho perverso nos olhos de Dylan. Não sei se era algo induzido quimicamente ou não, mas nesse momento eu me senti como um carneiro indo pro abatedouro”, recordou Ellis, afirmando que não acreditava que Dylan queria ser cruel com ele, e que enxergava aquilo tudo como uma espécie de jogo comandado pelo cantor.

>>> Veja também no POP FANTASMA: MC Bob Dylan

“Ele estava sendo agradável, mas do jeito cáustico dele”, recorda. Também diz que se sente embaraçado quando assiste ao filme. “Tenho uma cópia do filme em casa e não só não vejo de jeito nenhum, como proíbo outras pessoas de fazerem o mesmo. Don’t look back!”, brincou.

Ah, sim: bem depois disso, Ellis virou empresário justamente do ex-tecladista dos Animals, Alan Price, que aparecia na mesma cena que ele em Dont look back (“eu o havia entrevistado antes e ele achava que eu era um completo idiota”, diz). Ficou amigo de Grossman, empresário de Dylan, já que tanto a Chrysalis quanto a Bearsville (de Albert) eram distribuídas pela Warner. Em 1969, já trabalhando com o Jethro Tull, foi reconhecido pela voz (eita) quando deu um esporro nuns técnicos de som. Alguns anos depois, foi apresentado brevemente a Dylan mas achou melhor não lembrá-lo da entrevista frustrada.

Aliás, aproveita e pega aí Patti Smith lembrando do valor que Dont look back tem para ela, e dizendo que sabe cada palavra de cada diálogo do filme.

>>> Saiba como apoiar o POP FANTASMA aqui. O site é independente e financiado pelos leitores, e dá acesso gratuito a todos os textos e podcasts. Você define a quantia, mas sugerimos R$ 10 por mês.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here