Connect with us

Cultura Pop

A turnê fracassada dos Beach Boys com o guru Maharishi

Published

on

A turnê fracassada dos Beach Boys com o guru Maharishi

Lá por 1967/1968, os Beach Boys eram uma estranha caixinha de surpresas, da qual poderia sair um disco excelente (Wild honey), um LP travado (Smiley smile) ou discos abortados, shows ruins e turnês que começavam em clima de “agora vai” e revelavam-se tremendas roubadas. Foi mais ou menos nesse pé que a banda estava quando resolveu fazer uma fracassada turnê como ex-guru dos Beatles, o indiano Maharishi Maheshi Yogi.

O enrosco dos Beach Boys com o guru rolou justamente quando os Beatles estavam in love com a técnica de meditação transcendental de Maharishi, que haviam conhecido em agosto de 1967, durante um seminário no País de Gales. Na verdade, quem liderou a caminhada dos Beatles rumo à transcendência foi George Harrison, seguido inicialmente por John Lennon. Eles próprios foram procurar Mike Love, Dennis Wilson e Al Jardine, dos Beach Boys, para fazer propaganda dos ensinamentos do indiano.

Os três foram a uma palestra e começaram de verdade a se envolver com o programa de meditação – um namorico que foi se tornando namoro sério a partir de janeiro de 1968, quando o guru convidou até Love para visitar seu seminário de treinamento em Rishikesh, no norte da Índia, aonde os Beatles já estavam. O grupo esteve em palestras públicas feitas pelo guru em Manhattan e visitou Maharishi no Plaza Hotel, em Nova York, onde ele estava hospedado. Após o encontro, todos posaram para fotos – ironicamente, a fotógrafa que clicou a união Beach Boys-Maharishi foi Linda Eastman (futura Linda McCartney).

Tinha um problema sério nesse enrosco aí, que inicialmente se mostrara algo bem pequeno, mas que depois foi se revelando como um pedregulho enorme no sapato: em abril de 1968, os Beatles abandonaram o barco do seminário de treinamento, supostamente por terem achado Maharishi um tanto saidinho e abusivo com as frequentadoras mulheres. A banda malhou o guru em entrevistas, John Lennon compôs uma canção a respeito (Sexy sadie, lançada no Álbum branco, dos Beatles) e chegou a levar o caso Beatles vs. Maharishi para entrevistas que ficaram famosas, com a Rolling Stone e o programa Tonight Show.

Advertisement

Anos depois George Harrison pediu desculpas, disse que as acusações a Maharishi eram mentiras (dizia-se até que o guru tinha tentado abusar da atriz Mia Farrow) e a paz voltou a reinar entre o grupo e o guru da meditação. Só que isso rolou em 1991, quando Lennon já tinha morrido havia mais de dez anos. Em 1968, o circo estava armado, e Maharishi era visto tanto como “o guru do ano” quanto como uma fraude sem tamanho que os Beatles haviam abandonado e exposto publicamente. Não havia o termo “cancelamento”, mas o risco de algo parecido era meio grande.

Os Beach Boys estavam tão ligados ao guru que o Spiritual Regeneration Movement, a organização dele, propôs que o grupo financiasse um documentário sobre ele. A banda não topou e a solução arrumada por ambas as partes foi fazer uma turnê conjunta Beach Boys-Maharishi, o grupo tocando hits, o guru fazendo pregações. Para todo mundo que cercava Maharishi, era uma boa ideia para manter o líder religioso próximo da sociedade de consumo pop. Para a banda, talvez fosse uma boa saída para a recuperação financeira, após um turnê abortada pelos EUA que deixou prejuízos.

A ideia do show já não era das melhores – Love disse à Melody Maker que destacariam Maharishi com um sistema de iluminação fodástico, que a banda tocaria por uns 45 minutos nos shows e logo depois, viria um documentário, e uma palestra com sessão de perguntas & respostas com o guru. Estava longe de ser uma configuração de show que atrairia multidões e a banda descobriria isso logo logo, ao ver a duração de 29 datas reduzida para três datas – marcadas por som ruim, atuações cagadas (por parte dos BB) e vaias quando Maharishi começava a falar. O grupo teve um prejuízo monstruoso de US$ 250.000 e teve a tristeza de ver o evento classificado como “um dos entretenimentos mais bizarros da época”.

Love, que costumava adotar uma postura intransigente em relação às mudanças que Brian Wilson tinha provocado no som dos BB com Pet sounds e o cancelado Smile, teve que engolir em seco e admitir que a responsabilidade por aquela ideia tinha sido sua. Mas argumentou: “Achei que poderia fazer algum bem para as pessoas que estavam perdidas, confusas ou problemáticas, principalmente aquelas que eram jovens e idealistas, mas também vulneráveis. E pensei que isso era verdade para muitos de nós”.

Seja lá quem Love queria ajudar, vale citar que, sim, os perdidos também estavam nos Beach Boys: Brian passaria mais e mais maus bocados na vida, Dennis Wilson estava livre para começar um relacionamento enrolado com a “família” do miolo mole Charles Manson, a banda entraria numa roda viva desgraçada de shows flopados e discos abortados pelas gravadoras. Mas isso aí são outras histórias.

