Connect with us

Cultura Pop

Oito biografias do barulho

Published

on

Oito biografias do barulho

Ao que consta, o Dia Mundial da Liberdade de Imprensa (que é hoje!) foi criado pela Unesco em 1993, e serve para lembrar (e protestar) contra as arbitrariedades cometidas contra jornalistas ao redor do mundo. Sendo assim, nada mais justo do que o POP FANTASMA aproveitar o dia para recordar oito biografias ligadas à música que causaram muitas dores de cabeça a seus biografados, ou que têm conteúdo bastante controverso, ou que revelaram a verdade por trás de muitas carreiras.

“ROBERTO CARLOS EM DETALHES” – PAULO CÉSAR DE ARAÚJO. O tipo de livro cujo making of daria outro livro – aliás, deu, já que PC escreveu O réu e o Rei. Proibido por Roberto Carlos, não voltou às livrarias até hoje, embora Paulo já tenha escrito um outro livro sobre Roberto, que acabou de sair. Ao que consta, mais do que a revelação de detalhes (sem trocadilho), Roberto ficou mesmo irritado foi com a possibilidade de alguém poder lançar um livro sobre sua história. “É um patrimônio meu!”, reclamou.

“O REI E EU” – NICHOLLAS MARIANO. O livro do ex-mordomo de Roberto Carlos contando minúcias do dia a dia do cantor foi proibido, recolhido e nunca mais saiu. O editor Roberto Pinheiro Goldkorn foi processado e o autor quase foi para a cadeia. Mas hoje, o livro está por aí em PDF (só googlar). Bem pequeno e possível de ser lido em poucas horas, fala do suposto apetite sexual do rei, da grana que entrava por causa dos shows (Roberto teria esquecido um saco de dinheiro atrás de um guarda-roupas, certa vez) e até da existência de um filho ilegítimo do cantor – que aliás, anos depois, teria a paternidade reconhecida.

Advertisement
>>> Veja também no POP FANTASMA: A mulher que devorou “Roberto Carlos”, o livro

“CAETANO – UMA BIOGRAFIA” – CARLOS EDUARDO DRUMMOND, MARCIO NOLASCO. A dupla de autores começou os trabalhos enviando uma carta (não havia e-mail ainda) ao irmão de Caetano. O livro foi engavetado, rolou uma história de que Caetano não gostara do resultado e proibiu, e os autores souberam que a editora (a Objetiva) desistira do projeto. Mas o livro retornou anos depois por outra editora (Seoman), inclusive com autorização de uso de fotos. Entre as descobertas do livro, o fato de que Caetano tem algo em comum com David Bowie: os dois tiveram empregos em agências de publicidade antes da fama. Detalhe: a ideia original de Drummond e Nolasco era fazer uma biografia de Roberto Carlos (desistiram, claro).

“HIS WAY: UMA BIOGRAFIA NÃO-AUTORIZADA DE FRANK SINATRA” – KITTY KELLEY. O nome dessa jornalista americana causa pânico em muitos famosos. Afinal, ela já escreveu livros bem reveladores sobre Elizabeth Taylor, Oprah Winfrey, Nancy Reagan (retratada como uma esposa infiel e viciada em astrologia). His way, que saiu no Brasil pela Record (e cujo título é uma piada cruel com o hit My way) mostrava o cantor americano como um bêbado violento, associado à máfia, filho de uma mulher que teria criado um serviço de aborto clandestino (um escândalo na época em que saiu o livro). Sinatra tentou impedir o lançamento o quanto pôde. Mas depois desistiu.

>>> Veja também no POP FANTASMA: Tão leiloando um livro de receitas fake de Andy Warhol

“LED ZEPPELIN: QUANDO OS GIGANTES CAMINHAVAM SOBRE A TERRA” – MICK WALL. O livro Hammer of the gods, de Stephen Davis, pode ter sido um tanto falacioso e exagerado ao contar histórias bizarras sobre o grupo inglês. Wall, jornalista com anos de trabalho, também não economizou em histórias escrotas sobre o Led, boa parte delas envolvendo o baterista John Bonham. O músico é visto no livro saindo na porrada com (e tentando arrancar o olho de) um integrante da equipe do promotor Bill Graham, agredindo repórteres e avançando para cima de uma divulgadora da gravadora Atlantic. Num ponto mais ameno, tem também o relato completo da paixão de Jimmy Page por ocultismo.

