Durante um tempo, deu certo e parecia uma boa ideia. Os Pocket Rockers foram lançados há 30 anos nos EUA pela empresa de brinquedos Fisher-Price como um cruzamento entre o mundo dos produtos para adolescentes, o universo da moda, a subcultura dos colecionáveis e, claro, a indústria da música. Era um cassette com um anel de fita, para ser tocado num aparelho próprio, e que tinha uma ou duas canções de sucesso que nunca acabavam. Assim que você inseria a fita no cassette, ela ficava tocando interminavelmente.

Pocket Rockers: aquele formato de áudio do qual ninguém lembra

Alguns desses aparelhos, hoje em dia, são vendidos em sites como o eBay. Olha um deles, aí.

O comercial do Pocket Rockers era esse aí. Se você se recorda (sei lá, pergunta pro seu pai), nos anos 1980 estava super na moda usar jaquetas jeans cheias de buttons e apliques malucos. E a ideia era que o comprador adquirisse as fitinhas e colocasse em sua jaqueta, ou em alguma peça de roupa qualquer, ou num penduricalho à escolha dele. Sim, isso tirava o humor de muitos pais, professores e inspetores escolares, lá fora.

“Isso só pode ser brincadeira. Que artista maluco lançaria um compacto assim?”, você pode se perguntar. Cara, Bon Jovi lançou, Whitney Houston também, Bangles também (Walk like an egyptian fazia sucesso pra burro). Madonna também lançou. E parecia de fato uma ideia bem legal. Até que, evidentemente, esses volúveis adolescentes percebessem que ficar escutando a mesma música em looping e usar uma fita pendurada na jaqueta não era nada cool. Isso rolou em 1991, quando o produto foi descontinuado.

O youtuber Techmoan, que faz vídeos sobre tecnologia antiga, arrumou um desses e mostrou como funciona.