O atual presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, podia esperar de tudo – menos que fossem resgatar um desafeto ilustre seu lá do outro mundo. O New Musical Express resgatou uma entrevista do rapper Tupac Shakur (1971-1996), dada em 1992 à MTV, em que ele partia para cima do então apenas magnata Trump.

“Você quer fazer sucesso? Tem que ser como Donald Trump. Me dá, me dá, me dá. Pressione, pressione, pressione, pressione. Pise, pise, pise, pise. Esmague, esmague, esmague. Tudo se resume a isso. É algo que ninguém pode parar”, disse Tupac, que tam bém falou sobre racismo. “Eu acho que em vez de ficarmos só ‘a escravidão é má, os branquelos são maus’, temos que parar com isso. Todos são inteligentes o suficiente para isso. Temos sido desprezados e agora queremos o que é nosso. E quando digo ‘quero o nosso’ não estou dizendo 40 acres e uma mula, porque isso é passado”.

Não para por aí: Tupac também ataca as celebridades que ganham milhões de dólares, dizendo que elas têm aviões particulares enquanto “há pessoas que não têm casas, ou apartamentos, barraco, macacões, calças”, disse. “Não entendo como pessoas como Michael Jackson, ou quem quer que seja que tenha bilhões de milhões de dólares enquanto tem pessoas passando fome”.

Bom, notícias recentes dão conta de que Tupac, no quesito “fortuna monstruosa”, ia muito bem, obrigado. Mas se você está encucado com isso, o próprio rapper já tinha uma resposta para você na mesma entrevista. “Se eles (os artistas) ganharam (fortunas), eu acho legal, porque eles mereceram. Mas mesmo que você ganhou, você deve algo a alguém. Olhe para mim. Eu não tenho tanto dinheiro assim. Mas me sinto culpado quando passo perto de alguém (que não tem nada). Eu tenho que dar algo para ele. Se eu sei que tenho US$ 3.000 no meu bolso, eu acho errado dar 25 centavos ou US$ 1. É errado. Só você sabe o que tem no seu bolso, e isso é errado, não importa o que eles façam com o dinheiro. Se eles pegarem o dinheiro e comprar bebidas, eles podem pegar e beber. Todos sabemos como isso é ruim, e não se trata de você ser bom ou ruim. Só porque você não tem nada, não quer dizer que você é criminoso, um louco, um viciado, nada disso. Ele simplesmente não tem nada. E não é ruim você ter. Dá para imaginar alguém ter US$ 32 milhões, e outra pessoa não ter nada? Você consegue dormir?”

Por acaso, recentemente um outro vídeo de 1992 sobre Trump virou notícia, e é uma entreevista do próprio a ninguém menos que Bruna Lombardi, no programa “Gente de expressão”, que passava na saudosa Rede Manchete. O atual presidente dos Estados Unidos diz que não pensava em entrar para a política, apesar dos convites.