Advertisement

“ROCK WIVES” – VICTORIA BALFOUR. Esse livro nunca saiu no Brasil, embora seu lançamento, em 1984, aparecesse em revistas como a Manchete, com matérias cheias de fotos. Victoria, em seu primeiro (único?) livro, explorou o dia a dia tenso das esposas, namoradas e groupies de rock stars. Tinha lá a louca vida de Bebe Buell (mulher de Todd Rundgren e namorada de Steve Tyler, Elvis Costello e outros), a tristeza de Susie Rotolo (namorada descartada de Bob Dylan) e a barra segurada por Marilyn Wilson (que parou a carreira de cantora para cuidar do marido, Brian Wilson).

>>> Veja também: POP FANTASMA apresenta Jimmy Page no Brasil, de Leandro Souto Maior

“GUNS N’ROSES: THE MOST DANGEROUS BAND IN THE WORLD” – MICK WALL. Uma matéria no site Beat faz questão de lembrar que, ao contrário do que se diz por aí, o jornalista Wall não foi citado na lista de inimigos de Axl da música Get in the ring por causa desse livro. A biografia do Guns escrita por ele saiu um ano depois do par de discos Use your illusion (1991). Já a canção surgira após a publicação de uma entrevista que o cantor dera para ele, na qual havia falado mais do que devia. Mas Axl chegou a ameaçar Wall de morte por causa desse livro – que aliás é até bem ameno e foca só em entrevistas com a banda.

Advertisement

“MICK JAGGER – NÃO AUTORIZADO – SEM CORTES” – CHRISTOPHER ANDERSEN. Esse livro teve tempo de causar polêmica duas vezes, e um dos escândalos envolve o Brasil. Andersen descreveu o cantor dos Rolling Stones como um control freak, maníaco por sexo e cruel com todo mundo que chega perto dele. Pelas contas de quem lê o livro, Jagger passou mais tempo na vida fazendo sexo do que cantando. A lista de parceiros tem de Marianne Faithfull, Anita Pallenberg, David Bowie e Bette Midler (que negou tudo), a Eric Clapton e Mick Taylor. A primeira edição saiu em 1993. Mas a segunda, ampliada e com título mudado para A vida louca e selvagem de Jagger, fez barulho no Brasil por ter tido trechos da edição nacional suprimidos. Aliás, os tais trechos entravam em detalhes do relacionamento de Jagger com a apresentadora Luciana Gimenez (que negou envolvimento na edição).

 

Cultura Pop

Tem XTC no podcast do POP FANTASMA

Published

on

XTC

É a banda de Making plans for Nigel e King for a day! A banda britânica XTC deixou saudade na gente e em mais um monte de fãs. No nosso podcast POP FANTASMA DOCUMENTO, recordamos alguns dos momentos mais maravilhosos (nada de “melhores momentos”, XTC só tem música maravilhosa) desse grupo, liderado pelos gênios Andy Partridge e Colin Moulding, que acabou de forma misteriosa e deixou vários álbuns que todo mundo tem que conhecer. E convidamos o amigo DJ e músico Pedro Serra (Estranhos Românticos, O Branco E O Índio, Rockarioca) para ajudar a explicar porque é que você tem que parar tudo e ouvir o som deles agora mesmo.

O Pop Fantasma Documento é o podcast semanal do site Pop Fantasma. Episódios novos todas as sextas-feiras. Roteiro, apresentação, edição, produção: Ricardo Schott. Músicas do BG tiradas do disco Jurassic rock, de Leandro Souto Maior. Arte: Aline Haluch. Estamos no SpotifyDeezerCastbox Mixcloud: escute, siga e compartilhe! Ah, apoia a gente aí: catarse.me/popfantasma.

