Lembram do disco do Tom Zé, Todos os olhos, de 1973? Ele ficou famoso por ter na capa a foto de um suposto “orifício anal” coberto por uma bolinha de gude (enfim, era uma boca, mas a fama tá aí até hoje). E, bom, muita gente até hoje se choca com essa história. Mas o que essas pessoas não imaginam é que, comparado com a verdadeira chutada de balde que foi a imagem que ilustrou a capa de The origin of the feces, segundo álbum dos góticos nova-iorquinos do Type O Negative (1992), ele parece coisa da Adriana Partimpim…

Origin certamente poderia ser considerado o disco ao vivo mais caótico da história da música. O disco foi supostamente gravado no Halloween de 1991. A banda é registrada brigando com a plateia – que diga-se de passagem passa o “show” inteiro gritando “you suck, you suck!”. O grupo liderado pelo saudoso vocalista Peter Steele não leva nenhuma música até o fim e para a todo momento para fazer palhaçadas. Aliás, eles levam uma música até o fim sim: a faixa de abertura I know you’re fucking someone else. Essa música, por sinal, curiosamente consta no álbum de estreia Slow, deep and hard (1991) com o título Unsuccessfully coping with the natural beauty of infidelity.

Em Origin, o Type O Negative também leva covers de modo displicente e com as letras alteradas. Confira aí o que eles fizeram a Paranoid, do Black Sabbath, e a Hey Joe, clássico imortalizado por Jimi Hendrix – e rebatizado por eles de Hey Pete.

O fim do disco não poderia ser mais inusitado. Alguém pede para que a banda interrompa a apresentação e diz para o público evacuar o recinto, por causa de uma suposta ameaça de uma bomba no local! Bem, tanta insanidade até poderia fazer de The origin of the feces o mais bizarro álbum ao vivo de todos os tempos, se não fosse um pequeno detalhe. Tudo não passa de um teatrinho muito do fajuto!

Após o bem sucedido primeiro trabalho, a gravadora Roadrunner adiantou uma bela grana para gravarem um novo disco. Só que a banda preferiu gastar quase tudo com orgias, festas e drogas (não necessariamente nessa ordem). Com um orçamento ínfimo e tendo um prazo a cumprir, Peter Steele e seus fieis escudeiros tiveram uma saída bastante esperta. Trancaram-se no estúdio r gravaram todo o material ao vivo do jeito que deu – precariamente e em um take só. O grupo reaproveitou demos e inseriu no meio aplausos, vaias e xingamentos. O resultado é ridículo e caótico, mas – apesar ou por causa disso, confesso que não sei – divertidíssimo!

E claro: o pior de tudo sem dúvida é sua “icônica” capa que faz jus ao título e ilustra com perfeição o conceito que permeia a obra. E já que a capa do Tom Zé depois se revelou uma farsa, o que está aí é bem verdadeiro: é um close do c* do Peter Steele.

Type O Negative: o c (*) de Peter Steele na capa de "The origin of the feces"

No encarte do disco, as fotos dos integrantes aparecem cobertas com o cocô de Peter Steele. Espero que você não vá almoçar agora.

Type O Negative: o c (*) de Peter Steele na capa de "The origin of the feces"

Claro, a Roadrunner, por livre e espontânea pressão das lojas, precisou mudar a capa para a imagem de quadro de 1493 chamado A dança da morte, de Michael Wolgemut. E Peter Steele deve ter adorado a experiência exibicionista, já que pouco tempo depois posou nu para a revista Playgirl. E foi divulgar a revista num programa de auditório (você já leu sobre isso no POP FANTASMA).

Type O Negative: o c (*) de Peter Steele na capa de "The origin of the feces"

LUCIANO CIRNE, autor deste texto, 40 anos, é jornalista, flamenguista, casado, tem 6 cachorros e aceita doações de CDs, DVDs, videogames e carrinhos!