Advertisement

Ah, sim, rolou toda uma herança dos encontros com Maharishi no disco Friends, de 1968. Olha aí a música Transcendental meditation.

Cultura Pop

Music Factory: o programa de rádio de Tom Wilson

Published

on

Music Factory: os programas de rádio de Tom Wilson

Muita gente não se recorda ou não fazia a menor ideia, mas Tom Wilson (1931-1978), o cara que assinou o contrato do Velvet Underground com a Verve/MGM, era um radialista. Tom  que conta-se, foi o verdadeiro produtor de The Velvet Underground and Nico, estreia do grupo, comandou o Music factory, um programa de rádio “muito livre” (como define um site dedicado ao seu legado) transmitido pela WABC-FM (Nova York). Aliás, vale citar que Tom já tinha larguíssima experiência como produtor e executivo de gravadora antes disso – foi dono da Transition Records, um selo de jazz de vanguarda, e produziu discos de Bob Dylan, o single de Like a rolling stone entre eles.

O programa estreou em junho de 1967, durou um ano, e acabou virando uma atração nacional, por um motivo bem básico. Por causa da ligação de Wilson com a MGM, a atração era um excelente ponto de divulgação para os lançamentos da gravadora, que patrocinava a atração. Logo sairiam discos de vinil com edições do programa, prontas para serem enviadas a emissoras em todos os Estados Unidos.

“Wilson é um anfitrião genial, um locutor encantador com uma presença calorosa. Seu humor é autodepreciativo, e ele sempre deixa seus convidados à vontade com sua risada robusta (às vezes muito robusta). Os episódios são cápsulas do tempo interessantes de um período em que a fidelidade de áudio superior estava ajudando os rádios FM a colherem músicas do AM, que estava atormentado pela estática”, avisa um site dedicado à obra radiofônica de Wilson, e que coletou e pôs no ar, em MP3, nada menos que 26 edições do Music factory.

Tom Wilson transmitia comerciais dos discos da MGM/Verve – discos como White light/White heat, do Velvet Underground, e Chelsea girl, estreia de Nico, ganharam reclames produzidos pela gravadora, mesmo que fossem álbuns de pouco público. Entre os entrevistados ou noticiados pelo programa, estavam nomes de altíssima estirpe, como The Cowsills, Artie Ripp (produtor e diretor de selos como Buddah e Kama Sutra), Richie Havens, Ultimate Spinach (banda psicodélica de Boston) e… John Cale e Lou Reed, do Velvet Underground. Há quem diga que o papo com os dois foi absolutamente desinteressante. Não exatamente.

Advertisement

Continue Reading

Cultura Pop

Mike Love (Beach Boys): “Mick Jagger é um covarde”

Published

on

Discos da discórdia 5: Mick Jagger, com "She's the boss"

Existem várias bandas que nos anos 1960 foram tidas como “rivais” dos Beatles em algum momento: Byrds, Beach Boys, Rolling Stones, quase todo mundo que aparecia em algum momento era envolvida na rivalidade por algum jornalista espertinho – e opa, os Beatles também tinham lá seus motivos para se assustarem com todo mundo que se arvorava a fazer sucesso. Pior que, pelo menos no que dependesse de Mike Love, um dos beach boys, haveria uma bizarra rivalidade entre os bem sucedidos Stones e os vida-torta da banda de surf music da Califórnia. Tudo por causa de um rancor guardado em tonéis de carvalho por vários anos.

No dia 8 de maio de 1966, Mick Jagger, que praticamente nunca foi visto falando dos Beach Boys na vida, foi perguntado pela Melody Maker sobre o que achava da banda. Bom, digamos que o cantor dos Stones foi bastante sincero: disse que odiava o grupo, apesar de gostar de Brian Wilson, o gênio da turma. Um “gostar” que se aproximava mais da zoação paternalista do que da sinceridade pura e simples, diga-se, mas o cantor não parou por aí. “Brian Wilson é um cara legal e diferente deles. Eles são uns caras estúpidos, como vários grupos que começaram junto com eles e agiram feito idiotas todo o tempo”, disse, comparando a banda com “um bando de caras grosseirões que invadem um pub”.

Jagger curtia Pet sounds, por sinal um disco que Brian Wilson trabalhou e retrabalhou, e pelo qual Mike Love historicamente nunca teve muito amor. Ainda assim o disco não levou nota 10 do stone. “Brian é um grande produtor mas poderia variar os sons das vozes. Os sons, não as harmonias, me irritam um pouco”. Dennis Wilson, o baterista, é definido por Mick como um músico que “não poderia manter o tempo das músicas nem para salvar sua vida”. Brian é definido como um bom letrista, mas o resultado final é “inocente”.

Olha aí a arenga do Mick.