Continue Reading

Cinema

No podcast do POP FANTASMA, a redescoberta de Jim Morrison em 1991

Published

on

No podcast do POP FANTASMA, a redescoberta de Jim Morrison em 1991

Indo na onda do documentário Val, sobre o ator Val Kilmer, e recordando os 50 anos da morte de Jim Morrison, lembramos no nosso podcast, o POP FANTASMA DOCUMENTO, aquela época em que Val virou Jim. O ator de filmes como Top Secret interpretou o cantor no filme The Doors (1991), dirigido por Oliver Stone. E, de uma hora para outra, mais uma vez (e vinte anos após a partida de Jim Morrison), uma geração nova descobria canções como Light my fire, Break on through e L.A. woman.

No podcast do POP FANTASMA, a redescoberta de Jim Morrison em 1991

O Pop Fantasma Documento é o podcast semanal do site Pop Fantasma. Episódios novos todas as sextas-feiras. Roteiro, apresentação, edição, produção: Ricardo Schott. Músicas do BG tiradas do disco Jurassic rock, de Leandro Souto Maior. Arte: Aline Haluch. Estamos no SpotifyDeezerCastbox Mixcloud: escute, siga e compartilhe! Ah, apoia a gente aí: catarse.me/popfantasma.

Continue Reading

Cultura Pop

Quando pegaram Gary Cherone (Extreme) para Cristo

Published

on

Em 1994, pouco antes de gravar o quarto disco com sua banda Extreme (o pseudo-conceitual Waiting for the punchline, de 1995) e de fazer uma tentativa de virar o vocalista do Van Halen (que deu no disco Van Halen III, de 1998, e numa turnê), o cantor Gary Cherone encontrou Jesus. Bom, mais que isso: ele se tornou Jesus, como ator da ópera-rock Jesus Christ Superstar, mas apenas nas montagens da peça em Boston, em 1994, 1996 e 2003.

O papel de Gary incluiu a crucificação e tudo, e o cantor chegou a declarar que a peça era uma antiga obsessão sua. “Sempre adorei a música dessa peça”, contou. O musical foi uma produção da Boston Rock Opera, trazia ainda Kay Hanley (Letters To Cleo) como Maria Madalena, e participação de vários roqueiros locais. Gary realmente curtia Jesus Christ Superstar: segundo uma matéria do The Boston Globe, a equipe que fazia o musical estava pensando em não apresentar nada na páscoa de 1994. Só que Gary não deixou: tinha visto uma encenação em Boston em 1993, gostou do que viu, passou a mão no telefone e ligou pessoalmente para a turma oferecendo-se para o papel.

A equipe ouviu o pedido do vocalista do Extreme, achou que ser maluquice não aproveitar a oferta do cantor e partiu para os ensaios. Detalhe que Gary, depois de três temporadas sendo crucificado, se preparava para outro desafio na mesma peça: iria interpretar Judas, o amigo da onça de Jesus. “Gosto do papel de Jesus, mas Judas tem músicas mais pesadas”, chegou a dizer.

Advertisement

Isso de Gary resolver interpretar Judas e gostar do lado meio pesado da história (e ele fez mesmo o papel em 2000) reacendeu uma velha polêmica em relação a Jesus Christ Superstar. Criada por Andrew Lloyd Webber e Tim Rice inicialmente como uma ópera-rock lançada apenas em disco (ninguém tinha grana para levar aquilo tudo ao palco e não surgiam produtores interessados), a história discutia os papéis de Jesus Cristo e de seus apóstolos durante sua última semana de vida. E quando a peça foi à Broadway, com Jeff Fenholt como Jesus e Ben Vereen como Judas, não faltou gente reclamando que Judas parecia bastante simpático na peça.

Interpretando Jesus, por sinal, Gary encarou um papel que já foi vivido por outro vocalista de rock. Ninguém menos que Ian Gillan, que foi Jesus no LP da ópera-rock, feito quando ainda não havia planos para levá-la aos palcos. Mas Gillan não quis subir ao palco quando a montagem começou a ser feita, alegando que não queria virar ator. Um tempo depois, o papel de Jesus passou a ser tão cobiçado por roqueiros que até Sebastian Bach (o próprio) interpretou o papel.

Se você mal pode esperar para ver o ex-Skid Row interpretando o papel (bom, vai demorar pro POP FANTASMA fazer outra matéria sobre o mesmo assunto…) tá aí.

Advertisement
>>> Apoia a gente aí: catarse.me/popfantasma

Continue Reading
Advertisement

Trending