Rodou pela web no último de semana – a partir de um resgate feito pela conta do Twitter Classic Rock Pics – a imagem de um selinho entre ninguém menos que Phil Collins e Robert Plant. Nem mesmo a considerável diferença de altura entre os dois (quase vinte centímetros, com vantagem para o cantor de Stairway to heaven) impediu o beijinho dos dois amigos. Olha que fofo.

O encontro de Plant e Phil Collins, na época, ainda rendeu mais cliques. A Getty Images tem mais fotos da ocasião. Na época, o bromance dos dois foi parar na capa de uma revista de música dos Países Baixos, Muziek Express. A publicação emoldurou a foto com a frase “o que temos?”.

Phil Collins e Robert Plant: parabéns por você existir, amigo

A Classic Rock Pics informa que a foto foi tirada no Be-Bob Cafe em Nova York, 1983. E vale citar que o regabofe não rendeu só beijos entre o ex-Led Zeppelin e o ex-Genesis, não, como você viu acima no tal link da Getty Images. O evento rolou em 12 de setembro daquele ano e era a festa da turnê do segundo disco solo de Plant, Principle of moments. Na ocasião, Plant já estava mais do que convencido que os tempos de Led Zeppelin haviam ficado para trás. Tinha dado uma disfarçada na cabeleira dos anos 1970 com um mullet e adotara uma boa dose de sintetizadores em seu som. Um dos maiores hits do disco foi esse aí, Big log.

O cara que fez as fotos de Plant e Collins é ninguém menos que Ron Galella, um dos maiores paparazzi dos Estados Unidos. Ron clicou praticamente todos os grandes astros do pop gringo – de Michael Jackson a David Bowie, pouca gente escapou. E também apontou suas lentes pra uma turma grande do cinema. Uma das histórias mais malucas a respeito de Ron foi a da vez, em 1973, em que ele recebeu a missão de localizar o ator Marlon Brando, então totalmente fora de circulação, e fotografá-lo. Ele conta a história neste vídeo abaixo, infelizmente sem legendas.

Para quem não conseguiu ouvir, vamos lá. Após alguns dias de procura – durante os quais se valeu de informações de colegas e até de motoristas de limusine – Ron conseguiu localizar Brando num restaurante em Chinatown, Nova York. Conseguiu tirar a foto do ator. Mas Brando, irritadíssimo por ter sido encontrado, deu em Ron um soco que lhe quebrou cinco dentes e arrebentou seu lábio inferior. Galella processou o ator e saiu da contenda judicial com US$ 40 mil nos bolsos (“não quero ninguém pensando que pode me socar se eu tirar uma foto”, contou). Em 1974, vingou-se enquanto clicava novamente Brando em outro restaurante, só que usando um capacete de futebol americano com “Ron” escrito.

Se você está achando o rolé Phil Collins-Robert Plant muito aleatório, vai a info de que Phil, por aqueles tempos, dividia seu tempo em três. Era o baterista do Genesis, mantinha uma bem-sucedida carreira solo que começara com Face value (1981) e era… o baterista de Robert Plant. Tocou nos dois primeiros discos solo do ex-Led Zeppelin, Pictures at eleven (1982) e Principle of moments (1983), além de participar das turnês.

A amizade dos dois era nova. Em 1982, após se oferecer para tocar com o Who e não conseguir a vaga (o grupo havia acabado de pôr Kenney Jones na batera), Collins estava em casa, quando Plant telefonou perguntando se ele gostaria de ser um dos convidados de sua estreia solo. Na autobiografia Ainda estou vivo, Phil contou que Robert lhe mostrou uma série de demos do disco, em que o baterista era Jason Bonham, filho de John Bonham.

“Mais tarde, Jason me contaria que seu pai o fez escutar Turn it on again (sucesso do Genesis), lançada pouco antes da sua morte, e havia pedido que tentasse tocá-la. Nem passava pela minha cabeça que John soubesse que eu era baterista”, escreveu no livro. Robert Plant, numa entrevista ao The Pulse Of Radio, disse ter outra lembrança: a de que o próprio Phil o contactou e disse: “Eu amo tanto (John) Bonham, eu quero sentar atrás de você quando você canta. Foi Phil Collins. Sua carreira estava apenas começando e ele era o cara mais animado, mais positivo e realmente o mais encorajador”, contou, responsabilizando o amigo pelo apoio definitivo em sua carreira solo.

A amizade entre Phil e Plant rendeu ainda outros lances. Em 1985, o Led Zeppelin surgiu do nada no palco do festival Live Aid – com o ex-Genesis na cozinha. Em 1988, quando foi personagem de um programa de TV no estilo esta-é-a-sua-vida, Collins ganhou uma homenagem-zoeira do amigo Robert Plant, que apareceu na cozinha fritando salsichas. Isso porque durante a gravação de seus primeiros discos solo, a turma só comia isso todo dia no café da manhã.

E já que você chegou até aqui, pega aí Phil Collins e o Led Zeppelin quebrando tudo no Live Aid.

Aliás, dá mole pro beijoqueiro Phil que ele chega junto. Olha aí o encontro cordial entre ele e o ex-colega Peter Gabriel, nos anos 1970.

Phil Collins e Robert Plant: parabéns por você existir, amigo