Até que em 1988, na cerimônia do Rock And Roll Hall Of Fame, Mike Love deu novas dimensões à palavra “rancor”. O beach boy soube que Mick Jagger estava na plateia e decidiu incluir o cantor em seu discurso de indução. Bom, “incluir” é apelido – Love chamou o vocalista de “covarde” e desafiou o frontman de uma das bandas mais bem sucedidas do mundo a subir no palco com ele.

A propósito, 1988 foi aquele famoso ano em que Keith Richards preparou seu primeiro disco solo, Talk is cheap, e os Stones “milagrosamente” decidiram conversar sobre uma turnê nova, adiada porque o guitarrista não iria abrir mão do trabalho solo. Ao mesmo tempo, o próprio Jagger (cujos voos solitários já haviam deixado os Stones na mão em outros momentos e tinham emputecido, em particular, Keith) fez sua primeira turnê solo, começando pelo Japão.

Mas ali no palco, o papo foi esse aí: “Os Beach Boys fizeram cerca de 180 apresentações no ano passado”, esbravejou Mike Love. “Eu gostaria de ver Mick Jagger subir neste palco e fazer I get around versus Jumpin’ Jack Flash, a qualquer momento. Eu gostaria de nos ver no Coliseum e Jagger no Estádio de Wembley porque ele sempre foi um covarde para subir no palco com os Beach Boys”.

A tal encrenca Mike Love vs. Mick Jagger, pelo que Love contou numa entrevista, chegou nos bastidores. O beach boy conta que rolou até de ele e Mick atirarem fora os sapatos um do outro. De qualquer jeito, o discurso puto da vida de Mike Love foi gravado e tá até no YouTube.

Advertisement

Continue Reading

Cinema

Toomorrow: quando Olivia Newton-John fez um musical espacial “jovem”

Published

on

Toomorrow: quando Olivia Newton-John fez um musical espacial "jovem"

Fãs de Olivia Newton-John (que saiu de cena nos últimos dias) deram uma reclamada, com razão, quando viram nas redes sociais um bando de gente que só lembrou da fase Physical da cantora. Ou de clássicos da telinha como Grease e Xanadu, surgidos de uma fase em que Olivia já era tudo, menos um rosto novo. Antes disso, ela já vinha gravando discos na onda do country pop e do folk desde 1971, tinha conseguido o primeiro disco de ouro em 1975 com o sexto álbum, Clearly love, e vinha fazendo filmes desde o começo da década.

Um filme bem interessante que Olivia fez, e que está inteiro no YouTube (pelo menos por enquanto), tem um plot bem curioso, e ainda por cima rendeu um trilha sonora que prometia. Aliás, o próprio filme foi uma promessa – que não rolou. Toomorrow, dirigido por Val Guest, saiu em 27 de agosto de 1970 no Reino Unido, e tinha a cantora como protagonista. Olivia fazia uma personagem chamada Olivia, que era a líder de um grupo pop (cujo nome era Toomorrow) que era observado de longe por extraterrestres, e acabava sendo abduzido.

Além da cantora, o grupo tinha Karl Chambers (bateria), Ben Thomas (voz, guitarra) e Vic Cooper (teclados). Essa turma, que mantinha a banda como uma forma de financiar os estudos, acabava envolvida numa trama que misturava musical, ficção científica e filme “jovem”, com direito a cenas de protestos estudantis e sit-ins alegres. Se você nunca viu, nem ouviu falar e tem curiosidade, segue aí.

Toomorrow não chegou a ser um grande sucess… não, pensando bem foi um retumbante fracasso. O filme teve problemas desde o começo porque sua dupla de produtores começou trabalhando direitinho e depois passou a se odiar. Os dois eram ninguém menos que Harry Saltzman, que produziu filmes de James Bond, e Don Kirshner, que foi o primeiro produtor dos Monkees. Nessa época inicial, problemas com o roteiro, que nunca ficava do jeito que a dupla e o diretor queriam, e problemas maiores ainda com grana (Guest diz nunca ter sido pago pelo filme) melecaram o processo ainda mais. Olivia chegou a afirmar que o filme “pelo menos valeu a experiência”.

Advertisement

No fim das contas, Toomorrow foi exibido por apenas uma semana em Londres, e ressurgiria anos depois em exibições especiais, além de seu lançamento em DVD. O mais curioso é que o filme teve até uma trilha sonora, lançada pela RCA. Apesar de ser uma trilha, era creditada à banda Toomorrow, que não existia na prática. Esse disco, um não-marco do pop gostosinho, está até no Spotify.

A tal trilha saiu em 1970, junto do não-lançamento do filme, e honrava bem um projeto que, de certa forma, havia começado com a ideia torta de ser um Monkees de luxo da nova década. Don Kirshner atuou como supervisor musical (todo o material foi publicado em sua editora) e tanto as composições das faixas quanto a produção do LP são creditadas ao cantor e compositor Ritchie Adams e ao produtor Mark Barkan. Chegaram a sair mais duas faixas do Toomorrow num single, também de 1970, lançado pela Decca – a capinha do disco anunciava até pôsteres do grupo.

Advertisement
Continue Reading
Advertisement

Trending