Por volta de 1979, para onde quer que você fosse, era impossível escapar da balada romântica I’d rather hurt myself, de Randy Brown. Primeiro porque a música tocava o tempo todo no rádio e entrou na trilha da novela Pai herói. Segundo, porque a Mundial FM, uma das rádios mais populares do Rio – e, por extensão, do Brasil – passou a usar a canção numa propaganda de TV. Como a tal propaganda trazia uma pessoa voando de asa delta, a música ganhou o apelido de Melô da asa.

Ninguém até hoje jogou essa vinheta original no YouTube, mas tem uma série de vídeos com imagens de pessoas voando de asa delta, com a música no fundo.

Randy Brown – que ainda está vivo aos 66 anos e mora em Memphis, mas não grava desde 1988 – tá longe de ser considerado um nomão do r&b. Ele começou cantando doo-wop em igrejas e entrou para um grupo chamado The Newcomers, que foi contratado pela Stax em 1971. Saiu do grupo e passou a gravar solo a partir de 1973, com singles como Did you hear yourself. Nessa época, Brown estava contratado da Truth, um selinho pertencente à Stax. Foi no período em que a gravadora havia deixado de ser uma subsidiária da Atlantic e se tornou um selo independente.

Naquela época, o mercado de discos era extremamente competitivo, e gravadoras despejavam rios de dinheiro em novos lançamentos. No meio da concorrência bizarra do meio fonográfico, a Stax desistiu da independência e deixou acordado um lance de distribuição com a CBS, que não foi pra frente. Clive Davis, presidente da CBS na ocasião, havia combinado tudo pessoalmente com a turma da Stax. Mas foi demitido por, supostamente, usar grana da empresa para financiar gastos pessoais – coisa que anos depois negou ter feito, em sua autobiografia The soundtrack of my life. Com a saída dele, o acordo com a Stax dançou, a gravadora fechou as portas em 1976 e Randy foi pro olho da rua.

Quem também se deu muito mal nessa zica da Stax foi o Big Star, banda que vinha sendo considerada os Beatles do power pop e gravou dois discos lá, que sequer foram trabalhados.

Randy, após alguns singles sem expressão, foi parar numa subsidiária da Casablanca Records, espécie de “casa” da disco music no período. A Parachute Records era dirigida por um veterano da indústria da música chamado Russ Regan. O cantor gravou várias demos para mostrar a Russ e ele se interessou justamente por I’d rather hurt myself, que ainda tinha um acréscimo no título entre parênteses (Than to hurt you). A letra anotava as impressões e as dores de um rapaz que supsotamente traía a namorada, e ainda colocava a pobre coitada numa enorme rede de fofocas (“eu sei que toda a cidade está rindo/e falando de você pelas costas”, diz). Essa sofrência (para a garota, claro) se tornou o primeiro hit de Brown.

Olha ele aí no mitológico programa de TV Soul train interpretando outro hit seu da época, I wanna make love to you. Não achei vídeo de Brown cantando o Melô da asa.

Randy gravou mais quatro LPs, pela Parachute e por outra etiqueta black da Casablanca, o Hot Chocolate. Depois foi gravando outros singles por selos menores e sumiu do mercado fonográfico depois de 1988. Mas o que interessa é que o sucesso da canção de Randy foi tão grande no Brasil que chegou até nos Trapalhões, com direito a Renato Aragão e seu personagem Didi Mocó fazendo – nos moldes de programas como o Good Times 98 – uma tradução em português muito livre da canção.

Jogaram esse vídeo no YouTube (clique aqui pra ver), com Renato substituindo versos como “all the talk/that’s going around town” por “ô doutor/faço um gol no segundo tempo”. Uma pérola que iria se perder no tempo se alguém não tivesse digitalizado – e que mostra que as paródias e brincadeiras com músicas de sucesso já foram melhores.